Parlamento dos Jovens - Básico


Edição 2018 (2018/2019)

Escola

Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo, Guarda

Exposição de motivos

Tendo em conta a temática apresentada nesta edição do Parlamento dos Jovens para o ensino básico, é urgente que cada um de nós tenha uma consciência ambiental para com os oceanos e uma atitude proativa na sustentabilidade do nosso Planeta! Sabendo que os oceanos constituem 71% do nosso habitat e são o nosso principal regulador térmico essencial à espécie humana, é premente que o Ser Humano tenha a devida consciência da sua importância não só económica, mas também política e ambiental. A utilização desmesurada de veículos de combustão interna que utilizam combustíveis fósseis tem sido a principal causa da formação de smog, chuvas ácidas, efeito estufa e a diminuição da camada de Ozono. Desta forma, coloca em risco o equilíbrio térmico na Terra, com reflexos no aquecimento global e consequentemente origina efeitos nefastos nos oceanos, tais como a acidificação dos mesmos, o branqueamento dos corais e a perda da biodiversidade marinha. Cada um de nós, deve consciencializar-se que os oceanos são fundamentais à nossa vida e que devemos aplicar medidas que reduzam a utilização de recursos não renováveis, nomeadamente a utilização de energias limpas e inesgotáveis e consumir cada vez mais produtos nacionais biológicos que permitam aumentar o interesse e a valorização dos nossos recursos endógenos e desta forma fomentar o comércio local e nacional e em consequência estimular a economia nacional ao mesmo tempo que se reduz a emissão de gases poluentes com a importação de produtos oriundos de outras geografias. A poluição marinha é um problema crescente no nosso Planeta e tem apresentado efeitos diretos e colaterais de grande dimensão. As causas são de diversa índole, desde a sobreexploração dos recursos piscícolas, a intensa urbanização nas áreas costeiras, descargas de esgotos, efluentes industriais e agrícolas, plásticos, resíduos sólidos, derrames petrolíferos e resíduos tóxicos e radioativos. Há que aplicar o princípio de poluidor-pagador e investir cada vez mais na aquacultura como solução à perda da biodiversidade e preservação dos stocks piscícolas. Ao apresentarmos estas três medidas, no âmbito da temática “Alterações climáticas – Salvar os oceanos”, tivemos sempre presente os protocolos ambientais, nomeadamente os protocolos de Quioto e Montreal; as organizações de defesa do ambiente, tais como, a PNUA, as ONG´s e a UNESCO, uma vez que estas se preocupam com as reservas patrimoniais e naturais do Planeta. No entanto, para que estas organizações sejam eficazes, teremos que ser resilientes perante as nossas necessidades diárias, alterando hábitos de consumo, aplicando medidas que combatam as alterações climáticas e preservem o ambiente marinho, a fim de promover a sustentabilidade dos oceanos e reduzirmos a nossa pegada ecológica.

Medida proposta 1.:

Incentivos fiscais às pessoas e às empresas que utilizam os transportes públicos ou veículos pessoais menos poluentes (híbridos/elétricos)

Medida proposta 2.:

Promover nas escolas nacionais campanhas de sensibilização para o consumo de produtos locais, assegurando o desenvolvimento económico e sua sustentabilidade a nível local.

Medida proposta 3.:

Aumentar a produção de espécies aquáticas em cativeiro (incentivo à aquacultura).