Parlamento dos Jovens - Secundário


Edição 2018 (2018/2019)

Projetos de Recomendação aprovados nas Sessões Escolares

Circ . Eleitoral

Escola

Projeto de recomendação

Açores

Colégio do Castanheiro

1. Criação de transportes públicos gratuitos nas grandes cidades.
2. Implementação de uma taxa mínima de florestação por cada concelho.
3. Criação de benefícios no IMI para as famílias que fizerem a separação do lixo.

Açores

EB 1,2,3/S Mouzinho da Silveira

1. O aumento da poluição atmosférica e sonoro, decorrem, em grande escala, do aumento da circulação dos transportes rodoviários, motorizados, que emitem para a atmosfera grandes quantidades de fumos e gases, que se refletem diretamente, por exemplo, na saúde humana, no agravamento das consequências de catástrofes naturais e na perda de biodiversidade. Assim, propomos na limitação do número de veículos a entrar nas áreas mais congestionadas, através da aplicação de taxas.
2. Sabendo que as emissões de CO2 aumentaram 7,3 % em 2018 e que uma das principais causas deste aumento significativo se deve à emissão gases por parte dos automóveis a combustão, propomos a criação de incentivos para a aquisição de carros elétricos para população do Corvo.
3. Num cenário de alterações climáticas e aumento das consequências negativas que delas advém, surge a necessidade de estudar os seus impactos económicas, sociais e ambientais, por isso propomos a sensibilização da população dos Açores para as consequências das alterações climáticas nomeadamente a seca e o uso sustentável da água.

Açores

EB1,2,3/JI/S de São Roque do Pico

1. Investir, de forma vinculativa na questão energética, aumentando o número de centrais de energia renovável em Portugal;
2. Reduzir os impostos aplicados aos transportes públicos, e atribuir subsídios com o intuito de aumentar a quantidade de transportes públicos híbridos;
3. Reduzir os impostos atribuídos às alternativas renováveis (automóveis elétricos, bombas de calor, painéis solares…) e divulgar ao público as grandes vantagens a nível económico e ambiental que estes aparelhos nos podem proporcionar.

Açores

EB1,2,3/JI/S Padre Maurício de Freitas

1. Criação de uma taxa para a ultrapassagem da libertação de gases, permitida por lei, a ser aplicada à médias e grandes empresas. A queima de combustíveis pelas fábricas leva à emissão de grandes quantidades de gases altamente poluentes para a atmosfera. Desta medida estariam isentas as pequenas empresas. O dinheiro resultante das taxas deverá ser aplicado/reinvestido no desenvolvimento e aplicação de energias renováveis.
2. Baixa dos preços dos carros elétricos. Uma vez que a queima dos combustíveis fósseis pelos automóveis é uma das principais causas do agravamento do efeito de estufa, a introdução de um maior número destes carros ajudaria a resolver esse problema. Estes carros são ainda caros, pelo que a nossa medida levaria ao aumento da sua venda e uso, sendo que assim não só a classe social média e alta poderiam ter acesso a estes carros como toda a população.
3. Implementação de mais postos de abastecimento de carros elétricos. Com o aumento dos postos de abastecimento poderíamos dar mais resposta ao abastecimento destes carros porque os poucos que temos estão sobrelotados e também daria mais motivação às pessoas porque as eternas esperas do abastecimento do seu carro iriam acabar. A ideia de que a implementação destes levaria a perda de empregos é errada uma vez que apenas se assistiria à substituição dos postos de abastecimento.

Açores

EB1,2,3/S /JI Manuel Azevedo da Cunha

1. Adaptação das normas de construção às condições climáticas futuras, legislando a construção sustentável através da otimização dos recursos naturais, valorização das energias renováveis, intervenções físicas ou de engenharia que minimizem os impactos negativos e que melhor lidem com os eventos climáticos futuros.
2. Criar apoios e incentivos para aumentar a área florestada e organizar a reflorestação, assim como combater e prevenir os incêndios, através de uma legislação mais rigorosa. As florestas são importantes fontes de Biomassa e através da fotossíntese diminuem a emissão de dióxido de carbono.
3. Promover o consumo de produtos endógenos – o que estimula as economias locais e diminui o impacto ambiental dos transportes, diminuindo a emissão de CO2 – através do aumento das taxas sobre produtos externos.

Açores

EB2,3/S Cardeal Costa Nunes

1. Incentivar as empresas para produzirem produtos florestais sustentáveis através de subsídios.
2. Combater o desperdício de comida através de palestras nas escolas, panfletos, vídeos nas redes sociais e na plataforma Youtube.
3. Desencorajar o consumo e a lucratividade dos combustíveis fósseis como o carvão mineral e o petróleo. Sendo assim haveria maior fiscalização sobre a produção dos mesmos e menos benefícios fiscais.

Açores

EB2,3/S da Graciosa

1. Criação de um selo, que visa a distinção das empresas que produzam sobre determinados critérios de sustentabilidade ambiental. Criando igualmente uma entidade externa às empresas com fins de fiscalização dos mesmos critérios. As empresas que reúnam essas condições, terão como recompensa um subsídio estatal integrado no Orçamento de Estado do ano seguinte.
2. Implantação de máquinas de troca de plástico por talões de supermercado em todo o tipo de empresas, com vista à sensibilização da população para a reutilização do plástico consumido. Reduzindo assim a emissão de gases poluentes da indústria do plástico.
3. Renovação da extensa frota automóvel estatal por veículos movidos a energia elétrica, o que levaria a uma redução dos gases emitidos pelos veículos movidos a energia não renovável e a consequente implantação de postos de carregamento de automóveis em cada município. Dessa forma, torna mais fácil a aquisição deste tipo de automóveis por parte dos munícipes, visto que a preocupação com a existência de um posto de carregamento para o seu automóvel desaparece.

Açores

EB2,3/S de Velas

1. Aumentar a participação do Estado na introdução de energias renováveis nas indústrias.
2. Reforçar a proibição de venda de plásticos descartáveis.
3. Atribuição de benefícios aos cidadãos que derem preferência à utilização de transportes públicos.

Açores

EB2,3/S de Vila Franca do Campo

1. Criação de incentivos (fiscais, monetários e formativos) para os produtores de carne, laticínios e ovos, substituírem, gradualmente, estas fontes de rendimento por outras menos nocivas para o ambiente, nomeadamente através da alteração do uso do solo e da promoção do agroturismo.
2. Promoção de ações de sensibilização sobre as alterações climáticas, destinadas à comunidade mais jovem, com o intuito de promoverem alterações comportamentais dos consumidores, nomeadamente dos seus hábitos alimentares.
3. Forte aposta no investimento público em centrais de produção de energia renovável (geotérmica, eólica, maremotriz, solar), bem como criação de incentivos para o uso particular de energia solar.

Açores

EBS 2,3 /S Bento Rodrigues

1. 1. Estreitamento das normas relativas aos ingredientes usados nas cantinas públicas, banindo, sempre que possível, produtos que, reconhecidamente, possuam uma pegada ecológica elevada.
2. 2. Implementação de quotas regionais/distritais sobre o gado bovino, de modo a diminuir a pegada ecológica provocada pelo setor pecuário.
3. 3. Redução do horário de trabalho dos funcionários que se desloquem para o seu local de trabalho usando a bicicleta ou os transportes públicos.

Açores

ES Antero de Quental

1. Investir na plantação de sobreiros e consequente aproveitamento da cortiça.
2. Repensar a alimentação dos bovinos como forma de reduzir o lançamento de Metano para a atmosfera.
3. Implementar a rotatividade de culturas, tendo em vista a diminuição do uso de fertilizantes nitrogenados.

Açores

ES da Lagoa

Desistiu

Açores

ES da Ribeira Grande

1. Reforçar (nos locais já existentes) e criar (onde não existem) leis de controlo de circulação para automóveis poluentes, incentivando o uso de automóveis menos poluentes, por exemplo, os elétricos e baixar os preços dos transportes públicos.
2. Criação de campanhas de sensibilização sobre o impacto ambiental do consumo de carnes, incentivando a adoção de uma alimentação mais à base de vegetais.
3. Proibir a utilização de sacos de plástico nos supermercados / hipermercados (incluindo a secção de frutas e legumes) e de loiça descartável nos centros comerciais. Os sacos de plástico seriam substituídos por recipientes reutilizáveis e as loiças descartáveis por loiças igualmente reutilizáveis.

Açores

ES Domingos Rebelo

1. Remuneração monetária por material reciclado.
2. Produção de energia maremotriz (energia limpa e renovável), aproveitando, assim, 97% do território português.
3. Reflorestamento de espaços urbanos afetados por incêndios, com a sua devida fiscalização e limpeza apropriados.

Açores

ES Jerónimo Emiliano de Andrade

1. 1. Maiores incentivos ao aumento do uso de energias sustentáveis, como por exemplo na utilização de carros e transportes públicos elétricos, bem como na promoção da investigação científica de forma a dotar os meios de transportes de grande porte de energias sustentáveis.
2. 1. Incentivar o consumo de produtos locais recorrendo, por exemplo a campanhas de promoção como documentários, palestras ou workshops.
3. 1. Aumentar a fiscalização de empresas e industrias que emitam gases poluentes, aplicando as coimas aos prevaricadores.

Açores

ES Manuel de Arriaga

1. Tornar o mundo mais verde- plantar mais árvores.
2. Reduzir o consumo de plástico.
3. Incentivar o maior consumo de refeições vegetarianas nas escolas.

Açores

ES Vitorino Nemésio

1. Reformar o modo de informação e educação da sociedade, tornando-o realista e efetivo e abrangendo toda a população.
2. Implementação de um plano conjugado (imposto-dividendo) de limitação das emissões de dióxido de carbono.
3. Transformação dos grandes centros urbanos em "No Car Cities".

Açores

Escola de Formação Turística e Hoteleira

1. Controlar as emissões de metano provenientes da pecuária. Tendo em conta a nossa realidade, onde a criação de gado assume grande importância, urge combater este gás, por via, nomeadamente, da alimentação animal, sobretudo, dos suplementos alimentares. Para o efeito seria importante o desenvolvimento da investigação, nomeadamente, ao nível universitário, através do financiamento à luta contra as alterações climáticas da União Europeia.
2. Evitar o desmatamento e/ou queimadas em florestas. Sabe-se que as árvores são indispensáveis à produção de oxigénio e não é possível deixar de ter gado - uma vez que é uma das atividades que melhor caracteriza a nossa região - pelo que a aposta deveria incidir sobre novos sistemas como a silvipastorícia onde se procura a simbiose entre o animal e a árvore.
3. Construção de edifícios com acumuladores de temperatura. A construção baseada na eficiência energética é hoje uma realidade. Procurar tirar o maior partido possível da energia solar, por exemplo, seria uma mais-valia para a utilização/produção/venda de energia levando a que a população se comprometesse com boas práticas neste domínio beneficiando-a com uma redução fiscal, por exemplo, no IMI.

