Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica e Secundária Vieira de Araújo, Vieira do Minho

Exposição de motivos

As medidas propostas incidem sobre a erradicação das energias poluidoras, como as energias fósseis, medidas estas com as quais se pretende, não só o combate à poluição, como, também, ao melhoramento da qualidade de vida das pessoas, e da preservação do património natural e construído, principalmente nos principais aglomerados urbanos, vítimas da erosão corrosiva provocada pela desregulada poluição que afeta, de forma irreversível, a qualidade do ar, em que as emissões de CO2, só por si, representam cerca de 80% do conjunto de gases com efeito de estufa. Na primeira medida promovemos uma política de transportes movida a energias limpas (eletricidade), em substituição dos tradicionais veículos a combustão/explosão fóssil, num prazo de 10 anos, tempo necessário para proceder ao processo de recolha das viaturas antigas a combustão e restabelecimento dos novos veículos elétricos ou híbridos muito mais amigos do ambiente, por forma descarbonizar as nossas cidades, onde o Estado deverá ter um papel contributivo decisivo, incentivando a compra destes novos meios de transporte através de um apelativo alívio das mais- valias(impostos), que muito pesam no preço final. Na segunda medida valorizamos a produção de energia elétrica e eólica e a seu importante papel para as nossas vidas. Tudo o que fazemos no dia a dia as energias(elétrica e eólica), têm um papel preponderante. Nesse sentido propomos a aplicação de medidas penalizadoras para as energias mais poluidoras. Em sentido inverso, incentivar e apoiar tipos de energia renováveis como energia eólica, solar, hídrica, geotérmica, entre outras, amiga do ambiente e reduzindo assim a nossa pegada ecológica. Na terceira medida e indo ao encontro da intenção pratica e teórica das duas anteriores medidas, propomos a redução da circulação automóvel dentro dos grandes centros urbanos, promovendo criação de parques de estacionamento gratuitos nas principais entradas das grandes cidades, facilitando o aparcamento dos veículos pessoais, dando condições e convidando os utentes/transeuntes a optarem por transportes públicos cómodos, pontuais e rápidos, coletivos ou individuais, por forma a reduzir os constrangimentos de trânsito nos centros das cidades e consequentemente, reduzir a poluição dos centros urbanos. Nos centros urbanos, a exemplo do que, já, existe em cidades como Amesterdão, as ecovias ganharem protagonismo em relação às autovias. Portugal obteve, em 2017, o quinto maior aumento de emissões C02 da EU. Vamos, todos, contrariar esta tendência.

Medida proposta 1.:

Progressiva erradicação dos veículos a combustão com energia fóssil, tendo um prazo máximo de 10 anos para o seu término, sendo apenas autorizado a circulação de veículos híbridos ou elétricos depois desse período.

Medida proposta 2.:

Reduzir de forma progressiva a produção de eletricidade proveniente de energias altamente poluentes, como o carvão e outras, principal responsável pela emissão de CO2 na atmosfera, prevendo-se a desativação das centrais térmicas de produção elétrica a carvão como a central de Sines, num espaço de tempo máximo de 10 anos

Medida proposta 3.:

Aposta decisiva e determinada na criação de parques de estacionamento gratuitos à entrada dos grandes centros urbanos, medida acompanhada de transportes públicos de qualidade, seja coletivo ou individual.