Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Profissional da Ribeira Grande

Exposição de motivos

O assunto que nos trás por cá este ano é a questão das alterações climáticas e do aquecimento global e como revertê-lo. É facto que a situação a que o planeta chegou é caótica e, por isso, preocupante. A mãe natureza “sangra” com todos os ataques e crimes cometidos contra si. Pelo andar da carruagem, o planeta denominado hoje de terra vai colapsar dentro de poucos anos. Mais, se ninguém arregaçar as mangas e se lançar na resolução do problema, estaremos condenados para sempre, por inercia das civilizações atuais, aquelas que se dizem mais desenvolvidas. Assim, - Considerando que estamos no meio do Atlântico, e que podemos, e devemos, ser o capital da mudança, o lugar de onde poderá surgir um novo mundo, mais limpo, sem poluição, um mundo onde se possa erradicar o consumo dos combustíveis fósseis e de práticas ambientais duvidosas; - Considerando a nossa posição estratégica, volto a dizer que estamos no meio do Atlântico, podendo ser o “palco” do desenvolvimento e aplicação de energias renováveis, desde a energia fotovoltaica à geotermia; - Considerando que temos condições excepcionais para a implementação de carros eléctricos e, até, de carros a hidrogénio, podendo ter qualquer meio de transporte movido a hidrogénio, se o governo regional apoiar o projeto de veículos a hidrogénio que em tempos existiu na universidade dos Açores; - Considerando a necessidade de acabar com a indústria do petróleo e dos combustíveis fósseis; - Considerando a contaminação dos nossos solos, a poluição das nossas águas, colocando em causa a saúde pública e a destruição da nossa “casa”, o planeta terra. A Escola Profissional da Ribeira Grande leva a discussão do Parlamento dos Jovens as seguintes medidas:

Medida proposta 1.:

Criar uma subvenção que sustente a rápida implementação da agricultura biológica de forma a limitar a intensiva e violenta exploração agro-pecuária e a agricultura convencional que tem vindo a destruir os nossos solos, com a aplicação de pesticidas, herbicidas e fungicidas e o proibir dos mesmos;

Medida proposta 2.:

Desencadear a “revolução verde” com o plantio de árvores, com a reflorestação de zona onde a flora não está presente, privilegiando uma agricultura biológica e sustentável;

Medida proposta 3.:

Criar núcleos de inspecção nas empresas de cariz industrial, de forma a averiguar a natureza das descargas, emissão de gases e o tratamento dos resíduos sólidos e a agir em conformidade com as autoridades competentes, e se necessário com a aplicação de coimas.