Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica Prof. Pedro D´Orey da Cunha, Damaia, Amadora

Exposição de motivos

Um dos problemas dos Oceanos advém da emissão dos gases que aumentam o efeito de estufa (dióxido de carbono (CO2); metano (CH4); óxidos de azoto (N2O); hidrofluorcarbonetos (HFC);...) e que acidificam os Oceanos (principalmente o CO2). A Humanidade tem de parar com a emissão destes gases e alterar drasticamente algumas ações diárias que em muito afetam o nosso planeta. Um outro problema diz respeito à utilização massiva do plástico, produzido a partir do petróleo, e que tem muitas vezes como destino final os Oceanos. Temos consciência que qualquer alteração tem um custo, pelo que qualquer medida terá de ser sustentável. A queima dos combustíveis fósseis é a principal fonte antropogénica de gases de efeito de estufa. Há ainda várias centrais termoelétricas em Portugal que devem ser substituídas por formas mais ecológicas de obtenção de energia elétrica, como é o caso da energia eólica, solar, das ondas, das marés, geotérmica e da biomassa. Para minimizar o impacto económico nessas empresas com o fecho dessas centrais, o estado deverá ajudar, na medida do possível, essas empresas a criarem os seus parques eólicos ou de painéis fotoelétricos, entre outros, e estas centrais devem ir reduzindo a sua produção à medida que os parques ecológicos vão sendo formados. As empresas que não pretendam participar desta alteração terão de encerrar num prazo previamente definido e os seus trabalhadores colocados em novas empresas de energias limpas após a devida formação e requalificação. Outra fonte antropogénica de gases de efeito de estufa é a queima de combustíveis fósseis do setor dos transportes (automóveis, autocarros, aviões,…). É urgente a substituição destes veículos por outros elétricos. Todas as medidas até hoje implementadas não têm levado os particulares e as empresas a substituir significativamente os seus veículos, logo há que reforçar os incentivos e criar condições mais favoráveis a esta transição. O preço de mercado inicial do veículo deve-se em parte ao preço da novidade, logo se o país apostar no desenvolvimento científico e fabricar os seus modelos de veículos elétricos o preço da aquisição será menor e serão criadas condições para gerar postos de trabalho qualificados e aumentar a exportação de produtos de valor acrescentado. O plástico ainda é, nos dias de hoje, um dos materiais mais utilizados pelo Homem e, embora se tenham dado alguns passos no que diz respeito à sua reciclagem em Portugal, ao nível global é um facto que os Oceanos se estão a tornar autênticos depósitos de lixo, com especial incidência nos plásticos que demoram centenas de anos até à sua total degradação. Seria de grande utilidade desenvolver na rede de esgotos “sistemas de filtragem” mais eficientes dos resíduos sólidos como forma de eliminar grande parte do lixo que tem como destino o mar. Seria também importante promover na sociedade a utilização de materiais biodegradáveis, apostando no desenvolvimento científico para a criação de materiais mais ecológicos.

Medida proposta 1.:

Substituição gradual de centrais termoelétricas por parques eólicos e painéis fotoelétricos, juntamente com outras fontes de energia renováveis e limpas.

Medida proposta 2.:

Substituição de viaturas a combustão por veículos elétricos, com deduções e incentivos fiscais para particulares e empresas, regulando o preço de compra inicial, e apostando no desenvolvimento científico nacional para a sua produção.

Medida proposta 3.:

Reduzir o consumo de plástico, privilegiando o uso de materiais biodegradáveis, e aplicar “sistemas de filtragem” nos esgotos para impedir a passagem dos seus resíduos em direção ao mar.