Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Secundária da Quinta do Marquês, Oeiras

Exposição de motivos

As imagens chocantes sobre a vida marinha, que nos chegam diariamente através das redes sociais ou dos media, são cada vez mais preocupantes, devastadoras e angustiantes para a nossa geração, criam mesmo um sentimento de indignação. Ver animais indefesos a sofrer, a morrer devido a uma má atitude humana é no mínimo criminoso. Saber que existem ilhas de lixo a flutuar nos oceanos é vergonhoso para a Humanidade, uma vez que esta já é capaz de interpretar o que está para além da nossa galáxia. Não será certamente por falta de conhecimento, mas talvez por falta de vontade ou empenho em resolver o problema que a geração do plástico inadvertidamente criou. A falta de consciência individual sobre a destruição do Planeta, dos seus ecossistemas, do funcionamento das cadeias alimentares em que o próprio homem está no seu topo e, por isso, dependente dos seres vivos anteriores para sobreviver, é no mínimo negligente e auto destruidor. Há que agir urgentemente ao nível da gestão dos resíduos sólidos urbanos, principalmente no que respeita aos plásticos. Há que sensibilizar a população para a verdadeira dimensão deste problema. Há que ter vontade política em assumir este problema, como um problema global onde teremos de agir localmente, mas com esforços convergentes, para podermos honrar os compromissos internacionais assumidos. Se "Proteger a vida marinha" é um dos objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas é porque este problema já atingiu uma dimensão gigante ao ponto de ser necessário adotar políticas internacionais. Cada um, com a sua atitude fará a diferença! Não há tempo a perder... Há que atuar já! Salvemos os oceanos!

Medida proposta 1.:

A abolição do uso de sacos de plástico até 2020. Estes deverão ser substituídos por sacos biodegradáveis. As empresas que aderirem antes dessa data usufruirão de incentivos fiscais, como recompensa do impacte positivo que estão a criar no ambiente.

Medida proposta 2.:

A substituição das garrafas de plástico para a água por bolhas de água, de capacidade de 20 ml, revestidas por uma película comestível e biodegradável, feita a partir de algas.

Medida proposta 3.:

No verão a instalação de cabanas à entrada das praias para distribuir aos banhistas sacos biodegradáveis com três divisórias (uma para colocar matéria orgânica; uma para colocar plástico ou metal e outra para colocar papel), no final do dia os banhistas entregam o saco na cabana para se proceder à separação dos respetivos resíduos. No inverno, deve haver a criação de empregos para limpeza e recolha do lixo nas praias.