Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica e Secundária Dr. Jaime Magalhães Lima, Esgueira, Aveiro

Exposição de motivos

Os fogos florestais têm impacto direto no número de partículas de CO2 e nas alterações climáticas. Portugal é, atualmente, o país europeu mais afetado por incêndios, sendo também, segundo a organização WWF, o país que, nos últimos 30 anos, apresenta maior taxa de ocorrências por área e onde os incêndios foram de maior dimensão. Assim, uma das medidas a ser tomada deve ser o aumento da prevenção destes fogos, especialmente no verão, em que as zonas interiores ficam mais desertificadas devido a um considerável aumento da migração para o litoral, uma vez que esta despovoação parcial conduz ao aparecimento de incêndios de grandes dimensões que não foram detetados num momento mais próximo ao da sua ignição. Duas outras formas que visam uma prevenção mais atempada são a mobilização de equipas de proteção florestal e a dinamização de espaços naturais que funcionariam ainda como focos de sensibilização a este problema. Outra forma de combate ao fogo seria a organização da propriedade em termos de desenho florestal. Tal como a dimensão da propriedade é importante a própria organização no interior da propriedade o é, e considerando que existem árvores que reagem de forma diferente de outras ao fogo, e sendo as árvores autóctones resistentes, poderiam ser introduzidas nos perímetros dos terrenos florestais árvores deste tipo. Logo dependendo dos terrenos e suas dimensões, deve-se aplicar como primeira frente, um conjunto de árvores que na presença de incêndio, o consigam atrasar e minimizar os danos possíveis (usando, por exemplo, carvalho, tília, azinheira, cerejeira, sobreiro, entre muitas outras). Outras formas de combater as alterações climáticas atuais seria o uso de catalisadores ao nível industrial. Para além disso, as indústrias devem procurar o uso de catalisadores, devendo mesmo ser sujeitas a uma fiscalização por lei, especialmente nas suas chaminés, e não só em produtos, como veículos automóveis, de modo a converter gases tóxicos (nocivos para a saúde) como hidrogenocarbonatos, óxidos de nitrogénio e monóxido de carbono, em gases menos poluentes como o vapor de água e o dióxido de carbono. Note-se que as propostas apresentadas complementam-se em certa medida, afinal, uma maior libertação de dióxido de carbono pelas indústrias só pode ser compensada por um maior consumo do mesmo por parte da vegetação que, para tal, deverá ser conservada ao máximo. Além disso, e visto que o vapor de água contribui também para o aquecimento global, seria igualmente pertinente a instalação de condensadores nas chaminés industriais de modo a reaproveitar o mesmo nos mais variados processos de fabrico.

Medida proposta 1.:

Aumento da prevenção dos incêndios florestais, através de equipas de proteção florestal e da dinamização de espaços naturais em contexto rural.

Medida proposta 2.:

Proteção de florestas e da produção florestal com a criação de perímetros cobertos com árvores autóctones, resistentes ao fogo.

Medida proposta 3.:

Uso de catalisadores nas chaminés industriais.