Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica António Rodrigues Sampaio, Esposende

Exposição de motivos

O aquecimento do sistema climático é inquestionável. Somos constantemente bombardeados com notícias relativas a aumentos da temperatura média do ar e do oceano, a incêndios florestais cada vez mais frequentes e devastadores, ao degelo, ao aumento do nível médio das águas do mar, entre outras. Aliás, uma das consequências do aumento do nível médio das águas do mar é a erosão costeira e os seus efeitos são bastante evidentes no nosso concelho, Esposende. As praias estão a desaparecer! Algumas estruturas edificadas já foram engolidas pelo mar e outras correm sérios riscos. As ameaças sobre o ambiente marinho e a sua biodiversidade, são evidentes. O que fazer? Há culpados? São recorrentes as narrativas culpabilizantes, argumentos válidos e outros desconexos ou tecnicamente errados. Por vezes confrontam-se responsáveis e nada acontece! Temos de ser nós a agir! Temos de reduzir substancialmente a emissão de gases de efeito de estufa para a atmosfera! Os governantes podem estabelecer objetivos, podem organizar e participar em Cimeiras, para debater esta problemática, mas, em última análise, é às autarquias locais, às famílias e a cada um de nós que compete agir, pois todos nós temos um papel muito importante a desempenhar. São precisas atitudes, “Palavras leva-as o vento”! Pergunto-me: Sou eu que estou a mudar o mundo? - Sim. Eu estou a mudar o mundo. - És tu que estás a mudar o mundo? - Sim. És tu que estás a mudar o mundo. As nossas atitudes menos conscientes e os nossos padrões de consumo estão a afetar os diferentes subsistemas do nosso Planeta. Muitas coisas vieram facilitar a nossa vida, mas hoje sabe-se que trazem malefícios. Reparem que como passamos a recorrer ao descartável! São copos de plástico, pratos de plástico, talheres de plásticos, praticamente tudo de plástico. Somos a geração do plástico! Reparem que em alguns serviços temos agora que tirar tickets para termos o direito a ser atendidos. Estes tickets são realmente necessários? Lamentavelmente, são atirados para o chão! Temos de perder o hábito de usar e deitar fora. Temos de perder o hábito de atirar lixo para o chão por negligência e por talvez pensarmos que é lixo pequenino e não faz diferença. Mas esquecemo-nos que, se multiplicarmos esse gesto por dezenas, centenas, milhares ou milhões de pessoas, que fazem exatamente a mesma coisa dia após dia, instala-se o caos. É importante lembrar que o território que hoje se ocupa e planeia será usufruído pelas gerações vindouras. Temos de repensar e de reduzir o nosso consumo optando por produtos e serviços com impactes menos negativos no ambiente. Temos de recusar compactuar com uma sociedade ávida do ter. Só assim mudaremos positivamente a forma como certos produtos e serviços são produzidos e disponibilizados. A ação climática começa em mim, em ti, em cada um de nós! A mitigação da ação climática começa na nossa casa, na nossa escola, aqui e agora! Como dizia Mahatama Gandhi, «Sê a mudança que queres ver no Mundo».

Medida proposta 1.:

Consciencializar a população, a nível local, para a problemática do aquecimento global Conhecer para reduzir e para corresponsabilizar tem de ser uma realidade cada vez mais presente nos diferentes quotidianos. É urgente “aprender juntos para fazer juntos”, combinando, a nível local, informação, conhecimentos, capacitação e motivação para estimular cada um de nós a mudar suas atitudes e práticas quotidianas. Conhecer e saber através da promoção de sessões de informação e esclarecimento.

Medida proposta 2.:

Promover a mobilidade suave no território Criando um Plano de Mobilidade Ciclável, que adote a bicicleta como um modo de transporte ao mesmo nível de importância dos restantes. Desse Plano, pode constar a construção de mais ciclovias e de ciclovias intraurbanas, e a criação de uma escola de educação rodoviária. Assim, seria possível motivar para a mobilidade eficiente, com territórios mais limpos e agradáveis, bons para viver e visitar, contribuindo para a descarbonização da economia.

Medida proposta 3.:

Adaptar a gestão da infraestrutura verde A infraestrutura verde tem um papel fundamental na atenuação dos efeitos do tempo quente, o que se acentua nos territórios com maior densidade de edificação. Entre outras vantagens, potencia o ciclo da água e absorve o CO2 presente na atmosfera. É fulcral, repensar e adaptar as estruturas verdes ao novo cenário climático, introduzindo espécies mais resistentes ao calor e menos exigentes em rega, e criar novos núcleos arborizados com espécies nativas.