Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica de Moinhos da Arroja, Odivelas

Exposição de motivos

Sendo as alterações climáticas o resultado da ação humana, está nas mãos de cada um de nós poder fazer a diferença no planeta, mudando de atitudes e de comportamentos no que diz respeito ao meio ambiente, este é o dever de cada um e de todos nós. Para além de nós teremos uma voz ativa e participativa sobre o tema “Alterações Climáticas – Salvar os Oceanos” temos ainda o dever de esclarecer o fenómeno das alterações climáticas, nomeadamente, o seu impacto sobre os oceanos com consequências e ações desenvolvidas e a desenvolver para reverter e/ou minimizar os seus efeitos, sendo um desafio que exige que pensemos de forma integrada em tantos e tão diversos domínios. Este fenómeno tem piorado por causa dos atuais padrões de produção e consumo. Cabe a todos nós mudar comportamentos e atitudes, já que o oceano é um importante regulador do clima e da composição atmosférica e além de abrigar diversas formas de vida,o mar também exerce influência no clima mundial. O Oceano tem tido, e continuará a ter, uma influência significativa na regulação do clima, através da absorção, armazenamento e transporte de calor, dióxido de carbono e água. A poluição por plástico nos oceanos é um desafio à escala global logo é fundamental que todos compreendamos a influência do oceano em nós e a nossa influência sobre o oceano, e que todas as gerações devem estar informadas para a importância de, no futuro, garantirmos a sustentabilidade do Mar. Esta iniciativa tem uma vertente de responsabilidade ambiental e social, procurando “aproximar a escola ao mar”, apresentando temáticas relacionadas com a importância do mar e o respeito pelos oceanos, nomeadamente sobre as alterações climáticas. Um dos impactos significativos da atividade humana sobre os oceanos é a poluição marinha. Não é apenas a poluição do petróleo dos acidentes e dos resíduos alijados na limpeza ilegal de depósitos. Apesar da escala e visibilidade de tais impactos, as quantidades totais de poluentes que se escoam para o mar a partir de derrames de petróleo são diminutas quando comparadas com as originadas por poluentes de outras proveniências. Estas incluem os esgotos domésticos, as descargas industriais, o escoamento de superfície urbano e industrial, os acidentes, os derrames, as explosões, as operações de descarga no mar, a exploração mineira, os nutrientes e pesticidas da agricultura, as fontes de calor desperdiçadas e as descargas radioativas. A origem em terra é estimada como responsável por cerca de 44 por cento dos poluentes que penetram no mar, sendo as fontes atmosféricas responsáveis por perto de 33 por cento. Em contrapartida, o transporte marítimo é responsável por apenas cerca de 12 por cento. O problema dos plásticos nos oceanos também tem esta dimensão planetária”, que nenhum país consegue resolver sozinho e que obriga a que todos façam “a sua parte”. É impensável resolver o problema se não trabalharmos todos juntos, assim temos de “Sensibilizar para agir, Proteger para valorizar”.

Medida proposta 1.:

Reduzir a pegada ecológica optando por sacos reutilizáveis e criar nas escolas os "EcoPlásticos”.

Medida proposta 2.:

Incentivar e apoiar a venda a granel ou o empacotamento de produtos com materiais sustentáveis e amigos do ambiente através de campanhas de apoio às empresas amigas do ambiente.

Medida proposta 3.:

Reduzir e/ou diminuir o consumo energético e o consumo e de água.