Açores

Escola Profissional da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada

1. Criação de uma aplicação móvel que comprove a realização dos 3 Rs. Através da colocação de um código QR no produto e no Ecoponto, comprovar-se-ia a colocação do objeto no ecoponto correto. Com a utilização desta aplicação, os utilizadores acumulariam pontos que poderiam ser trocados por bens ou serviços que aderissem a esse código.
2. Filtração do CO2 - separação do carbono e o seu aproveitamento para combustão para gerar energia. Esta técnica consiste na inspiração do ar, passando, em seguida, por filtros e, através de um processo, dar-se-á a separação do carbono do CO2, reciclando, assim, o carbono que já existe na terra.
3. Reaproveitar os desperdícios alimentares e transformá-los em fertilizantes. Através da criação de uma cooperativa, por exemplo, seriam recolhidos todos os desperdícios alimentares, quer das grandes superfícies, quer das lotas e até mesmo de individuais e, posteriormente, seriam distribuídos pelos cooperantes, que neste caso seriam agricultores.

Açores

Escola Profissional da Horta

1. Substituir gradualmente a utilização de lâmpadas de halogéneo por LED em todos os organismos e rede de iluminação pública, começando pelas escolas, de modo a formar pelo valor do exemplo.
2. Reduzir o tráfego automóvel, incentivando o uso de meios de transportes não poluentes e públicos, através do encerramento ao trânsito do maior número possível de centros históricos (salvo comuns exceções legalmente admitidas).
3. Reduzir o consumo de carnes vermelhas e produtos lácteos, através da implementação de um dia sem os mesmos em todos os organismos públicos, começando pelas escolas, e do limite de duas refeições semanais que incluam carnes vermelhas em cantinas escolares e hospitalares, de forma a provocar impacto a longo prazo na mudança de hábitos.

Açores

Escola Profissional da Praia da Vitória

Desistiu

Açores

Escola Profissional da Ribeira Grande

1. Criar uma subvenção que sustente a rápida implementação da agricultura biológica de forma a limitar a intensiva e violenta exploração agro-pecuária e a agricultura convencional que tem vindo a destruir os nossos solos, com a aplicação de pesticidas, herbicidas e fungicidas e o proibir dos mesmos;
2. Desencadear a “revolução verde” com o plantio de árvores, com a reflorestação de zona onde a flora não está presente, privilegiando uma agricultura biológica e sustentável;
3. Criar núcleos de inspecção nas empresas de cariz industrial, de forma a averiguar a natureza das descargas, emissão de gases e o tratamento dos resíduos sólidos e a agir em conformidade com as autoridades competentes, e se necessário com a aplicação de coimas.

Açores

Escola Profissional da Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo

1. Apostar na produção de energias limpas: solar / geotérmica / eólica.
2. Medida Mitigadora – Economia Circular A economia circular surge como um paradigma alternativo, mantendo o valor acrescentado dos produtos pelo maior tempo possível, fechando o seu ciclo de vida e eliminando ou minimizando a deposição de resíduos.
3. Apenas duas medidas

Açores

Escola Profissional das Capelas

1. Criação de uma lei que incentivasse população e empresas a realizar a separação e tratamento de resíduos, contribuindo para a diminuição da emissão de gases. No entanto, os incumpridores, em termos individuais, deveriam realizar trabalho comunitário, como limpeza de praias, rios, ribeiras, matas e florestas. A nível empresarial, o Estado deveria aumentar os impostos e reduzir outras ajudas.
2. Criação de uma organização governamental que visasse promover a reciclagem, tratamento de resíduos, emissão de gases e reflorestação. Esta seria, igualmente, responsável por proteger diversos espaços naturais, com o fim de preservar, não só, as espécies endémicas, como também, outras espécies. A organização teria uma dupla responsabilidade pois, por outro lado, protegeria a natureza, por outro, criaria novos postos de emprego, essenciais para o desenvolvimento da economia de cada região.
3. Criação de pontos de recolha em todas as freguesias. O Objetivo seria utilizar o mesmo sistema das Finanças, as faturas prémio. Nestes pontos, estaria presente um funcionário que recolheria os materiais recicláveis e atribuiria um recibo. Assim sendo, no fim do ano, todos estes recibos iriam fazer parte de um sorteio, cujos vencedores ganhariam um prémio. Esta medida criaria igualmente novos postos de emprego.

Açores

Escola Profissional de Atividade Lúdica e Social da S.C.M. de Ponta Delgada

1. Substituir as garrafas de plástico nos restaurantes e hotelaria por garrafas de vidro. Cerca de 90% da restauração e hotelaria servem a água, aos seus clientes, em garrafas de plástico. Este sector representa uma boa parte do lixo de plástico produzido no país. Assim, recomenda-se a implementação do uso das garrafas de vidro neste sector e o apoio no investimento em máquinas de filtração de água nestas unidades por forma a melhorar a qualidade da água para o seu consumo.
2. Máquinas de retoma para latas e garrafas de plástico. O lixo do aterro em grande parte provem do lixo particular e, muito deste lixo pode ir para a reciclagem. O lixo para o particular muitas vezes não possui valor, assim podemos aplicar uma estratégia de criação de valor. As máquinas coletoras de latas e garrafas de plástico tendo como troca um valor monetário. A sua implementação generalizada pelas superfícies comerciais será um estímulo para o cidadão no que diz respeito à reciclagem
3. Implementação do imposto Piquenique Este imposto tem como objetivo a redução da produção de resíduos não recicláveis como os pratos, talheres, copos descartáveis de plástico, guardanapos, entre outros. Este imposto enquadrado na lei das finanças que abrange os resíduos não recicláveis deverá financiar os produtos reciclados de modo a ter uma maior adesão por parte do consumidor final, reduzindo assim a produção de lixo, nomeadamente o plástico.

Açores

Escola Profissional de Vila Franca do Campo

1. Apoio com a redução da carga fiscal sobre os proprietários de mata que apostassem na reflorestação planeada, ordenada e em parceria com as entidades que gerem as florestas de Portugal.
2. Reembolso por parte do Estado das despesas com a colocação de filtros eficientes nas chaminés das indústrias que reduzam a emissão de gases poluentes da atmosfera.
3. Redução do IVA nos produtos e embalagens alternativos ao plástico, aos produtos vendidos a granel e aos géneros vendidos em tara retornável.

Açores

Escola Profissional do Nordeste

1. Até ao ano de 2030 todos os transportes públicos devem deixar o diesel e começar a usar-se a gasolina ou então devem ser elétricos. Até 2045 todos os transportes que usem diesel devem mudar para gasolina ou devem ser elétricos, de forma a contribuir para a diminuição do aquecimento global.
2. Todas as empresas em que a sua mercadoria contenha um uso mínimo de 40% de plástico reciclado devem ser reduzidos os impostos conforme a percentagem de plástico utilizado (mesmo que o produtor contenha 100% de plástico reciclado os impostos não podem chegar a 0%) de forma a poder beneficiar-se quem utilizar menor quantidade de plástico promovendo assim uma diminuição da poluição e consequentemente uma redução do aquecimento global.
3. Nada a apresentar. A nossa escola apenas apresentará duas medidas.

Açores

Escola Profissional do Pico

1. Financiamento Estatal para a criação de Lojas Lixo Zero.
2. Intensificação do apoio a indústrias com sistema de controlo de emissão de gases poluentes.
3. Reforço do apoio governamental ao uso de carros eléctricos, bem como postos de abastecimento dos mesmos.

Açores

Escola Profissional do Sindicato de Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores

Desistiu

Açores

Escola Profissional Monsenhor João M. A. Ferreira

1. Produzir menos e de forma sustentável.
2. Taxar as empresas com modos de produção não sustentáveis.
3. Reduzir o volume de lixo e o número de lixeiras a céu aberto.

Açores

Instituto de Educação Técnica de Seguros - INETESE - Açores

1. Instalação de sistemas de controlo de emissão de gases poluentes nas Industrias, de forma a diminuir a a emissão de CO2
2. Serviços e Empresas publicas utilizarem energias renováveis ou lâmpadas LED
3. Colocação de filtros nos carros em combustão e utilização de carros elétricos

Açores

Instituto de Educação Técnica de Seguros - INETESE - Açores (Angra do Heroísmo)

1. As turbinas eólicas (energia renovável que não contribui para as emissões de gases poluentes da atmosfera) existentes nos mais variados territórios de Portugal, atualmente desperdiçam muita da energia que produzem. O aproveitamento dessa mesma energia dissipada poderia contribuir de forma positiva para a pegada verde. Verba governamental deveria ser atribuída para criar equipas de investigadores com o propósito de otimizar essa energia verde dissipada e não aproveitada.
2. Uma das maiores causas do aquecimento global prende-se com a constante emissão de dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera. A criação, numa fase inicial e experimental, de recomendações às empresas e principais poluentes da atmosfera, para depois culminar com a criação de leis contendo valores máximos possíveis de emissão e também sanções para os não cumpridores, torna-se um passo necessário e urgente.
3. O sol, como fonte renovável e sustentável de energia, deveria ser aproveitada em todo o seu esplendor por todos os cidadãos, tirando o melhor partido do mesmo. A implementação de painéis solares nas casas, nos escritórios, ou em qualquer infra-estrutura consumidora de energia, deveria ter o total apoio do Governo quer no investimento inicial, quer de outra forma passível de bonificar os cidadãos (redução da taxa de IRS, por exemplo).

Açores

29 Escolas elegem 87 deputados: 58 deputados efetivos + 29 suplentes

Aveiro

Agrupamento de Escolas de Anadia - Escola Básica e Secundária

1. Redução do uso de plástico descartável (sacos e garrafas), substituindo-os gradualmente por alternativas ecológicas.
2. Integração na disciplina de Cidadania de projetos ambientais, com avaliação obrigatória.
3. Não existe

Aveiro

Agrupamento de Escolas de Ílhavo

1. 1- Diminuir o uso de transporte individual e fomentar a utilização de transportes públicos elétricos. Apesar da evolução, a maioria dos automóveis utiliza combustíveis fósseis, aumentando a poluição ambiental. As marcas têm investido em veículos elétricos, menos poluidores mas, o seu preço é muito elevado. Assim, o mercado deve ser incentivado a investir nestes veículos e torná-los acessíveis à população. A sensibilização, as leis fiscais e ambientais devem incentivar a mobilidade elétrica
2. 2- Incentivar práticas de agricultura sustentáveis e diminuir o consumo de carne de vaca e de laticínios. A agropecuária têm altos índices de poluição. Deve-se incentivar o uso de métodos biológicos e sustentáveis. O gado bovino é responsável por 4% das emissões de carbono e, devido ao processo digestivo “fermentação entérica”, gera metano, também, responsável pelo efeito de estufa. Por isso, diminuindo o consumo de carne de vaca e de laticínios contribuimos para um planeta mais sustentável
3. 3– Diminuir as quotas de emissão de G.E.E. (gases de efeito de estufa) e universalizar a sua monitorização. É indispensável estabelecer acordos e fazer o controlo das emissões de gases poluentes, principalmente nas indústrias de maior produção; a sua monitorização deve ser universal, uma vez que, a circulação geral da atmosfera facilmente transporta os gases poluentes, prejudicando todos os países, mesmo os que cumprem todos os acordos e leis, sejam nacionais ou internacionais.

