Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2019/2020

Escola

Escola Básica Professor Abel Salazar, Guimarães

Exposição de motivos

Medida 1 A violência doméstica e, em particular, a violência contra as mulheres, continua a ser uma das grandes batalhas da nossa sociedade. Ao longo dos anos tem existido um salutar acréscimo de campanhas e movimentos que tem procurado contribuir para uma sociedade mais justa, igualitária e democrática. A nossa proposta de medida pretende, através de um movimento nacional jovens, alicerçado em iniciativas locais, demonstrar que também os jovens estão vigilantes e empenhados em sensibilizar, informar e alertar a sociedade para a prevenção e o combate à violência doméstica e no namoro. Medida 2 Não ignorando que existe já uma a app lançada pelo governo, que funciona como guia de recursos de apoio e contra a violência doméstica, que permite a denúncia de casos de violência doméstica, a AppVD, APPoio contra a Violência Doméstica, esta nossa proposta vai no sentido de se fazer uma app semelhante mas ligada essencialmente aos jovens, mais apelativa e interativa, permitindo não apenas as denúncias mas o dialogo, esclarecendo dúvidas, dando conselhos e permitindo uma resposta mais próxima ao nível do serviços de psicologia escolar. Medida 3 As casas de abrigo são a resposta imediata para que as pessoas vítimas de violência doméstica deixem de estar na situação de perigo de vida. É, pois, essencial e urgente que por todo o país existam condições para se dar esta resposta imediata e não colocar em risco a vida das pessoas.

Medida proposta 1.:

Promover ao nível nacional, o dia nacional da caminhada contra a violência doméstica e no namoro (3 de março). Esse dia constará de uma caminhada em que o “bilhete” será uma camisola onde conste uma frase e uma imagem apelativa, de condenação à violência doméstica e no namoro. O dinheiro angariado será doado a associações de apoio às vítimas de violência.

Medida proposta 2.:

Criação de uma aplicação informática, na qual os alunos, nas diversas escolas e de forma anónima, ou não, possam denunciar situações de violência no namoro/violência doméstica (as denúncias serão encaminhadas para os serviços de psicologia escolar).

Medida proposta 3.:

Impor um limite mínimo de Casas de Abrigo por concelho (por cada 35 000 habitantes – uma Casa de Abrigo).