Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica Amadeu Gaudêncio, Nazaré

Exposição de motivos

Frequentemente vemos na comunicação social, comunidade científica, sociedade civil referências à importância que devemos dar ao ambiente e atenção ao clima, e mais recentemente as redes sociais deram ainda maior visibilidade a esta problemática. Se nos finais dos anos 70 e início da década de 80 do século passado o “Buraco na Camada do Ozono” e as perturbações do efeito de estufa eram a principal preocupação ambiental, nas décadas que se seguiram o aquecimento global do planeta passou a concentrar as nossas atenções e preocupações… pelo menos de alguns!… “De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas, assinada na Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento ou “Cimeira da Terra” (Rio de Janeiro, 1992), «Alteração climática» significa uma modificação no clima atribuível, direta ou indiretamente, à atividade humana que altera a composição da atmosfera global e que, conjugada com as variações climáticas naturais, é observada durante períodos de tempo comparáveis.” Ao longo da história climática do nosso planeta sempre ocorreram oscilações climáticas, períodos de grande arrefecimento generalizado intercalados com outros de aquecimento. Apesar dos poucos que procuram desvalorizar o período de aquecimento que agora vivemos, não podemos ignorá-lo, sobretudo se tivermos em conta que o mesmo regista valores bastante superiores, bem como os níveis de gases do efeito de estufa, nomeadamente os teores de dióxido de carbono presentes na atmosfera. Ainda mais relevante se torna este fenómeno se tivermos em conta que estes níveis cada vez mais alarmantes, começaram a subir a partir do século XVIII com a revolução industrial e energética. É devido às atividades desenvolvidas pelo ser humano, como a indústria, a agricultura, a pecuária ou os transportes que o efeito de estufa natural se está a alterar, provocando um aumento da temperatura global, provocando a fusão dos glaciares e das calotas polares e consequentemente o aumento do nível médio das águas dos mares, alterações climáticas, maior risco de incêndios, desertificação, aumento da frequência e violência das tempestades, redução da biodiversidade, propagação de doenças transmitidas por mosquitos. Assim, não é de estranhar que a União Europeia tenha assumido o Aquecimento Global como uma das suas preocupações e prioridade. Portugal e nós portugueses, cidadãos de uma Europa consciente para os perigos que enfrentamos neste domínio, temos de agir imediatamente. As nossas propostas visam responder ao desafio lançado pelo tema escolhido este ano pela iniciativa Parlamento dos Jovens, contribuindo para a discussão e reflexão, bem como encontrar algumas soluções para Salvar os Oceanos e reduzir o Aquecimento do planeta.

Medida proposta 1.:

Incentivar a produção de energia elétrica a partir dos oceanos. O estado apoiará as empresas que invistam na investigação de tecnologia e produção industrial, através de apoios diretos ou criação de linhas de crédito para o efeito.

Medida proposta 2.:

Incentivo para a aquisição/uso de embarcações com motorização elétrica (embarcações de recreio e pesca loca). Apoio à substituição das embarcações existentes pelas novas com motorização elétrica, ou compra de 1ª embarcação.

Medida proposta 3.:

Redução do uso de plásticos, que acabam por se acumular, muitos deles nos oceanos. Assim deverão ser criadas medidas que penalizam a utilização de plásticos e incentivos à utilização de materiais de reduzido impacto ambiental que os substituam e cuja produção tenha uma reduzida pegada ecológica.