Aveiro

Agrupamento de Escolas de Ovar

1. Proceder ao envolvimento da população recorrendo à consciencialização através dos recursos televisivos (séries e filmes apelativos), da publicidade (promoção de rótulos com informação relativa à pegada ecológica de cada produto) e realização de atividades mensais no sentido de proceder à reflorestação.
2. Reduzir a produção da indústria agropecuária através do incentivo à alteração de certos hábitos alimentares.
3. Implementar centros domésticos de tratamento de águas (“mini” ETAR’s domésticas que filtram a água e permitem a sua “reutilização” para as necessidades domésticas).

Aveiro

Agrupamento de Escolas Dr. Mário Sacramento, Aveiro

1. Implementar nas cantinas públicas os princípios da dieta mediterrânica.
2. Aumentar a utilização de madeira reforçada (CLT), proveniente de florestas sustentáveis, na construção.
3. A utilização do tório (metal radioativo) para a produção de energia elétrica.

Aveiro

Colégio de Albergaria

1. Criação de centrais de biomassa inter-municipais para tornar rentável a limpeza de florestas.
2. Constituição de legislação para a existência de espaços verdes, por município, proporcionais às emissões de gases libertados pelas fábricas neles existentes e à densidade populacional dos mesmos.
3. Promoção da autoprodução de energia renovável para consumo próprio e para venda à rede, criando incentivos (benefícios fiscais) para aqueles que adoptem esta prática.

Aveiro

Colégio Diocesano de Nossa Senhora da Apresentação

Desistiu

Aveiro

Escola Básica e Secundária de Sever do Vouga

1. Aumento da taxa de carbono e benefícios fiscais para as empresas que reduzam substancialmente a sua pegada ecológica;
2. Aplicar uma taxa sobre os produtos embalados em plástico e reduzir impostos sobre as alternativas “verdes”, como, por exemplo, produtos embalados em papel ou cartão reciclado;
3. Controlar e limitar a produção de lixo a um limite máximo por família, em função do agregado familiar, e taxar a produção de lixo para lá deste limite. (Medida já usada noutros países, como, por exemplo, a Suíça).

Aveiro

Escola Básica e Secundária Dr. Jaime Magalhães Lima, Esgueira, Aveiro

1. Aumento da prevenção dos incêndios florestais, através de equipas de proteção florestal e da dinamização de espaços naturais em contexto rural.
2. Proteção de florestas e da produção florestal com a criação de perímetros cobertos com árvores autóctones, resistentes ao fogo.
3. Uso de catalisadores nas chaminés industriais.

Aveiro

Escola Básica e Secundária Padre António Morais da Fonseca, Murtosa

1. Investimento na energia fotovoltaica suportado em legislação adequada
2. Substituição progressiva de transportes poluentes quer a nível público quer a nível privado
3. Reforma inovadora do sistema de reciclagem

Aveiro

Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Vagos

Desistiu

Aveiro

Escola Profissional de Aveiro

1. Redução efetiva utilização de plásticos; A redução efetiva de plásticos em todas as transações económicas por forma a evitar a emissão de gases poluentes com grande impacto nas aguas correntes e marítimas, contribuir para a diminuição radical das energias fosseis e, também, diminuir a reciclagem e reutilização de materiais que continuam o processo de poluição;
2. Elaborar uma biografia dos alimentos naturais e artificiais para melhor decisão do consumidor; A elaboração de uma biografia tem como objetivo elucidar o consumidor sobre a origem do produto, o seu processo de transformação, conservação, o consumo de agua e o respeito pela pegada ecológica em duas dimensões, a saúde e o ambiente;
3. Implementação de filtros em todas as atividades de transformação de produtos, orgânicos e não orgânicos; Por forma a evitar a poluição atmosférica com partículas facilmente inaláveis que geram doenças respiratórias, que se depõem e entranham nos solos, contaminando os veios freáticos, entrando desta forma no nosso ciclo de vida.

Aveiro

Escola Profissional de Viticultura e Enologia da Bairrada

1. Garantir uma percentagem de solo disponível (não impermeabilizado), sendo essa medida implementada pelas autarquias, tendo em conta que cada autarca deverá conhecer o seu território;
2. Aposta contínua na utilização de energias renováveis, em detrimento de energias fósseis;
3. Criação e divulgação de uma linha telefónica de alerta por freguesia ou Câmara Municipal, de modo que cada habitante possa denunciar situações maléficas para o ambiente, protegendo-o.

Aveiro

Escola Profissional Vasconcellos Lebre (Propriedade da Escola Profissional da Mealhada Ldª.)

Desistiu

Aveiro

Escola Secundária Adolfo Portela, Águeda

1. A melhoria das redes de comunicação dos transportes públicos, com recurso a verbas provenientes de taxas aplicadas à circulação dos veículos mais poluentes.
2. Divulgação e disseminação da produção em massa de etanol celulósico.
3. Estruturação de ruas inteligentes, aplicando três tecnologias: smog eating concrete; hybrid street light sun +wind+battery, BiosWales.

Aveiro

Escola Secundária de Albergaria-a-Velha

1. Educar a população no sentido de a incentivar a diminuir o consumo de produtos animais e sensibilizar a população para o uso de transportes públicos assim como optar pela aquisição de veículos menos poluentes.
2. Aumentar a promoção de hábitos ecológicos e sustentáveis do dia-a-dia de cada cidadão.
3. Promover ações que visam a proteção dos recursos florestais.

Aveiro

Escola Secundária de Estarreja

1. Redução do IMI para habitações com painéis solares e incentivos fiscais para as empresas produtoras desses painéis.
2. Declaração da pegada de GEE (gases com efeito de estufa) no rótulo dos produtos alimentícios, têxteis e de higiene durante a sua produção, criando-se um imposto a acrescentar ao preço do produto aquando da venda ao consumidor final para os produtos que envolverem mais GEE na sua produção.
3. Benefício fiscal para lojas de artigos têxteis em segunda mão.

Aveiro

Escola Secundária de Gafanha da Nazaré

1. Definir uma política ambiental.
2. Promover a dieta mediterrânica.
3. 3. Promover transportes alternativos ecológicos.

Aveiro

Escola Secundária de Oliveira do Bairro

1. Retomar as plataformas de vigilância florestal.
2. Delegar numa entidade estatal a fiscalização de sistemas de controlo de emissão de gases poluentes na indústria.
3. Aplicação de uma lei que estabeleça a utilização de detritos florestais por centrais de biomassa.

Aveiro

Escola Secundária de Vagos

1. Substituição do papel novo por papel reutilizável nas escolas e em todo o tipo de serviços, visto que a produção de papel promove a desflorestação, reduzindo a capacidade do meio ambiente em absorver o dióxido de carbono, um dos principais causadores do efeito estufa.
2. Promover a utilização de transportes públicos diminuindo o custo das viagens e aumentando as carreiras.
3. Incentivar à realização da reciclagem distribuindo ecopontos por todas as localidades de forma a responder às necessidades da população, bem como a colocação de pontos de reciclagem em espaços públicos.

Aveiro

Escola Secundária Homem Cristo, Aveiro

1. Continuar a apostar na divulgação de informação à população em geral das vantagens da utilização dos transportes totalmente eléctricos e melhorar as infraestruturas de apoio ao carregamento dos veículos.
2. Consolidação do aproveitamento dos desperdícios gerais da atividade humana.
3. Revitalização das florestas através do desenvolvimento de diversos projetos inovadores de ordenamento e reaproveitamento ecológico de todo o seu potencial.

Aveiro

Escola Secundária José Estevão, Aveiro

1. Excluir progressivamente do mercado os compostos de refrigeração hidrofluorocarbonetos e perfluorocarbonetos, introduzindo opções alternativas e atribuindo capital para investigação acerca dos compostos capazes de refrigeração com um menor potencial de aquecimento global.
2. Promover uma rede mais organizada e acessível de transportes ecológicos, através da construção de ciclovias com material fotocatalítico ou material reciclado.
3. Implementação / incrementação de sistemas de gestão e tratamento de resíduos, através de instalação de equipamentos em zonas estratégicas e acessíveis à população, como por exemplo, o sistema de taras retornáveis de garrafas de plástico, ecopontos e centros de compostagem.

Aveiro

Escola Secundária Marques de Castilho, Águeda

1. Aumentar as zonas das cidades onde é proibida a entrada de carros a diesel e em simultâneo proceder-se à redução dos preços dos transportes públicos, bem como à construção de mais ecopistas para bicicletas.
2. Tornar obrigatório o consumo de uma refeição vegetariana, saborosa e nutritiva, por semana nas cantinas escolares onde tal não exista e sensibilizar os jovens para a redução do consumo de carne bovina e suína.
3. Utilização de minas abandonadas como aterros sanitários.

Aveiro

Externato Luis de Camões

1. Energias renováveis formas de as tornar mais acessíveis.
2. Usos das redes sociais no combate ao aquecimento global.
3. Como tornar uma escola eficiente.

Aveiro

Centro de Educação Integral

1. Redução para 13% da taxa de IVA que incide sobre coletores solares térmicos, painéis fotovoltaicos, caldeiras de biomassa, pellets, briquetes e equipamentos similares.
2. Concessão de benefícios fiscais às empresas que utilizam materiais reciclados/reutilizados na sua produção, promovendo-se, assim, a Economia Circular.
3. Concessão de desconto na taxa de resíduos sólidos urbanos (aplicada pelas câmaras municipais) a quem entregue o lixo “separado” (compensando-se, assim, as famílias pela sua contenção na produção de resíduos), sendo que, os municípios poderão disponibilizar, por exemplo, ecopontos caseiros.

