Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2019/2020

Escola

Escola Básica António Rodrigues Sampaio, Esposende

Exposição de motivos

A violência doméstica é uma questão global que afeta milhões de pessoas anualmente. Todos os dias faz vítimas. Todos os dias é assunto de notícia. Em 2019, só em Portugal, registaram-se 35 vítimas mortais. Só no concelho de Esposende, também em 2019, foram participados 72 crimes de violência doméstica. Torna-se necessário e urgente uma intervenção, com as crianças e os/as jovens, o mais precoce e continuadamente possível, no sentido de prevenir a violência sob todas as forma. É urgente saber identificar e denunciar comportamentos abusivos. Desconstruir a normalização/legitimação de certos comportamentos será minimizar a probabilidade de se manterem relações violentas e promover relações pautadas pelo respeito e igualdade. Muitos dos agressores certamente que sofreram e ou presenciaram situações de violência durante a infância e/ou adolescência e todos nós sabemos que essas situações são, na grande maioria, camufladas e recalcadas. As denúncias de violência no namoro são, por exemplo, quase inexistentes. Muitos jovens aceitam-na e toleram-na contra si. Mais tarde, a replicação de comportamentos pode ser uma realidade, pois comportamento gera comportamento. É então importante que também se dê atenção ao agressor. Não existem monstros. Há seres humanos, capazes de atos monstruosos, que devem de ser olhados também como vítimas e que devem de ser tratados, acompanhados de forma sistemática e prolongada para evitar a reincidência e danos mais gravosos.

Medida proposta 1.:

Intensificar as sessões (in)formativas nas escolas sobre sinais e comportamentos indiciantes de crime de violência doméstica e sobre a importância de se denunciar comportamentos abusivos.

Medida proposta 2.:

Criar uma aplicação (APP), para facilitar aos mais novos a denúncia de situações de violência.

Medida proposta 3.:

Tratar o agressor (criar programas de reeducação e acompanhamento dos agressores).