Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica e Secundária de Alfândega da Fé

Exposição de motivos

Como sabemos as políticas ambientais são práticas tomadas por empresas e governos com inten-ção de preservar o meio ambiente e garantir o desenvolvimento sustentável do planeta. Atendendo às caraterísticas da população atual mais consumista, muito fruto da diversidade dos produtos existentes, delapidam muito facilmente os recursos naturais. Atualmente, as Alterações Climáticas são uma das maiores ameaças ambientais, sociais e económicas à escala global. Estas alterações são provocadas pela emissão de gases com efeito de estufa (GEE), um fenómeno comum a vários setores de atividade. Uma vez que as Alterações Climáticas constituem um problema global, as decisões no que respeita quer à mitigação quer à adaptação envolvem ações ou opções a todos os níveis da tomada de decisão, desde o nível local e da comunidade ao nível internacional, envol-vendo todos os níveis governativos. Os impactos e respetivas consequências dos eventos climáti-cos identificados, vão desde os incêndios, plantações em zonas incomuns, necessidade de rega para culturas específicas, afetação de produções e afetação de animais potenciados pelas altas temperaturas e períodos de seca e cortes de estradas e efeitos na qualidade de vida das popula-ções potenciados pelas baixas temperatura e pela ocorrência de neve. Essas alterações constituem um desafio que é necessário enfrentar de forma estruturada, de forma a prevenir os seus efeitos, capitalizar os seus benefícios e reduzir riscos e perdas. A indústria é o motor da economia de um país, que transforma a matéria-prima em produtos acabados ou inacabados, destinados ao consu-mo direto ou alimentando outros setores de produção, utilizando trabalho e energia. Porém, ainda persistem muitas indústrias que teimam em não ver o ambiente como seu amigo, poluindo-o e de-gradando-o. É neste campo que as medidas governamentais devem intervir supervisionando todo o mecanismo de produção da indústria, reforçando e incrementando as coimas já existentes no senti-do de atenuar os efeitos do não tratamento dos resíduos industriais. A agricultura biológica é um sistema de produção em que ao longo do seu processo não permite a utilização de produtos quí-micos ou sintéticos, prejudiciais á saúde humana, aos solos, água e ambiente. O homem pratica uma agricultura que visa o aumento da produção, do rendimento e do curto período de tempo, só conseguindo isto com a aplicação de produtos químicos. Como sabemos e é visível diariamente em todos os meios de comunicação, esta prática conduz a agressões à nossa saúde, aos solos, a água e ambiente. Como apelantes ao desenvolvimento sustentável devemos reforçar cada vez mais a agricultura biológica, mesmo sabendo que o seu processo seja mais moroso. Desta forma todos os envolventes da produção apresentam-se menos poluídos, sendo menos prejudiciais á saúde humana e dos restantes seres vivos.

Medida proposta 1.:

Adoção de políticas locais e nacionais, mecanismos de planeamento e financeiros que promovam a mitigação e a adaptação às alterações climáticas.

Medida proposta 2.:

Implementação de medidas para a melhoria e fiscalização do desempenho ambiental, nomeadamente, mas não exclusivamente, dos sistemas de tratamento de resíduos industriais.

Medida proposta 3.:

Reforçar a agricultura e floresta enquanto atores importantes para a proteção do solo e da água, melhorando a gestão integrada dos recursos