Aveiro

Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas

1. Mais incentivos, menos penalizações Propomos um modo de agir ecologicamente mais sustentável, através da concessão de incentivos fiscais a projetos empreendedores que apresentem produtos, serviços, conceitos e oportunidades de negócios com uma maior sustentabilidade ecológica arranjando fundos através de um maior rigor orçamental noutros ramos, para assim se poder implementar projetos sociais que visem à transição suave para o uso de coisas ecologicamente mais sustentáveis
2. Prevenir os incêndios e combater as suas causas Portugal tem um claro problema no que a incêndios florestais concerne. Propomos mais rigor na limpeza das matas, mais respeito pelos bombeiros, sensibilização mais proativa da população acerca dos comportamentos que podem desencadear os incêndios e mais dureza da justiça para quem ateia ou manda atear incêndios, bem como para aqueles que desviam verbas destinadas a combater e prevenir os incêndios ou para ajudar as vítimas dos mesmos.
3. Investir na vocação de Portugal para o mercado das energias renováveis Como bem se sabe, o nosso país, quer pela sua posição geográfica, pelo seu clima ou pela sua riqueza natural, tem reunidas excelentes condições para se afirmar no ramo das energias renováveis. Propomos incentivar o desenvolvimento do autocarro movido a hidrogénio e uma forma menos dispendiosa de obter hidrogénio para abastecimento de viaturas com célula de combustível.

Aveiro

Escola Básica e Secundária Coelho e Castro, Fiães, Santa Maria da Feira

1. Efetivação do aproveitamento dos gases libertados nos aterros sanitários para produção de energia.
2. Atribuição de prémios monetários às escolas, por cada tonelada recolhida, de papel, vidro e plástico, destinada à reciclagem.
3. Redução dos impostos aplicados na compra e na circulação de carros elétricos

Aveiro

Escola Básica e Secundária de Escariz, Arouca

1. Aumentar a produção de energias renováveis.
2. Aumentar a fiscalização da emissão de gases por parte das indústrias e atribuição de benefícios fiscais às industrias cumpridoras.
3. Promover o uso de veículos elétricos e de transportes coletivos.

Aveiro

Escola Básica e Secundária de Fajões, Oliveira de Azeméis

1. Reduzir o uso de papel (manuais, testes e apontamentos em suporte digital) fomentando a redução do abate de árvores e diminuindo o uso de toneres de impressora (o verdadeiro ouro negro com custo 7800 mais elevado do que o petróleo)
2. Definir quotas para a produção agropecuária, responsável por cerca de 18% da emissão de gases com efeito de estufa (já para não falar do consumo de água para produzir os cereais que alimentam os animais).
3. Um dia por semana sem carne nem peixe nas ementas escolares.

Aveiro

Escola Básica e Secundária Dr. Ferreira da Silva

1. Aumentar a rede de transportes públicos que servem a população local: requalificação da linha do Vouga; alargamento do circuito e dos horários dos autocarros; se viável, utilização bicicleta e/ou andar a pé.
2. Criação, pelo Governo, de medidas que promovam o aproveitamento da energia solar (fotovoltaico; colectores solares que aquecem as águas) nas escolas públicas.
3. Dinamizar campanhas de reeducação alimentar na comunidade educativa (professo-res, alunos, funcionários e encarregados de educação), no âmbito da sensibilização para os riscos do aquecimento global (ex. reduzir o consumo de carne/ criar outras ementas na cantina).

Aveiro

Escola Básica e Secundária Dr. Serafim Leite

1. Maior investimento nos setores da investigação científica, a partir de parcerias entre empresas de cariz tecnológico e Universidades, de forma a que os projetos provenientes da investigação possam ser testados e colocados em prática, massificando, assim, o uso das técnicas relacionadas com a sustentabilidade ambiental.
2. Investimento, gradual e generalizado, nos transportes públicos quer pela alteração do seu combustível, que deverá passar a ser proveniente de fontes renováveis (biocombustível, hidrogénio,…), substituindo, assim, de forma paulatina mas definitiva, os combustíveis fósseis, quer pela redução significativa dos preços desse tipo de transporte, apostando, também, na expansão e frequência dos seus percursos e no aumento do imposto sobre a circulação dos transportes particulares.
3. Implementação de um novo sistema de recolha de materiais plásticos para reciclagem, o "Plastic Recycle Machine", que se basearia na entrega de resíduos plásticos em troca de recompensas e incentivos dados aos seus utilizadores, com o propósito de serem usadas de forma habitual e significativa.

Aveiro

Escola Básica e Secundária Oliveira Júnior, São João da Madeira

1. Retoma do programa de incentivos fiscais de instalação de painéis solares, que se demonstrou bem sucedido em legislaturas passadas.
2. Criação de uma política pública nacional de reflorestação e de combate ao desflorestamento.
3. Intensificar a fiscalização das empresas e a atribuição de benefícios que reduzam a utilização de combustíveis fósseis.

Aveiro

Escola Secundária de Arouca

1. 1 - Promoção da utilização de veículos eléctricos e transportes Públicos.
2. 2 - Incentivo ao investimento privado para produção de energia fotovoltaica.
3. 3 - Taxar as actividades produtoras de carbono.

Aveiro

Escola Secundária de Santa Maria da Feira

1. Medida nº 1:Eliminação do regime Poluidor-Pagador, consagrado na Lei de Bases do Ambiente
2. Medida nº 2: Agravamento significativo das sanções para crimes ambientais e maior fiscalização
3. -

Aveiro

Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis

1. Gestão sustentável da criação de gado bovino, através de melhorias na sua alimentação e aumento do IVA sobre as carnes vermelhas.
2. Atribuição de benefícios/incentivos fiscais ou monetários às empresas que cumpram os limites legalmente estabelecidos para a emissão de gases poluentes.
3. Implementação de ecopontos inteligentes que convertam a matéria reciclada em cupões, mediante o seu peso

Aveiro

Escola Secundária João Silva Correia, São João da Madeira

1. Instalação de dispositivos mecânicos fotossintéticos em locais que se revelem de alta libertação de CO2 para a atmosfera (indústrias, centro comerciais, (…)) de modo a atenuar os níveis destes.
2. Aplicação de uma taxa/imposto (e consequente controlo em caso de inflação) a produtos que tenham na sua constituição óleo de palma para que estes se possam equiparar a nível de preços, a outros produtos mais amigas do ambiente e mais saudáveis.
3. Aplicação de uma taxa sobre produtos que tenham na sua constituição plástico ou por ele sejam envolvidos. Sendo esta última uma temática bastante problemática, levaria a que os consumidores procurassem soluções de mercado mais económicas.

Aveiro

Escola Secundária Soares Basto, Oliveira de Azeméis

1. Melhoria/renovação das redes de transportes públicos (comboio/metro). Pretende-se o alargamento das redes de metro para as periferias das grandes cidades aproveitando algumas vias férreas desactivadas, e também a reabilitação de linhas férreas desactivadas e esquecidas para levar os transportes públicos para cidades ou vilas de menor dimensão, do interior do país. Poder-se-ia pensar em concursos públicos nacionais e/ou internacionais para a sua renovação e exploração.
2. Incentivos ao transporte partilhado. Criação de incentivos financeiros através de legislação específica para a criação/exploração/ de empresas especializadas em transportes partilhados, com um sistema de incentivos à utilização de transportes eléctricos partilhados . Defende-se um sistema de recompensa por pontos que poderão transformar-se em descontos com a utilização do serviço.
3. Aposta nas energias renováveis em espaços públicos. Pretende-se a instalação de painéis solares fotovoltaicos/térmicos em futuras construções de edifícios públicos ou restauração de outros por forma a torná-los mais sustentáveis em termos energéticos.

Aveiro

33 Escolas elegem 99 deputados: 66 deputados efetivos + 33 suplentes

Beja

Agrupamento de Escolas de Aljustrel

1. Promover ações de sensibilização centradas em dois vetores, nomeadamente nos hábitos alimentares e outros tipos e consumo, com abordagens adequadas a diferente faixas etárias tendo ainda em conta o meio onde os destinatários se inserem.
2. Expansão da taxa a todos os produtos descartáveis, que atualmente apenas é aplicada a alguns tipos de plástico.
3. Agravar a taxa de Iva a todos aos produtos que são produzidos sem respeitar a normas ambientais ficando à responsabilidade da entidade estatal reguladora para o ambiente a avaliação e certificação dos produtos, através da emissão de um selo contendo uma simbologia que identifica o custo ambiental resultante da sua produção.

Beja

Centro Emprego e Formação Profissional de Beja

1. 1. Mês Verde Adotar estratégias de consumo sustentável.
2. 2. Energias renováveis em postos de abastecimentos e em iluminação pública Utilizar energias 100% renováveis no carregamento de carros elétricos e na iluminação.
3. 3. Eliminação de plásticos Eliminar embalagens de plástico nos produtos alimentares.

Beja

Colégio de Nossa Senhora da Graça

1. Redução do lixo abandonado no ambiente, através da colocação de contentores/postos de reciclagem em edifícios e espaços públicos, prédios, parques, etc.
2. Criação de entidades de limpeza de águas fluviais e marítimas, para recolha de detritos como o plástico.
3. Promoção e organização de programas de sensibilização da população e de voluntariado para limpeza de espaços públicos (por exemplo, nas praias).

Beja

Escola Básica e Secundária de Ourique, Ourique

1. 1. Lavar a roupa com água fria, e não quente, pode reduzir a emissão de gases de efeito de estufa até 15 vezes.
2. 2. Recuperar o gás metano em todos os aterros sanitários.
3. 3. Incentivar ao uso de técnicas limpas e avançadas na agricultura para evitar a emissão de carbono.

Beja

Escola Profissional Alsud

Desistiu

Beja

Escola Profissional de Cuba

1. Sensibilizar para as alterações climáticas, como uma janela de oportunidades para um novo caminho e para um futuro melhor. Criar/reforçar acordos Internacionais, metas, objetivos e legislação de forma a obrigar todos os cidadãos a criar novos hábitos e regras para proteger o Planeta.
2. Legislar para o incentivo/obrigação da prática de um Desenvolvimento Sustentável, através da diminuição do uso de combustíveis fosseis e no reforço de novas fontes de energia limpas.
3. Alterar a forma de mobilidade dos cidadãos, baseada em transportes públicos e conceber uma rede rodoviária e ferroviária mais eficiente e eficaz

Beja

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa

1. 1 – Incentivar a colocação de paneis fotovoltaicos para produção própria de energia.
2. 2 – Formar uma rede de transportes com horários flexíveis para redução do uso de viatura própria.
3. Incentivar a população a cumprir a regra dos 3R’s aplicando descontos em taxas municipais a quem as cumprir na íntegra.

