Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Secundária Alves Redol, Vila Franca de Xira

Exposição de motivos

Sempre que falamos de “Alterações Climáticas”, convém não esquecer que nos referimos a “ Alterações” que derivam da acção humana, pelo que as poderemos designar de “Alterações Climáticas Antropogénicas”. Nos últimos anos a comunidade científica tem publicado diversos alertas sobre o impacto que a atividade humana exerce sobre o Clima, sendo a grande causadora do aumento da temperatura na Terra, provocando, assim, o Aquecimento Global. Esta situação resulta da grande emissão de gases poluentes que ficam concentrados na atmosfera e provocam uma maior retenção de calor porque não há dispersão da radiação solar. Assim, quer o aumento crescente das emissões de CO2, geradas, não só pelas actividades industriais e de agro-pecuária, queimando carvão, petróleo ou gás, mas também, pela desflorestação e respetivas consequências ao nível da regulação climática, nomeadamente, a diminuição da absorção natural de CO2,tendo como consequência a desregulação climática. Diversos estudos realizados concluem que, as emissões industriais correspondem à maior fatia da emissão de gases de efeito estufa nos países desenvolvidos. Face ao exposto e porque é cada vez mais urgente mudar comportamentos e mentalidades no sentido de reverter o Aquecimento Global, na Sessão Escolar do Parlamento dos Jovens defendemos o seguinte:

Medida proposta 1.:

Maior e melhor rede de transportes e a diminuição do custo de carros elétricos: A rede deve ser aumentada e com maior oferta de horários, nas áreas metropolitanas. Mais pessoas deixariam de usar o carro, diminuindo, as emissões de CO2 e poupando combustíveis. Refira-se que os autocarros, deverão ser elétricos. Quanto aos automóveis, ainda necessários em zonas rurais com menos oferta de transportes, defendemos preços mais baixos para os carros elétricos e o fim do pagamento de carregamentos.

Medida proposta 2.:

Reflorestação das zonas afetadas pelos incêndios: 35% da nossa floresta é constituída por eucaliptos e tem sido consumidora de grande parte dos recursos hídricos. Defendemos a reflorestação das áreas ardidas com sobreiro, carvalho ou loureiro que em caso de incêndio, libertam menos dióxido de carbono, fixando-o. São plantas autótones que pela sua resistência poderão combater a ploriferação do eucalipto, que rapidamente se regenera e cresce de forma descontrolada, esgotando o subsolo.

Medida proposta 3.:

Campanhas de Sensibilização: Defendemos a promoção de campanhas de sensibilização através da comunicação social e de palestras de consciencialização, através das autarquias em articulação com escolas para que se elimine o consumo de plástico e palhinhas. Defendemos a sua substituição por materiais de vidro ou reciclados, tendo em conta a discrepância entre a quantidade de microplásticos que já existem nos oceanos e que afetam a vida humana.