Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Secundária Gonçalo Anes Bandarra, Trancoso

Exposição de motivos

1. Sabemos que a acidificação dos oceanos, provocada pelo aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) nos oceanos, pode causar danos a diversas espécies de animais, como por exemplo, os que têm conchas ou exoesqueletos de cálcio. Esta vai afetar, direta ou idiretamente toda a vida marinha. Deste 1750, a acidez média dos oceanos aumentou cerca de 30% (segundo alguns estudos). Quando se fala em problemas causados pelas emissões excessivas de CO2, logo pensamos no efeito de estufa e nas alterações climáticas provocadas por este fenómeno, mas o excesso de CO2 na atmosfera também tem sido responsável pelo processo de acidificação dos oceanos, modificação química da água e que tem comprometido a sobrevivência de certas espécies marinhas. Os oceanos absorvem quase um terço do CO2 emitido pelas atividades humanas, devastação de florestas, entre outras. Se não houver uma redução significativa das emissões de CO2, os oceanos ficarão cada vez mais ácidos. Combater a acidificação marinha é igual a combater as alterações climáticas. É preciso de reduzir as emissões de CO2, e, esse combate começa a nível individual e significa, por exemplo, optar por nos deslocarmos de transporte público e outros meios, diminuir o consumo de energia não renovável, usando fontes de energia renováveis. Portanto, se tomarmos essas e outras medidas poderemos ajudar muito amenizar esse grande problema. 2. Atualmente, o plástico é o principal resíduo que polui os oceanos. Este constitui cerca de 90% do lixo encontrado no fundo do oceano, segundo investigadores. Muitas aves marinhas e mamíferos marinhos morrem, todos os anos, devido à poluição por plástico. Se nada fizermos, o lixo no oceano continuará a matar milhares de seres vivos marinhos todos os anos. Com o desenvolvimento de ações espera-se apelar à correta separação do lixo e ajudar e contribuir para a redução do consumo de plástico. Reduzindo significamente o consumo, estaremos a contribuir para evitar que o lixo se venha a acumular no oceano. Ao nível da indústria, de medidas que os decisores políticos possam tomar e das populações pretende-se incentivar para a recuperação do plástico utilizado dando-lhe novas formas de utilização. 3. Delinear a necessidade urgente de ações, por parte do Estado, no sentido do desenvolvimento de esforços de conservação e uso equilibrado dos recursos marinhos vivos, levando a uma gestão sustentável da pesca e denuncia da pesca ilegal, não comunicada e desregulada, que atualmente, constitui uma ameaça grave para as reservas de peixes e habitats marinhos.

Medida proposta 1.:

Evitar usar o carro próprio para trajetos curtos (caso não seja viável, tentar procurar sempre, compartilhar o carro com outras pessoas) e dar preferência aos transportes públicos (especialmente àqueles que não emitem gases tóxicos), à deslocação de bicicleta ou a pé.

Medida proposta 2.:

Promover a prevenção e minimização do desperdício, desenvolver ações de consumo e produção sustentáveis, com vista à adoção dos 3Rs – reduzir, reutilizar e reciclar –, através, do incentivo de soluções voltadas para um mercado que contribua para a redução de resíduos (plásticos e microplásticos) e o desenvolvimento de alternativas como produtos reutilizáveis, recicláveis ou biodegradáveis.

Medida proposta 3.:

Promover a redução da pesca intensiva de determinadas espécies, para evitar sua extinção.