Beja

Escola Profissional de Moura

1. Reduzir a desflorestação e reduzir a prática da agricultura intensiva, pois esta recorre ao uso abusivo de fertilizantes, que por sua vez vão destruir todo o subsolo e os lençóis freáticos. Esta prática de agricultura, nomeadamente o olival, faz com que milhares de espécies de aves desapareçam, sendo mesmo extintas, como é o caso do tordo.O nosso governo deveria e proibir esta, incentivando à prática da agricultura tradicional, melhorando os incentivos e criando mais linhas de financiamento.
2. Desde o dia 27 de outubro de 2018, que na administração púbica é proibido utilizar plástico descartável. Nesse sentido deveríamos incentivar os estabelecimentos comercias de todo o país, a utilizarem por exemplo copos comestíveis ou criados em material reciclado e talheres criados em material reutilizado e/ou reciclado. Este incentivo deveria ser implementado aquando da entrega do IRC, onde os estabelecimentos comercias teriam um dedução de 25% do valor apresentado.
3. Deveria existir uma disciplina de Educação Ambiental. Esta seria de frequência obrigatória em todos os níveis de ensino, contando para a média no ensino secundário. Os conteúdos programáticos deveriam incidir em trabalhos práticos tais como: limpeza de florestas; limpeza de praias e cursos de água, entre outros. Esta além de contar para a média dava aceso a um certificado em cada uma das ações em que se participa-se, para posteriormente serem colocados no Curriculum Vitae de cada aluno.

Beja

Escola Profissional de Odemira

1. 1. Incentivar empresas e famílias ecologicamente sustentáveis através de benefícios fiscais
2. 2. Implementar novos planos educativos que visem as questões ambientais
3. 3. Reduzir o uso de plástico em 60% até 2025

Beja

Escola Secundária D. Manuel I, Beja

1. 1. Alternativas para isolamento térmico das habitações.
2. 2. Proibição da utilização dos biocombustíveis nos combustíveis fósseis.
3. 3. Aumento dos impostos sobre a venda de automóveis com motores de combustão interna.

Beja

Escola Secundária de Castro Verde

1. No decurso do ensino secundário, todos os alunos deverão realizar um projeto de trabalho comunitário certificado, em prol do ambiente, no âmbito da Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania.
2. Criação de uma lei que estabeleça a forma de empacotamento dos produtos, a fim de abolir a utilização de embalagens que ultrapassem as necessidades básicas do seu acondicionamento.
3. Redução do IVA para a taxa reduzida para produtos bio e ecossustentáveis, a fim de incrementar a utilização desses produtos.

Beja

Escola Secundária de Serpa

1. Tornar mais estreita a relação público-privada em questões ambientais, numa medida de diálogo do Estado com as empresas, para adoção de atos sustentáveis e para o incentivo de boas práticas ambientais por parte dos consumidores.
2. Levar às escolas projetos educacionais no âmbito do ambiente, projetos estes já criados por ONGAs. Temos como principal objetivo promover uma educação contínua ao longo do tempo, não só através destas entidades como a inserção obrigatória deste tema nos planos escolares.
3. De modo a diminuir o uso e a produção de plástico: baixar a taxa do IVA a produtos a granel e aplicação de uma taxa adicional aplicável a produtos embalados com várias camadas de materiais plásticos.

Beja

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

1. Criação do Dia nacional da sustentabilidade O objetivo desse dia relembrar a importância da preservação do ambiente, através de um “choque” de informação/formação que seria disponibilizada nesse dia. As penalizações por faltar a esse dia não seriam monetárias, mas sim com implicações futuras, tais como a impossibilidade de ingresso na Administração Pública; maiores dificuldades em viajar para locais de ambientes protegidos e/ou até países com uma poluição muito elevada.
2. Como forma de combater os desertos de betão que a construção civíl provoca, propomos que os projetos incluam, obrigatoriamente, espaços verdes que, para além da sua dimensão estética, contribuam para combater o aquecimento global. Para isso, cada 20m2 de construção, implicará 1 m2 de espaço verde.
3. Esta medida visa combater as consequências provocadas pelas lixeiras a céu aberto e promover uma consciência mais ecológica. Consiste em fazer com que as pessoas selecionem o lixo, sendo-lhes pago por kilograma o lixo orgânico puro produzido. Para o efeito haverá pontos de recolha onde seja confirmada a sua autenticidade. Esse lixo seria reaproveitado com a sua incineração, de modo a produzir energia que permita a autonomia energética do país e a consequente redução dos combustíveis fósseis.

Beja

Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves, Odemira

1. Aposta incisiva no transporte ecológico (baixando impostos na aquisição/circulação para pessoas/empresas nos veículos ecológicos, além de descontos complementares, como redução de portagens, parques de estacionamento, etc.. Promover uma frota 100% ecológica nos transportes públicos (começando pelo Estado). Incentivar o uso dos transportes públicos, especialmente nas cidades, dotando-os de eficiência e horários adequados às necessidades da população, generalizando o os descontos dos passes.
2. Reduzir o desperdício alimentar (em particular o consumo excessivo de carne). A produção em regime intensivo de carne tem tido enormes impactos sobre o aquecimento global: quer pela libertação de metano proveniente dos animais, quer pela desflorestação que as necessidades de rações em grande escala têm potenciado. Além disto estes excessos têm impactos sobre a saúde humana com enormes custos também para os cofres do Estado, pelo que importa fomentar hábitos saudáveis.
3. Apoiar de forma mais eficiente a “reflorestação inteligente” do nosso território. Com efeito, importa privilegiar as espécies nativas, mais resistentes ao fogo e, portanto, menos igniscíveis, contrariando as políticas anteriores que fomentavam a aparecimento de espécies invasoras e altamente inflamáveis de rendimento mais imediato (especialmente o eucalipto), nomeadamente através de benefícios fiscais sobre as pessoas e sobre as empresas que as implementem/adoptem.

Beja

13 Escolas elegem 52 deputados: 39 deputados efetivos + 13 suplentes

Braga

Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco, Vila Nova de Famalicão

1. Criação de uma quota mínima progressiva de reciclagem a nível municipal. Os municípios que atingissem esta quota seriam premiados com um selo de município “amigo do ambiente” que lhes fornecia uma vantagem percentual na candidatura para fundos europeus na área do ambiente, com o objetivo de incentivar uma recolha de lixo mais sustentável e dinâmica.
2. Implementação de sistemas de utilização de garrafas reutilizáveis, podendo ser enchidas di-retamente dos bebedouros com água filtrada ou de máquinas criadas com esse intuito
3. Criação de apoios financeiros ao desenvolvimento da agricultura celular, que seriam atri-buídos com o cumprimento de certas metas, tendo como principais objetivos aumentar a possibilidade de compra por parte da população, reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, reduzir a morte de animais, tais como vacas e galinhas, reduzir a quantidade de água usada e a quantidade de solo utilizado.

Braga

Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda

1. Transportes escolares elétricos e apoio à compra de carros elétricos – As Autarquias terão o papel ativo, subsidiando a compra de transportes elétricos, sendo que o subsídio seria indexado à diferença de contaminação entre o novo veículo e as emissões de gases estufa do anterior. O objetivo é a alteração do parque automóvel, sendo fundamental o investimento das Autarquias no desenvolvimento de campanhas.
2. Notas informativas de incentivo ao baixo consumo nas faturas - Em função dos consumos mensais, as notas nas faturas de luz/água/gás poderiam ser uma forma eficaz de alertar o consumidor, premiando bons consumos e penalizando os excessivos. Por exemplo, em caso de consumo excessivo, “Se todas as famílias apresentassem este consumo seriam necessários 3 planetas para satisfazer as necessidades de todos os habitantes.” Por outro lado, sugeririam uma solução prática para esta questão.
3. Programas de apoio à conversão de resíduos orgânicos em adubos naturais - A criação de centros de recolha de resíduos orgânicos nas freguesias permitiria a transformação em adubos orgânicos e a sua distribuição pelas explorações agrícolas. Esta recolha seria dinamizada pela Junta de Freguesia, com uma maior proximidade com os munícipes. De modo a incentivar a participação nesta iniciativa seriam atribuídos prémios (ex. descontos nos impostos autárquicos).

Braga

Agrupamento de Escolas Padre Benjamim Salgado, Vila Nova de Famalicão

1. Instalação de painéis fotovoltaicos nos telhados de todos os edifícios escolares para a produção e consumo de uma fonte de energia limpa e sustentável assim como também a implementação de cariz obrigatório do uso de papel reutilizável nas reprografias com o objetivo de diminuir a desflorestação
2. Instalação de pontos de água nas escolas para os alunos encherem garrafas ecológicas que lhes serão entregues no início da escolaridade básica. Garrafas que poderão ser personalizadas pelos alunos e alvo de um concurso.
3. Plantação de árvores de fruto nos espaços escolares e criação de estufas (se houver possibilidade no recinto escolar) para fornecimento de fruta fresca e da época ao bar e cantina e, simultaneamente, estudos periódicos para identificação das maiores fontes de poluição em cada concelho, para assim tomar medidas mais específicas e com maior impacte para a redução da poluição.

Braga

Colégio do Ave

1. Redução dos encargos fiscais para as empresas de construção civil que transformarem e reutilizem as lamas (contaminadas) extraídas das minas, como alternativa ao cimento.
2. Incentivar a plantação de árvores de espécies autóctones através da redução do IMI, em terrenos rurais privados.
3. Mudar mentalidades pela educação. Promover o ensino dos mais jovens, sendo eles os adultos do futuro, sensibilizando igualmente adultos e idosos.

Braga

Cooperativa de Ensino "Didáxis"

1. Recolha porta a porta de resíduos separados.
2. Promover um menor consumo de carne e de produtos de origem animal.
3. Substituir o papel pelo digital.

Braga

Escola Básica de Vale D Este, Viatodos, Barcelos

1. Incentivar a utilização dos transportes públicos através de: penalização do custo do estacionamento individual, aumento da eficácia da rede de transportes, proibição da circulação autmóvel, pagamento dos transportes públicos (fim de semana) com garrafas de plástico, especialemnte estudantes e jovens e sensibilização das autoridades públicas para a utilização dos transportes públicos.
2. Incentivos fiscais para casas autosuficientes em termos de energias renováveis
3. Proibição de venda de eletrodomésticos de classe inferior a B

Braga

Escola Básica e Secundária de Cabeceiras de Basto

1. 1ª Obrigatoriedade de se fazer a reciclagem num processo faseado em diferentes dias da semana. Nesses dias o lixo deve ser colocado à porta de casa ou em pontos específicos (em contentores adequados) para a sua recolha. Quem não o fizer sujeita-se ao pagamento de uma multa significativa
2. 2ª Apoio à renovação da frota de mercadorias e transportes públicos, passando a ser 100% ecológicos (que não sejam nocivos para o ambiente).
3. 3ª Promoção ao consumo de produtos com baixa pegada ecológica.

