Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica e Secundária de Albufeira

Exposição de motivos

O termo “Alterações Climáticas” exprime o processo de mudança da temperatura média global da Terra. Nós procuramos, neste projeto, uma oportunidade para salvar o nosso planeta, defendê-lo, pois sabemos que o Homem teve alguma influência nesse processo, e tem de ser o Homem a revertê-lo. O desperdício alimentar, além de ser uma catástrofe social, contribui para a emissão de 3,3 mil milhões de toneladas de gases com efeito de estufa para a nossa atmosfera. Se fosse um país, seria o terceiro país que mais gases com efeito de estufa liberta! Consequentemente, e por ser um problema de tão fácil resolução, deve ser debatido no Parlamento de Jovens. É a queima do carbono que emite dióxido de carbono para a atmosfera, assim sendo, sabemos que a redução da emissão desse gás fará retardar as Alterações Climáticas. Por conseguinte, queremos atacar na origem desse problema: nas atividades industriais (energia e produção de bens, por exemplo). A criação de medidas que potenciem às escolas a adoção de uma atitude sustentável são realmente importantes pelo seu efeito duplo. Do reverter direto das “Alterações Climáticas”, pela mudança de hábitos, e do reverter indireto deste processo, pela transferência desses mesmos hábitos aos alunos, pois é na escola que se cria o futuro, e queremos que seja na escola que o salvaguardaremos! Temos a certeza que juntos podemos reverter décadas de más práticas.

Medida proposta 1.:

Criação de um incentivo fiscal aos produtores de alimentos e às empresas que com estes contactam (supermercados, restaurantes, etc.), derivado da doação de alimentos que sobrem da sua atividade (que não foram vendidos, por exemplo) para evitar o desperdício alimentar, que é sinónimo de desperdício de recursos e que contribui para o agravamento do efeito de estufa.

Medida proposta 2.:

Exigência nos rótulos de todos os produtos comercializados em Portugal de um símbolo que garanta que na sua produção não houve queima de carbono ou um nível sustentável de queima de carbono.

Medida proposta 3.:

Criação de um projeto denominado “Escola Sustentável” que consistiria, por um lado, na promoção de hábitos ambientalistas, através de palestras, auditorias ecológicas (feitas pela própria escola) e por outro lado, na execução de medidas que vão em linha com esses mesmo hábitos, como a plantação de árvores no recinto escolar, criação de hortas, diminuição do consumo de carnes vermelhas, redução do consumo de plásticos desnecessários, ranking da escola mais sustentável e prémios, etc…