Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2019/2020

Escola

Escola Básica e Secundária de Alcains, Castelo Branco

Exposição de motivos

A campanha a desenvolver nos meios de comunicação social deve orientar-se no sentido de fazer perceber que os jovens na escola têm um espaço para partilhar os seus problemas. Na escola , para além de formação a dar a professores, psicólogos, assistentes administrativos ou pais e encarregados de educação, devem ser realizadas palestras dirigidas à comunidade educativa abrindo a possibilidade da escola ser uma fonte de deteção de problemas desta natureza. A pensar no futuro, esta medida de prevenção visa a sensibilização dos mais novos para este tema e a consciencialização de comportamentos corretos e incorrectos por forma a fazer diminuir os casos de violência doméstica e no namoro. A criação de gabinetes de Psicologia e Psiquiatria nos Centros de Saúde, pressupondo um tratamento de proximidade no Ministério da Saúde, precedida de formação especializada na área do reconhecimento dos casos de violência doméstica e no namoro, permitiria dar respostas/tratamento aos traumas psicológicos vividos por vítimas e por agressores. As vítimas uma vez sinalizadas deveriam poder ter um tratamento imediato que implicaria a sua integração em casas abrigo. Estas deveriam poder beneficiar de um apoio financeiro (desde de que não acumule com outros subsídios, eventualmente, existentes), enquanto se encontrarem numa situação vulnerável. As entidades responsáveis deveriam averiguar que a atribuição do estatuto de vítima de violência não seria uma forma de obter ilicitamente o apoio concedido à vítima de violência doméstica ou no namoro.

Medida proposta 1.:

Dinamizar campanha de sensibilização que visem o incentivo à denúncia de crimes de violência doméstica.

Medida proposta 2.:

Garantir às vítimas de violência apoio psicológico e/ou psiquiátrico, no serviço nacional de saúde, nomeadamente nos centros de saúde.

Medida proposta 3.:

Não há proposta de 3ª medida