Braga

Escola Básica e Secundária de Celorico de Basto

1. 1. Reutilização das garrafas de água substituindo, nas Escolas e no dia a dia, as garrafas plásticas por garrafas de longa duração que seriam fornecidas pela própria Escola e abastecidas com água da companhia. A utilização de garrafas plásticas obrigaria à sua reciclagem seletiva.
2. 2. Renovação: uma aposta na criação real de, políticas de incentivo e apoio à implementação de sistemas domésticos e para pequenas empresas que permitam a utilização de energias renováveis e permitam aos cidadãos prescindir da energia fornecida pelas redes de distribuição.
3. 3. Redução do consumo de produtos vegetais ou animais que produzam uma maior quantidade de metano, como por exemplo as carnes vermelhas e o arroz.

Braga

Escola Básica e Secundária de Vila Cova, Barcelos

1. Transformar o lixo empresarial no sistema reciclável de energia para iluminar a empresa e o seu aquecimento.
2. Controlo florestal eletronicamente eficiente e estrategicamente posicionado.
3. Classificação energética sustentável de imóveis, mediante a aplicação de incentivos fiscais dedutíveis, IVA, IRS, IMI e IRC, para maior eficiência energética e respeito ambiental.

Braga

Escola Básica e Secundária Santos Simões, Guimarães

1. Diminuição da carga fiscal para empresas que possuam veículos elétricos ou híbridos, que usem energias renováveis.
2. Diminuição da produção animal/uso de gás metano como fonte de energia.
3. Criação de parques de estacionamento gratuitos nas principais entradas do centro da cidade, promovendo o uso de transportes públicos, não motorizados e o “andar a pé” (melhorar a rede de transportes públicos, recorrendo a biocombustíveis, mais baratos e estacionamentos mais caros no centro da cidade). Green Friday/Dia sem carros.

Braga

Escola Básica e Secundária Vieira de Araújo, Vieira do Minho

1. Progressiva erradicação dos veículos a combustão com energia fóssil, tendo um prazo máximo de 10 anos para o seu término, sendo apenas autorizado a circulação de veículos híbridos ou elétricos depois desse período.
2. Reduzir de forma progressiva a produção de eletricidade proveniente de energias altamente poluentes, como o carvão e outras, principal responsável pela emissão de CO2 na atmosfera, prevendo-se a desativação das centrais térmicas de produção elétrica a carvão como a central de Sines, num espaço de tempo máximo de 10 anos
3. Aposta decisiva e determinada na criação de parques de estacionamento gratuitos à entrada dos grandes centros urbanos, medida acompanhada de transportes públicos de qualidade, seja coletivo ou individual.

Braga

Escola Cooperativa de Vale - S. Cosme

1. 1.Alargamento da rede de transportes públicos, coligada à conversão dos mesmos para combustíveis alternativos (energias limpas), bem como a disponibilização, em pontos estratégicos dos centros urbanos, de mais bicicletas e trotinetes elétricas para uso da população;
2. 2.Maior rentabilização dos aterros sanitários, através da extração e canalização do metano libertado pelos resíduos depositados, formando o biometano (enorme potencial energético).
3. 3.Substituição da rede pública de iluminação, procedendo-se á implementação de lâmpadas Led com um painel fotovoltaico no topo das mesmas, visando um aproveitamento da luz solar durante o dia para o funcionamento das mesmas durante a noite.

Braga

Escola Profissional Amar Terra Verde

1. Investir em contentores do lixo, que contenham um sistema de identificação para que detetem os resíduos pertencentes ao ecoponto devido, e assim ajudar e ensinar a fazer a separação correta. Simultaneamente, estes mesmos contentores poderiam estar ligados a uma aplicação gratuita, em que a correta separação fosse premiada com créditos que poderiam ser transformados em benefícios fiscais.
2. Reduzir o uso do ar condicionado e incentivar ao uso da película ecológica. Numa primeira fase seria implementada em edifícios públicos (o estado como pessoa de boa fé deve dar o exemplo) e posteriormente alargar a todas as construções com carácter de obrigatoriedade. Dependendo dos metros quadrados necessários a película consegue manter uma temperatura estável de 20°C numa determinada área, quer em períodos quentes como em períodos frios.
3. Reutilizar as folhas das árvores, caídas e secas no chão, compactá-las e reutilizá-las nas lareiras em substituição das tradicionais canhotas que implicam o corte de árvores. Com isto combatemos a desflorestação e as queimadas. Paralelamente a esta medida propomos a obrigatoriedade, através da distribuição gratuita, da colocação de filtros em todas as chaminés.

Braga

Escola Profissional Bento de Jesus Caraça (Deleg.)

Desistiu

Braga

Escola Profissional CIOR

1. Incentivar a Reflorestação Portugal ocupa uma posição geográfica que o torna vulnerável às alterações climáticas, assim é fundamental repensar a floresta e a assimetria interior-litoral. As florestas têm um papel importante na absorção do carbono que é libertado na atmosfera. É necessário tornar a floresta mais adequada aos solos e clima futuros, mas também é preciso que haja pessoas para cuidar dela, daí a importância do combate à desertificação humana do interior.
2. Uma mobilidade urbana mais amiga do ambiente É necessário evitar os veículos a combustão nas cidades. Mas para isso é essencial um sistema de transporte público que seja eficaz e acessível economicamente. É também fundamental reforçar o investimento em ciclovias, e torná-las como vias prioritárias para uma utilização diária, criar uma rede de bicicletas partilhadas e gratuitas. Além do mais, é necessário fechar ruas ao trânsito, tornando-as pedonais e apostar na valência elétrica.
3. Uma maior aposta nas energias renováveis As energias renováveis são uma das soluções para um menor uso dos combustíveis fósseis. No entanto, neste momento, Portugal garante metade da sua produção energética a partir de fontes renováveis. Por isso, é necessário criar incentivos à sua utilização, nomeadamente à energia solar, e melhorar a legislação, como por exemplo estabelecer regras para situações em regime de condomínio.

Braga

Escola Profissional CISAVE- Associação Comercial e Industrial de Guimarães

1. Utilização de dióxido de carbono (CO2) recolhido nas industrias, como matéria – prima para a produção de materiais úteis, contribuindo assim, para o combate ao excesso de CO2 responsável pelo aquecimento global.
2. Substituição obrigatória das embalagens de plástico (Ex: garrafas, embalagens alimentares, palhinhas, etc) por embalagens biodegradáveis fabricadas, por exemplo, através de algas mortas encontradas nas praias, diminuindo assim os custos das empresas na fabricação das embalagens e a emissão de gases de efeito de estufa.
3. Substituição do uso de papel nas escolas (a partir do 3º ciclo) pelo uso de aparelhos informáticos, como por exemplo, tablets/computadores. Cada aluno teria acesso a um caderno digital através de uma plataforma informática, onde poderia fazer todas as suas anotações sem ter de recorrer ao uso do papel.

Braga

Escola Profissional de Esposende

1. Melhoria nos transportes públicos e mais ciclovias nas cidades.
2. Criação de postos/centrais de reciclagem.
3. Maior aposta nas energias renováveis.

Braga

Escola Profissional de Tecnologia e Gestão de Barcelos

1. Conferir as emissões de gases das empresas de produção.
2. Atribuição de vales monetários/prémios, pelas Câmaras Municipais/Juntas de Freguesias, pela quantidade de resíduos reciclados.
3. Reflorestar e ajardinar as localidades.

Braga

Escola Profissional Profitecla (Deleg.)

1. Iniciar a desplastificação na área hoteleira, com incentivos às multiplas áreas do setor.
2. Fomentar o transporte coletivo nas áreas de escolas e unidades fabris. Reduzindo a emissão dos índices poluentes e o tempo de espera nas estradas.
3. Legislar no sentido de regular o consumo de eletricidade, diminuindo os operadores no mercado e fixando as tabelas de preços.

Braga

Escola Profissional Profitecla (Deleg.)

1. Reduzir os valores dos passes mensais e da bilhética dos transportes públicos ou até torná-los gratuitos, devendo estes utilizar combustíveis ecológicos e menos poluentes (ex: hidrogénio); para que os cidadãos tenham a possibilidade de optar pelo seu uso ao invés do uso de um transporte individual, com o objetivo de diminuir a poluição do ar e o congestionamento do trânsito nas áreas urbanas, bem como permitir uma reaproximação dos cidadãos das periferias aos centros das cidades.
2. Promover ações de sensibilização nas escolas e nos vários movimentos associativos da sociedade civil, contra a poluição dos mares, através de boas práticas, como: o anúncio de campanhas publicitárias nos media, de recolha e de combate ao uso do plástico e outros detritos, que degradam a nossa costa marinha; a criação de plataformas digitais que denunciem situações de poluição dos mares por parte de cidadãos ou empresas, incentivos a empresas de limpeza ambiental, através de benefícios fiscais...
3. Isenção da taxa de resíduos sólidos na fatura da água, devendo os municípios promover uma discriminação positiva dos cidadãos que realizem a separação de resíduos, ao diligenciarem através das empresas de gestão de resíduos uma recolha seletiva de lixo em diferentes dias da semana. Esta bonificação poderá ser voluntária a princípio e, no futuro, obrigatória para todos os cidadãos que, em caso de incumprimento, devem ser penalizados e sancionados, com base na lógica de Poluidor-pagador.

Braga

Escola Secundária Alberto Sampaio, Braga

1. Recuperação do gás metano em aterros sanitários, seguida da reflorestação dessas zonas.
2. Maximização das energias renováveis, principalmente as energias solar e eólica.
3. Realização de projetos de consciencialização, nomeadamente incidindo sobre alunos do ensino básico, de forma a alertar sobre o meio ambiente, sendo uma maneira de alertar as gerações futuras.

Braga

Escola Secundária Alcaides de Faria, Barcelos

1. 1. Melhorar e sustentar a mobilidade - Investir em modos de transporte coletivos e sustentáveis através do incremento de meios movidos a energias alternativas. A escola terá de cultivar esta exigência como um ato de cidadania, funcionando como pressão junto dos poderes governamentais, tanto a nível nacional como local.
2. 2. Educar para agir pela floresta - instruir para a necessidade de reflorestar com espécies autóctones através de intervenções práticas das escolas em conjugação com medidas a adotar pelo poder autárquico (município e freguesias)
3. 3. Recolher para reciclar - Alertar para a urgente necessidade de colocação de pontos de recolha diferenciada de resíduos nas escolas, bem como a criação de centros de compostagem dinamizados pelos alunos.

