Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Agrupamento de Escolas Nuno Álvares, Castelo Branco

Exposição de motivos

O aquecimento global é, como é do conhecimento geral, uma das realidades mais desafortunadas que enfrentamos. Ainda assim, contra estudos e provas científicas que indicam o contrário, existem indivíduos com a ousadia ou mesmo o atrevimento de negar este facto. Nesse sentido, este problema é uma das mais sérias e urgentes provações que a Humanidade combate neste século. Por tudo o que foi dito, apresentámos, debatemos e selecionámos as melhores medidas, para que possamos enfrentar este inimigo com as armas mais eficazes do nosso arsenal. A verdade é que, entre 2016 e 2017, as emissões de carbono a nível mundial para a atmosfera subiram 1,7%. Mais alarmante ainda: de 2017 a 2018, essas mesmas emissões subiram 2,7% atingindo valores historicamente ameaçadores de 37,1 biliões de toneladas de dióxido de carbono lançados à atmosfera. Segundo a NASA e a Organização Mundial de Meteorologia, 2016 foi o ano mais quente desde que há registo, tendo, no entanto, a temperatura global diminuído em 2017. Mas, apesar da temperatura média do planeta estar a diminuir, ao longo destes últimos três anos, a tendência aponta para uma nova subida. O nosso planeta tem pouco tempo para ser salvo. Estudos indicam que a fronteira do ponto de não-retorno será ultrapassada em 2035, se não antes, caso as atitudes do Homem se mantenham. O que nos deixa, na melhor das hipóteses, com 16 anos até que os danos se tornem irreversíveis. Está na altura de agir. A tomada de medidas é urgente. Numa altura em que cada vez mais o Acordo de Paris se revela insuficiente, e em que um dos maiores poluidores deste planeta se recusa a aceitar o que é óbvio, a nossa ação torna-se inadiável. Bem sabemos que Portugal é um país pequeno e que, lado a lado com os Estados Unidos da América, por exemplo, as nossas ações e os nossos esforços aparentam ser insignificantes, mas também sabemos, e somos todos crentes convictos, de que nunca somos ou seremos demasiado pequenos para fazermos a diferença. Temos de lutar pelo futuro, se não for pelo nosso, que seja pelo das crianças que hão de vir a este mundo. Pensemos no seu futuro. Batalhemos contra este mal e empenhemo-nos em deixar uma herança melhor aos nossos filhos e netos do que aquela que os nossos pais nos deixaram. É necessário transformar esta catástrofe numa sombra distante do passado. A nossa espécie tem as ferramentas adequadas para conseguir triunfar, precisamos apenas de motivação. Canalizemos as nossas forças para esta questão. Derrotemos este monstro que está mesmo à nossa frente e transformemos esta nossa Terra num legado digno do ser-humano. Além do mais, não há um Plano B.

Medida proposta 1.:

Redução no IUC e ISV na ordem dos 35% para entidades particulares e/ou coletivas na posse de carros a célula de combustível a hidrogénio.

Medida proposta 2.:

Eletrificação total da rede ferroviária nacional e modernização das condições de transporte de passageiros e de circulação de comboios de mercadorias nesta.

Medida proposta 3.:

Incentivos fiscais à criação de centrais de macrogeração fotovoltaica e heliotérmica.