Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Colégio "Luso Francês"

Exposição de motivos

Salvar os oceanos é uma tarefa incrivelmente difícil, deveras exigente e que envolve todo o Planeta. Acreditamos que só conseguimos mudanças numa escala tão colossal, se pensarmos não em termos globais, mas em termos locais. Não poderemos alterar os atores políticos, as decisões dos outros, os comportamentos da restante sociedade, mas podemos começar por agir na nossa vida, na nossa escola, na nossa comunidade, na nossa casa. As medidas que apresentamos, do particular para o geral, assentam, assim, em três pilares fundamentais: a educação, a economia e a investigação. Alterar hábitos instalados é, indubitavelmente, uma árdua tarefa. Cremos que só é possível através da educação. Assim, consideramos que o ambiente e a ecologia, não poderão ser encarados como temas transversais na nossa educação, explorados em diferentes contextos ocasionalmente. A proteção do nosso habitat é um assunto prioritário, um projeto fulcral em cada um de nós e que deve ser abordado de acordo com as urgências que o nosso Planeta vai impondo, justificando já a criação de uma disciplina com metodologia de projeto totalmente dedicada a proteger o local onde vivemos. Acreditamos que, se conseguirmos ativar uma multiplicidade de polos de mudança, conseguiremos salvar os oceanos e cuidar do nosso habitat, tornando-o a nossa prioridade. Tome-se o exemplo de uma escola que consegue abolir na totalidade o plástico. Pensemos agora em todas as escolas da cidade, do distrito e do país que se seguem. Vejamos o exemplo que isso seria nas nossas vidas e a diferença que isso faria para os nossos oceanos. No que concerne a economia, achamos importantíssimo reduzir o IVA dos produtos locais desenvolvidos de forma sustentável, de forma a incentivar o consumo dos mesmos, reduzindo a poluição, o custo do transporte, a necessidade de embalagens e estimulando a adoção de práticas sustentáveis dos pequenos produtores. Mais ainda, é imperativo dar benefícios fiscais a todo as instituições que adotem práticas sustentáveis, nomeadamente a utilização de embalagens alternativas, a abolição do plástico, etc. Por último, no que diz respeito à tecnologia, propomos a criação de um gabinete para investigação tecnológica dando desenvolvimento a medidas já experimentadas noutros países como a implementação nos rios de redes para impedir que os plásticos cheguem aos mares, drones para recolher plásticos, etc. As nossas medidas têm em consideração este princípio de mudança: partimos do local para o universal de uma forma realista e exequível, através da educação, da economia, da tecnologia e sobretudo da ação. Está na altura de perceber que nós é que somos a mudança.

Medida proposta 1.:

Criação de uma disciplina de projeto obrigatória desde o 1º ano de escolaridade até ao 12º ano sobre a proteção do Planeta. Definição de temas estruturantes por triénio, ou conforme exigências atuais (Salvar os Ocenos,1ª prioridade). Adoção da metodologia de projeto, obrigando a que todos sejam avaliados pela diferença que fazem na sua vida, escola e comunidade. Criação de uma comissão de divulgação de boas práticas e atribuição de prémios para aquelas que se destaquem pelas mudanças geradas.

Medida proposta 2.:

Benefícios fiscais para práticas sustentáveis: Redução do IVA nos produtos locais desenvolvidos de forma sustentável e Redução nos Impostos para instituições comerciais que adotem práticas sustentáveis

Medida proposta 3.:

Criação de um gabinete de inovação tecnológica de pesquisa e desenvolvimento de soluções para salvar os oceanos