Braga

Escola Secundária Carlos Amarante, Braga

1. Utilização do desperdício alimentar à escala comercial para a produção de energia de biomassa e utilização do biogás, biometano, subprodutos deste meio de produção de energia, como combustível.
2. Taxar empresas que prejudiquem o desenvolvimento sustentável, de modo a investir em empresas start-up ecológicas ou numa organização de sensibilização da população no âmbito das alterações climáticas.
3. Alterar os hábitos de consumo (reduzir a produção de carne e de produtos nocivos para o ambiente).

Braga

Escola Secundária de Barcelinhos, Barcelos

1. Incluir Sistema de Pfand nos minimercados locais e lojas de proximidade, ou seja desconto do dinheiro recebido pela reciclagem do plástico para as compras pessoais nos minimercados e lojas de proximidade (benefícios fiscais aos minimercados e lojas de proximidade (fomentando sempre o comércio local).
2. Instituir os produtos ecologicamente sustentáveis a 6% de IVA e estabelecer a facilidade no crédito ao automóvel elétrico.
3. Aumentar as exigências de proteção ambiental nas empresas, especialmente localizadas nos leitos dos rios, como por exemplo a substituição do eucalipto por cânhamo na produção de pasta de papel e a proibição do glifosato na produção vegetal.

Braga

Escola Secundária de Barcelos

1. Isenção ou redução do IVA sobre o papel reciclado e utilização do mesmo em serviços públicos: administrativos, governamentais e de educação.
2. Investimento governamental em transportes públicos não poluentes e diminuição de taxas alfandegárias e IVA em barcos elétricos.
3. Reforçar as autoridades competentes para a fiscalização da aplicação do Acordo de Paris em empresas portuguesas.

Braga

Escola Secundária de Caldas das Taipas, Guimarães

1. 1. Tornar os transportes públicos economicamente e socialmente mais acessíveis + alargamento dos horários
2. 2. Consciencializar para as atividades que contribuem ou não para as alterações climáticas (alimentação + pegada ecológica).
3. 3. Utilização de “títulos-verdes” como ajuda ao combate das alterações climáticas por parte de empresas ou governos.

Braga

Escola Secundária de Caldas de Vizela, Vizela

1. 1. Estabelecer a obrigatoriedade de inclusão de dois dias de dieta exclusivamente vegetariana em todas as cantinas de serviços públicos, (escolas, hospitais, Assembleia da República, etc.) de modo a promover a diminuição do consumo de carne.
2. 2. Incentivar a aquisição de carros movidos a energias não poluentes (elétricos) reduzindo a taxa de IUC em 80% nos primeiros 5 anos, em 50% nos 5 anos subsequentes momento a partir do qual se compensaria até ao total de 0% de redução a um ritmo de redução de 10% por cada ano.
3. 3. Promover a plantação de espécies arbóreas autóctones com a colaboração de voluntários, de modo a reflorestar grandes áreas do país, de forma ordenada e mediante planificação ajustada a cada situação específica, a fim de evitar a propagação de incêndios no futuro.

Braga

Escola Secundária de Fafe

1. 1. Ser obrigatório instalar painéis solares fotovoltaicos nas novas infraestruturas e definir/atribuir benefícios fiscais (redução do IMI, por exemplo) para quem instalar em infraestruturas já existentes.
2. 2. Definir e impor um coeficiente entre a área construída e áreas verdes.
3. 3. Incentivar à reciclagem e à reutilização dos materiais plásticos promovendo a economia circular

Braga

Escola Secundária de Maximinos, Braga

1. Extração de gás metano de aterros sanitários a fim de gerar gás natural renovável. O gás metano resultante da decomposição do lixo é devidamente recuperado e transformado em biometano. Dessa forma, evita-se a simples queima do lixo e a emissão de gases nocivos à atmosfera, obtendo ao término do processo um gás com amplo potencial energético. O biometano gerado é adicionado a gás natural e comercializado como gás natural renovável.
2. Com o propósito de diminuir a quantidade de CO2 na atmosfera, propomos o investimento na energia das ondas do mar. Uma energia 100% limpa e sustentável, pois temos sempre ondas e não será necessário o uso de combustíveis fósseis. A energia das ondas do mar encontra-se ainda em fase de estudo e, daí, com pouca aplicabilidade. Contudo, os avanços tecnológicos e um investimento à altura permitirá o seu aperfeiçoamento e uso em vários sistemas geradores de energia, diminuindo assim a emissão de CO2.
3. Também relacionada com a diminuição de CO2, esta medida aplica-se essencialmente no setor da agricultura e agropecuária, através de incentivos para a agricultura biológica, de forma a reduzir a quantidade deste elemento (CO2) no solo e, por conseguinte, da sua libertação para a atmosfera (já para não falar dos benefícios na saúde e no meio ambiente proveniente deste meio de cultivo).

Braga

Escola Secundária de Póvoa de Lanhoso

1. Reduzir o consumo de papel na escola e apostar nas plataformas digitais para a prática pedagógica (através da utilização dos ebooks, realização de testes no moodle ou outras plataformas semelhantes e de fichas de trabalho recorrendo ao Kahoot)e inserir no orçamento escolar uma verba para aquisição de papel reciclado, uma vez que é reconhecida por todos a importância das florestas na captação do CO2 atmosférico.
2. Promover a reciclagem no concelho, através da aplicação de um sistema de pontos que se transformariam em descontos em diferentes infraestruturas de cultura, lazer, restauração, comércio, promovendo a aquisição de produtos da região por exemplo no mercado local, tudo isto sustentado num conjunto de parcerias entre as entidades locais e a(s) empresa(s) de reciclagem.
3. Implementar campanhas de sensibilização da comunidade escolar para a importância da redução do consumo de carne (nomeadamente carne vermelha) devido ao impacto que a sua produção tem na emissão de GEE, com base na introdução de uma refeição equilibrada e completa na ementa escolar sem recorrer à carne e promovendo workshops e palestras com nutricionistas e outros especialistas sobre este tema.

Braga

Escola Secundária de Vila Verde

Desistiu

Braga

Escola Secundária Sá de Miranda, Braga

1. Reduzir a circulação automóvel através da cobrança de taxas em função das respetivas zonas e do impedimento aos veículos mais poluidores de circularem nos centros das cidades. Recompensar a utilização dos transportes públicos através do subsídio dos passes (autocarro, metro e comboio).
2. Relocalizar as pessoas em eco-aldeias, articulando o povoamento do interior com a vida ecologicamente sustentável. Incentivos fiscais para as empresas que promovam a revitalização do território local e para as pessoas que optem por restaurar atividades amigas do ambiente, como a agricultura camponesa; o artesanato; as atividades culturais, o desporto, o turismo etc.
3. Reencontrar o sentido do limite através de um programa educativo que promova a vida simples e trabalhe alternativas ao crescimento ilimitado. Mostrando que é possível uma nova lógica e uma orientação diferente, de maneira a reduzir os desperdícios, a reduzir o consumo e a reduzir a energia.

Braga

Esprominho - Escola Profissional do Minho (Sede)

1. Transportes públicos gratuitos, movidos a eletricidade, de forma a minimizar a poluição.
2. Reconversão energética duradoura, económica e fiável, que tenha por base os recursos renováveis.
3. Educar para o consumo responsável.

Braga

Externato "Delfim Ferreira"

1. Criação de meios/recursos para a fixação da população no interior, pelo poder político nacional e local. O atual estilo de vida da população tem causado sérios danos para os mares e oceanos do planeta. Com esta medida pretende-se favorecer a descentralização da população para interior evitando a sua concentração no litoral, o que cria um uso excessivo de energia/recursos na satisfação das necessidades. Contrariar esta tendência evita melhora as condições de vida nas cidades menos populosas.
2. Incentivos à produção individual de cada cidadão/família/unidade de produção industrial e comercial de energia para autoconsumo. Condições de isenção e redução de impostos para aqueles pessoas coletivas e ou individuais/cidadãos que investam na produção de energias renováveis (eólica, e solar). Tal medida, impede a exploração e controlo dos rios com albufeiras, facto que deteriora a qualidade da água que chega aos oceanos e tem um imenso impacto ambiental.
3. Através de legislação, estabelecer coimas e sanções muito severas (aplicadas pelos municípios e polícias ambientais) para quem polui e com as receitas daí resultantes, criar mecanismos e angariar recursos para uma polícia ambiental municipal, fiscalizadora, interventiva e assertiva. Um maior controlo ambiental pode mudar significativamente o estado atual das coisas, revertendo-se o aquecimento global e acabando com o sentimento de impunidade dos prevaricadores/poluidores.

Braga

Externato "Infante D. Henrique"

1. Implementação de uma medida, que obrigue a alternância na circulação dos transportes dependendo se estes têm matrículas pares ou ímpares, com o objetivo de promover a utilização dos transportes públicos
2. Criação de um imposto sobre os produtos de consumo proporcional ao impacto ambiental que provocam, de tal modo que, por exemplo a carne bovina aumentaria de preço e os carros elétricos diminuiriam de preço por se tratar de produtos menos poluentes;
3. Fomentação da produção de roupa sustentável e divulgação da mesma.

Braga

33 Escolas elegem 99 deputados: 66 deputados efetivos + 33 suplentes

Bragança

Escola Básica e Secundária D. Afonso III, Vinhais

1. Apoio para a construção de micro-empresas num mercado especializado de produtos orgânicos nacionais e promovendo a divulgação do seu consumo e diminuição de custo.
2. Aumentar a investigação e inovação tecnológica com o objetivo de reduzir a emissão de gases com efeito de estufa.
3. Alertar a sociedade para os impactos que advêm das alterações climáticas, aplicando elevadas sanções nas indústrias poluentes e abordando sistematicamente estes assuntos na comunicação social.

Bragança

Escola Básica e Secundária de Alfândega da Fé

1. Adoção de políticas locais e nacionais, mecanismos de planeamento e financeiros que promovam a mitigação e a adaptação às alterações climáticas.
2. Implementação de medidas para a melhoria e fiscalização do desempenho ambiental, nomeadamente, mas não exclusivamente, dos sistemas de tratamento de resíduos industriais.
3. Reforçar a agricultura e floresta enquanto atores importantes para a proteção do solo e da água, melhorando a gestão integrada dos recursos

Bragança

Escola Básica e Secundária de Carrazeda de Ansiães

1. 1. Aumentar os benefícios fiscais para quem comprar carros elétricos ou híbridos, pois assim reduzir-se-á a poluição atmosférica significativamente.
2. 2. Promover a construção de ecopistas nas vilas e cidades, incentivando as pessoas e não usar o carro para pequenos trajetos, pois assim seria uma maneira de limitar as emissões de CO2 para a atmosfera, controlando o efeito de estufa.
3. 3. Aumentar os benefícios fiscais para a compra e/ou instalação de painéis fotovoltáicos em casas e apartamentos de modo a promover outro tipo de energia. Recorria-se assim à energia eólica, dado que Portugal já se mostrou auto-suficiente em relação á produção e gosto dessa energia.

