Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica de Colmeias, Leiria

Exposição de motivos

O Oceano é um recurso essencial para a vida de todos nós. Além de regular a temperatura e os gases da atmosfera dá-nos recursos piscícolas, fitofarmacêuticos, energéticos e outros. Mas os Oceanos estão a degradar-se e nós somos os responsáveis por essa degradação. Exploramos os Oceanos de todas as formas, desde a sobreexploração de recursos marinhos até à degradação e delapidação de outros que utilizamos, como por exemplo, em adornos construídos com esses corais ou espécies marinhas. As espécies piscícolas também estão a ser postas em perigo pela quantidade crescente de plástico que se acumula nos Oceanos e, no futuro, iremos ter Oceanos de plástico e a vida marinha irá desaparecer. A eliminação dos plásticos no futuro irá passar pela substituição de garrafas, sacos e outros objetos feitos com plástico. Mas nós queremos atuar já ao nível das escolas. Nós somos a geração do futuro e somos nós que podemos mudar o hábito e costumes nas nossas casas, famílias. Por outro lado, a degradação dos oceanos tem, também, como principal origem as descargas incontroladas de resíduos em cursos fluviais que irão ter como destino final o Oceano. Assim, consideramos que é urgente atuar a este nível, quer na sensibilização, quer no controlo e definição de regras claras de proteção dos nossos recursos marinhos.

Medida proposta 1.:

Substituição de sacos de plástico na comunidade por sacos biodegradáveis, de tecido ou papel, com um incentivo pelas Escolas através da dinamização de um concurso a nível nacional de elaboração de vários sacos feitos a partir de retalhos e/ou aproveitamento de tecidos.

Medida proposta 2.:

Definição de normas de controlo da importação e venda de produtos que utilizem materiais de origem marinha incerta ou produzidos com partes de animais marinhos.

Medida proposta 3.:

Proibir/controlar as descargas de lixo nos oceanos e colocar filtros nas redes de esgotos das empresas que não estão ligadas a ETAR e que fazem descargas diretamente nos rios e mares, assim como, criação de equipas de fiscalização para a monitorização destas empresas.