Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2019/2020

Escola

Agrupamento de Escolas de Estarreja

Exposição de motivos

Começamos por destacar a extrema relevância do tema proposto para este ano. Na primeira medida, defendemos a promoção da melhoria das situações e condições de trabalho dignas: desde os horários de trabalhos; às condições concretas de esforço e desgaste laboral; até à questão salarial. Hoje, constatamos que a maioria da população vive em condições más devido aos seus reduzidos rendimentos. Facilmente se percebe que com condições de trabalho severas e com fracos salários, todos as pessoas vivem em um grande stress e angústia. Sem dúvida que este stress e desequilíbrio vivido pelos trabalhadores é a grande causa, o grande motivador da violência doméstica. O povo é sábio quando diz que “em casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão”. Na segunda medida propomos a criação um código ou códigos de socorro partilhado entre pessoas de confiança, família/amigos, para que facilmente se possa acionar em caso de necessidade e/ou de emergência. A última medida, exige um esforço de ajustamento de comportamentos de forma naturalmente franca e aberta no seio da família. Propomos um esforço para educar para comportamento saudável de abertura e diálogo que permitam desenvolver relações grande proximidade e sinceridade entre pais e filhos no sentido de superar medos e preconceitos relativos às suas vidas, o que inclui forçosamente os relacionamentos amorosos e de namoro. A experiência dos mais velhos será, certamente, muito útil para prevenir situações desviantes de agressividade e violência.

Medida proposta 1.:

1. Promover situações e condições de trabalho dignas (horários, salários, … ) para diminuir ou evitar o stress nos trabalhadores, permitindo-lhes uma vida mais pacífica e tranquila.

Medida proposta 2.:

2. Criar um código de socorro entre famílias/amigos para facilmente comunicar e acionar em caso de necessidade e/ou emergência.

Medida proposta 3.:

3. Promover relações de abertura e franqueza entre pais e filhos para que possam partilhar, sem medos nem preconceitos, os respetivos relacionamentos de namoro.