Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2019/2020

Escola

Escola Básica de Pevidém, Selho - São Jorge, Guimarães

Exposição de motivos

1.Pretendemos, com esta medida, informar e consciencializar a população para o dever de atuar e denunciar. A responsabilidade na defesa do direito à vida e dignidade humana é de todos e, não denunciar, é crime. Muitos dos que sofrem de violência doméstica e no namoro não sabem como atuar e temem não ter ajuda neste processo, assim, através de campanhas de debate /sensibilização divulgar-se-á também instituições de apoio à vítima. 2.Consideramos que a intervenção desde a infância, pode alterar e prevenir comportamentos e atitudes, detetando-se precocemente situações de violência. 3.Uma vez que o acompanhamento psicológico, desde a infância, permitirá detetar e alterar comportamentos agressivos, inseguros, de culpabilização, evitando e prevenindo situações futuras. Possibilitará ainda, assinalar, atuar e resolver atempadamente situações de violência.

Medida proposta 1.:

Aumentar as campanhas de sensibilização dirigidas à população a nível local /nacional com o objetivo de dar a conhecer atitudes e comportamentos associados à violência doméstica e no namoro, mecanismos e formas de ação face aos mesmos, bem como divulgação de instituições que têm como finalidade o apoio à vítima.

Medida proposta 2.:

Prevenção de comportamentos agressivos desde o pré-escolar, gerindo sentimentos de frustração, medo, insegurança tendo como objetivo a resolução de conflitos e o respeito pela igualdade de género.

Medida proposta 3.:

O Serviço de Psicologia deve fazer parte do Serviço Nacional de Saúde, acompanhando indivíduos de todas as idades (desde o pré-escolar até à idade adulta).