Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Secundária Amato Lusitano, Castelo Branco

Exposição de motivos

Os oceanos, devido às alterações do clima, estão a ficar demasiado acidificados. Desde a era industrial que acidez dos oceanos aumentou 30%. A nossa primeira medida pretende contribuir para controlar o aquecimento global e para isso temos de nos empenhar, de forma séria, em processos de transição para uma era pós combustíveis fósseis. Só assim, com a substituição rápida para as energias alternativas, podemos ter esperança num futuro com sustentabilidade. Como já devem ter ouvido falar, no Oceano Pacífico existe uma enorme concentração de plástico flutuante, com uma área equivalente a dezassete vezes o tamanho de Portugal, estimando-se que haja cerca de 80 mil toneladas de plástico a flutuar nessa ilha. (as razões do plástico ir parar aos oceanos são diversas e não vamos falar disso aqui). Urge mudar de hábitos e práticas erradas. Para isso, na nossa segunda medida, propomos ações de substituição gradual dos plásticos descartáveis, por materiais reutilizáveis. Por exemplo, nas diversões noturnas, atualmente já há cidades, como Lisboa, a propor datas limites para os comerciantes fazerem a substituição dos copos de plástico pelos antigo copos de vidro. Este material, mesmo quando tem de ser reciclado, permite a produção de diversos produtos, como argamassas e blocos ricos em sílica para a construção. O plástico flutuante vai-se fragmentando e, com o tempo, origina microplásticos. No entanto, atualmente utilizam-se microplásticos em diversos produtos que acabam no esgoto diariamente, como por exemplo exfoliantes para a pele, que deveriam ser substituídos por produtos naturais, como triturados de cascas de frutos secos / açucares. Mudar comportamentos, criando sustentabilidade a nível ambiental é um processo moroso e complexo. A sociedade tem-se desenvolvido promovendo valores de facilitismo, de satisfação imediata de desejos individuais ou de corporações, o que promove o egoísmo e o pensamento a curto prazo.Os jovens, desde cedo, devem ser educados nos valores da sustentabilidade, do respeito pelo outro e pelo ambiente em geral. Assim, para concretizar a nossa terceira medida, durante toda a escolaridade obrigatória, as temáticas de proteção ambiental, de incentivo à adoção de comportamentos responsáveis e da prática do voluntariado, devem ser abordadas com diferentes níveis de aprofundamento.Para a população adulta, que não teve educação ambiental nas escolas, deverá haver programas / artigos / spots publicitários específicos nos meios de comunicação social,por forma a criar consciência ecológica nas populações. Dar um pouco do nosso tempo livre em ações de voluntariado, seja na limpeza de margens de risos e praias ou facilitando ações de educação ambiental, são exemplos de cidadania ativa que deixará um ambiente melhor para as futuras gerações.

Medida proposta 1.:

Encerramento de todas as centrais termoelétricas a carvão (até 2030), garantindo progressivamente o abastecimento da rede elétrica nacional com base em fontes renováveis e não poluentes (até 2040), incentivando as empresas que apostem na sua produção, através de uma política de redução fiscal.

Medida proposta 2.:

Adotar políticas de substituição progressiva dos plásticos descartáveis por materiais reutilizáveis, eliminando também os microplásticos da indústria cosmética / farmacêutica.

Medida proposta 3.:

Educar e sensibilizar a população em geral para a necessidade de adotarem comportamentos sustentáveis, protegendo os oceanos e sua biodiversidade.