Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica Dr. Carlos Pinto Ferreira, Junqueira, Vila do Conde

Exposição de motivos

É uma grande verdade que o aquecimento global está a tomar proporções monstruosas, nomeadamente a nível de danos causados à escala mundial. Já há algum tempo que as consequências são visíveis a olho nu… e o tempo continua a passar enquanto alguns, poucos mas poderosos, nos continuam a contar outras histórias nos média, que aligeiram ou ignoram este tipo de assuntos nos seus pacotes informativos. E o nosso mundo, tal como o conhecemos, poderá acabar em breve, de uma forma ridiculamente trágica para todos, para mim, para ti, para os vossos netinhos, para os nossos amigos e para tantos outros seres vivos que vivem e desfrutam deste pequenino mas extraordinário sítio, o planeta Terra. Com a aplicação da primeira medida pretendemos que se liberte muito menos dióxido de carbono e outros gases poluentes para a atmosfera. Dessa forma os oceanos não teriam tanto dióxido de carbono para absorver e por isso reduziriam a sua acidez. Assim, ficariam a salvo muitas espécies marinhas que se encontram atualmente em risco de extinção. Com a sugestão da segunda medida procuramos contribuir para a implementação de um mecanismo natural que acelere o processo de cura dos oceanos e trave o processo de alterações climáticas. É necessário intervir para salvar os oceanos, espécies e seres humanos que irão sofrer as repercussões destes efeitos. Os oceanos absorvem mais de 25% das emissões de dióxido de carbono. O resultado é a acidificação das águas marinhas, um fenómeno que ameaça um grande número de espécies. Através da fotossíntese, estas plantas irão absorver dióxido de carbono da atmosfera, um dos principais gases com efeito de estufa, responsáveis pelo aquecimento do planeta. Além disso, as reações químicas favoreceriam a formação de nuvens, ajudando a arrefecer o globo Através da terceira medida pretendemos que se chegue às massas. O planeta está a sofrer e é necessário tomar a iniciativa e colaborar para o ajudar. É desumano arrastar esta situação e é cada vez mais evidente que este não está preparado para suportar todas estas agressões a que está sujeito por muito mais tempo. Temos de mudar o nosso modo de agir, a nossa forma de pensar e contagiar os outros para fazer o mesmo. É necessário agir rapidamente tanto para nosso bem como para o das gerações futuras. A produção de energia não renovável é uma grande causa da poluição atmosférica que, consequentemente, faz aumentar o efeito de estufa e o nível médio das águas do mar, devido ao degelo dos glaciares. Através da utilização de energias renováveis, que não são poluentes e que não se esgotam, é possível reduzir o impacto do aquecimento global no nosso planeta. Esta medida já está a ser posta em prática em vários países, dos quais Portugal é um exemplo, pois 70% da energia utilizada em Portugal é produzida a partir de recursos renováveis, mas ainda não é suficiente. Através do aumento de benefícios incentivar-se-ia os consumidores a produzir a sua própria energia não poluente.

Medida proposta 1.:

O governo deve investir em grupos universitários de investigação com a missão de construírem novos filtros para as chaminés 100% eficazes na retenção dos gases poluentes libertados pela indústria.

Medida proposta 2.:

Promover a fertilização em massa de plantas marinhas nos oceanos para redundar o aquecimento global.

Medida proposta 3.:

Criar benefícios de modo a promover uma maior utilização de energias renováveis tanto por parte dos consumidores como dos fornecedores.