Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Secundária do Restelo, Lisboa

Exposição de motivos

Exposição de motivos: Encontramo-nos entre a espada e a parede. Não dá para esconder que estamos num grande problema. Temos que agir! Sabemos que os problemas ambientais não são locais, são globais e não podemos ficar indiferentes às imagens que nos chegam de diversas partes do mundo, que apesar de distantes, também nos afetam de forma direta ou indireta. A comunicação social permite-nos conhecer coisas horríveis e infelizmente reais, como a ilha de plástico, as marés negras, entre outros. Atualmente, graças à investigação e tecnologia, somos surpreendidos com novidades e inovações constantes e a vários níveis. É urgente investir e incentivar para que estes conhecimentos se concentrem na resolução de problemas ambientais e que os interesses económicos não se sobreponham à necessária mudança a nível ambiental. Todos somos responsáveis por preservar os recursos naturais existentes, de modo a garantir a sustentabilidade do planeta para as gerações futuras.

Medida proposta 1.:

.Redução e substituição do plástico por outros materiais. Combater o uso excessivo do plástico porque este é de difícil decomposição no meio ambiente , propondo o uso de materiais que sejam soluções duráveis , que permitam a reutilização , a reparação e que desincentivem a cultura do uso descartável. Como a educação é a chave para se chegar aos mais jovens e consequentemente à restante população, as mudanças devem começar nas escolas.

Medida proposta 2.:

Medida: Utilização de fungos para filtrar resíduos, petróleo e substituir o plástico e o esferovite. Propomos o uso de fungos, mais especificamente uma parte, o mycellium, pois reproduzem-se rapidamente e de forma autónoma, é uma produção 100% biológica. Pode ser utilizado para absorver petróleo, no caso de derrames em meio aquático, e ser utilizado para substituir o plástico e esferovite comum em diversas situações como vasos e até embalagens.

Medida proposta 3.:

Maior controlo dos petroleiros e da sua limpeza. Análise e registo do petróleo, por embarcação, para permitir a identificação de limpezas ilegais. Obrigar a que todos os portos tenham instalações onde se possa fazer a limpeza dos tanques, de forma controlada e segura. Penalização universal para aqueles que façam lavagens ilegais dos tanques de combustível e maior fiscalização e controlo no tráfego marítimo, evitando que os petroleiros possam encalhar ou colidir, provocando catástrofes.