Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Secundária de Caldas das Taipas, Guimarães

Exposição de motivos

As emissões de CO2 são causadoras da acidificação dos oceanos e das alterações climáticas, ambas responsáveis pela destruição da fauna e da flora. Se todos os transportes públicos fossem mais acessíveis, conseguíamos que mais pessoas aderissem a este meio, deixando de usar meios que emitem mais CO2. A nossa segunda proposta aborda a responsabilidade ambiental por parte de cada um de nós, no que diz respeito à nossa alimentação. A produção de alimentos traz efeitos negativos relativamente aos gases de efeito de estufa (GEE) que provocam um aumento da temperatura do ar. Para além das necessárias alterações estruturais nos sistemas alimentares e nas cadeias de abastecimento, o consumidor final tem um papel fundamental uma vez que a produção e o consumo estão diretamente ligados. Assim, optar por práticas de produção mais sustentáveis; sensibilizar, desenvolver o conceito de alimentação saudável e sustentável; diminuição do consumo de alimentos como a carne e aumentando a ingestão de cereais, frutos e legumes biológicos; diminuir a utilização de embalagens e consumo de produtos processados. Finalmente, propomos que os excedentes alimentares em boas condições sejam redistribuídos por associações de carenciados (por exemplo a Refood), enquanto os de menor qualidade podem ser aproveitados para alimentação animal ou para compostagem. O investimento sustentável é necessário para o combate às alterações climáticas. Uma das medidas para que os empresários possam investir em medidas sustentáveis sem pôr em causa o equilíbrio económico da empresa é o investimento em títulos verdes “Green bond”. Se uma empresa precisa de verbas para investir, pode conseguir esse dinheiro através da venda de parte da empresa, do empréstimo de dinheiro a uma grande instituição financeira ou pode pedi-lo emprestado a investidores. Esta última opção de “título de dívida corporativa” ou bond tem vindo a ser utilizado para o investimento sustentável. Os títulos verdes têm características similares aos títulos convencionais, mas só são utilizados para projetos ambientais. A construção de campos de energia eólica, a instalação de filtros para a diminuição de gases poluentes, sistemas de tratamento de águas: todos estes projetos são projetos financiáveis com claro benefício ambiental. O crescimento da emissão dos títulos verdes no mundo é impressionante. De acordo com a Climate Bonds Initiative, 2018 fecha o ano com USD 250 mil milhões emitidos. Os motivos para este investimento, numa economia de futuro e que tem como objetivo substituir uma economia dependente do petróleo, deve-se ao facto de só poderem ser emitidos com o objetivo público e único de financiar projetos sustentáveis.

Medida proposta 1.:

1. Tornar os transportes públicos economicamente e socialmente mais acessíveis + alargamento dos horários

Medida proposta 2.:

2. Consciencializar para as atividades que contribuem ou não para as alterações climáticas (alimentação + pegada ecológica).

Medida proposta 3.:

3. Utilização de “títulos-verdes” como ajuda ao combate das alterações climáticas por parte de empresas ou governos.