Bragança

Escola Básica e Secundária de Miranda do Douro

1. Descentralização de serviços e indústrias do litoral/grandes cidades para o interior.
2. Construir parques de estacionamento de automóveis nos limites exteriores das grandes cidades.
3. Propomos apenas duas medidas.

Bragança

Escola Básica e Secundária de Vila Flor

1. Implementação de painéis solares em edifícios públicos e financiamento dos mesmos em edifícios privados.
2. Conversão dos terrenos baldios, abandonados e/ou sem aptidão agrícola, em áreas florestais, através do fornecimento de árvores por parte do Estado.
3. Criação de uma rede integrada de postos de carregamento de carros elétricos em todos os municípios.

Bragança

Escola Básica e Secundária Dr. Ramiro Salgado, Torre de Moncorvo

Desistiu

Bragança

Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Carvalhais, Mirandela

1. 1. Controlo na venda de água engarrafada nas escolas, garantindo a qualidade da água canalizada.
2. 2. Evitar a lavragem excessiva do solo, promovendo outros tipos de mobilização do mesmo.
3. 3.Recuperação da água da chuva para a realização de regas. Nota

Bragança

Escola Profissional Prática Universal de Bragança

1. Instalação de painéis solares em todas as escolas, universidades e outras instituições públicas (hospitais, centros de saúde) do país.
2. Aplicação de multas aos países que não cumpram os acordos para reverter o aquecimento global.
3. Mais incentivo dos governos de cada país para a aquisição de automóveis elétricos/híbridos.

Bragança

Escola Secundária Abade de Baçal, Bragança

Desistiu

Bragança

Escola Secundária Emídio Garcia, Bragança

1. Como a escola é o último suporte de origem e fim coletivos, capaz de passar uma mensagem unificadora desde que pertinente, propomos que nos currículos das disciplinas se procure atingir uma maior literacia científica, nomeadamente à volta do tema das alterações climáticas. Como a teoria associada à prática quotidiana tem um outro valor no processo da aprendizagem, propomos que, nas cantinas escolares, seja sempre disponibilizado um segundo menu, este de natureza vegetariana ou então vegana.
2. Considerando que nas opções em termos de infraestruturas de transportes preteriu-se as alternativas ferroviárias em relação às rodoviárias;que o transporte coletivo tem sido mal administrado, sendo substituído pelo transporte próprio; que a utilização nos automóveis de combustíveis fósseis constituiu uma escolha dos decisores políticos; Propomos que volte a haver investimento nas ferrovias, que os transportes públicos sejam fomentados e que a compra de carro elétrico seja facilitada pelo Estado.
3. Levando em conta que a utilização de energias fósseis contribui decisivamente para o aquecimento global, sugere-se que Portugal volte a apostar na produção e desenvolvimento das energias alternativas, incentivando-se a compra por parte dos particulares e dos empresários, através de comparticipação estatal, de formas novas e saudáveis de abastecimento energético.

Bragança

Escola Secundária Miguel Torga, Bragança

1. Incentivar e promover a reflorestação nas áreas afetadas pelos incêndios, com o objetivo de criar zonas de resistência à propagação de incêndios florestais, que amenizem o clima e protejam a paisagem, a água e os solos. Apostar na vigilância e limpeza, bem como em campanhas de sensibilização.
2. Promover a educação ambiental, implementando normas/regras de regulamentação, incentivando o recurso à reciclagem, disponibilizando, por exemplo, mais ecopontos. Reverter o consumo, utilizando novos materiais em substituição do plástico, nomeadamente na indústria alimentar.
3. Diminuir os níveis de poluição, implementando o uso de energias renováveis, tais como: a solar, a hídrica, a eólica e a geotérmica, promovendo a construção de casas ecológicas, autossustentáveis.

Bragança

9 Escolas elegem 45 deputados: 36 deputados efetivos + 9 suplentes

Castelo Branco

Agrupamento de Escolas Nuno Álvares, Castelo Branco

1. Redução no IUC e ISV na ordem dos 35% para entidades particulares e/ou coletivas na posse de carros a célula de combustível a hidrogénio.
2. Eletrificação total da rede ferroviária nacional e modernização das condições de transporte de passageiros e de circulação de comboios de mercadorias nesta.
3. Incentivos fiscais à criação de centrais de macrogeração fotovoltaica e heliotérmica.

Castelo Branco

Escola Básica e Secundária de Alcains, Castelo Branco

Desistiu

Castelo Branco

Escola Básica e Secundária do Centro de Portugal, Vila de Rei

1. 1. Criar postos de carregamento de carros elétricos em todos os municípios.
2. 2. Implementar campanhas de sensibilização à população para o menor consumo de carne de vaca.
3. 3. Criar legislação que promova a construção, requalificação de edifícios públicos em edifícios verdes.

Castelo Branco

Escola Básica e Secundária Padre António de Andrade, Oleiros

1. Diminuir a produção de CO2 e aumentar a colheita de CO2: criar um diploma que catalogue as empresas poluentes e que atribua benefícios fiscais às menos poluentes.
2. Conversão de CO2. As empresas no ramo da celulose/ silvicultura terão de compensar com a reflorestação. Cada empresa deve plantar 50 % das árvores cortadas sendo estas autóctones.
3. Incentivar o uso de carros elétricos. Criar um diploma que no período de 5 anos torne obrigatório um posto de abastecimento elétrico a cada 300 quilómetros, abrangendo todo o país. O estado deveria contribuir com benefícios fiscais para que fosse acessível a todas as pessoas.

Castelo Branco

Escola Básica e Secundária Pedro Álvares Cabral, Belmonte

1. Redução do tráfego automóvel, incentivando o uso de transportes públicos, através da redução das tarifas dos passes, aumento das taxas de estacionamento e atribuição de benefícios fiscais para quem adquirir carros com baixa emissão de gases poluentes.
2. Criação de espaços verdes nos grandes espaços urbanísticos de forma a reduzir a pressão urbanística e o teor de CO2.
3. Incentivo à redução da utilização de plástico, quer aplicando taxas a produtos embalados/conservados, quer implementando postos de recolha com bonificação monetária ou outra.

Castelo Branco

Escola Básica e Secundária Pedro da Fonseca, Proença-a-Nova

1. Criação de novos tipos de ecopontos, mais eficazes e inteligentes, que tragam incentivos reais às famílias, de forma a criar na população a fidelização à reciclagem.
2. Medidas urbanísticas. Cidades modernas, com edifícios verdes, ruas inteligentes e empresas amigas do ambiente.
3. Aumentar progressivamente o uso de energias renováveis, se possível, até à sua exclusividade. Premiar os países mais inovadores e eficientes neste campo. Criação de mecanismos europeus eficazes no apoio aos países mais poluentes com vista à mudança.

Castelo Branco

Escola Básica e Secundária Ribeiro Sanches, Penamacor

Desistiu

Castelo Branco

Escola Profissional Agrícola Quinta da Lageosa, Aldeia do Souto, Covilhã

1. Incentivar os agricultores nacionais à prática da agricultura biológica. A adoção deste tipo de técnica de baixo impacto ambiental, contribui para preservação dos recursos naturais, não degradando a qualidade do ar nem das águas.
2. Estimular o uso do sistema de rega gota a gota. Este sistema permite fornecer às plantas a água mínima necessária, efetuando essa rega de forma localizada e durante o período noturno.
3. O Ministério da Educação deve fornecer aos alunos de todas as escolas uma garrafa feita de materiais reciclados. As escolas devem ter locais onde os alunos possam encher estas garrafas com água para consumo próprio, evitando assim a elevada quantidade de lixo plástico que é desperdiçada diariamente com as garrafas de água vendidas nos bares escolares.

Castelo Branco

Escola Profissional do Fundão (Sede)

1. • Colocação,obrigatória, de redes nos rios para evitar a contaminação dos oceanos com lixo e tratamento desses resíduos em locais apropriados.
2. • Implementar tablets na escola para substituir a utilização de livros escolares,(a partir do 3º ciclo) com o objectivo de se diminuir o abatimento das árvores.
3. Implementar leis que obriguem a utilização de cápsulas de café biodegradáveis e proíbam a utilização de caixas de cartão das pastas de dentes em Portugal.

Castelo Branco

Escola Secundária Amato Lusitano, Castelo Branco

1. 1.Aumentar o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) no âmbito do consumo final e intermédio de carne bovina, por forma a diminuir as emissões de metano que representam cerca de 20% do Potencial de Aquecimento Global (PAG).
2. 2.Incentivo à reflorestação de áreas afetadas pelos incêndios de 2017, mediante diminuição do imposto Municipal sobre os Imóveis (IMI) nos concelhos afetados, estimulando o redireccionamento dos rendimentos privados para o investimento numa floresta que se quer assente em espécies autóctones, promotora da biodiversidade e ambiental e economicamente sustentável.
3. 3.Promover ativamente, através de investimentos públicos e benefícios fiscais de modo a que, até 2030, 30% do parque automóvel público e privado seja assente em veículos ecologicamente sustentáveis (eletricidade, biocombustíveis e hidrogénio) e mais eficientes na utilização do combustível.

Castelo Branco

Escola Secundária Campos de Melo, Covilhã

1. Proibição de queimadas e os resíduos das mesmas são recolhidas pelas câmaras municipais para centros de biomassa, sendo que estes também participarão nos custos desta recolha em 50%.
2. Disponibilizar ferramentas e mão-de-obra, com custos baixos para que as despesas com as limpezas dos terrenos não sejam tão elevados, permitindo assim o acesso a este processo de todos
3. Implantar filtros de absorção de gases em todas as fábricas por parte dos proprietários, sendo aplicada uma coima a quem não cumprir esta regra.

Castelo Branco

Escola Secundária de Fundão

1. Estabelecer, a longo prazo, que infraestruturas comerciais e industriais de grandes e médias dimensões contenham na sua base de consumo energético 50% de consumo proveniente de energias renováveis próprias.
2. Implementação de contentores inteligentes, que conforme o que cada agregado recicla, permitam reduzir, proporcionalmente, a taxa existente sobre os resíduos sólidos na fatura da água.
3. Aposta na eficácia, organização e desenvolvimento da rede de transportes públicos, em Portugal.

Castelo Branco

Escola Secundária de Sertã

1. Aumento de 30% por ano do preço dos sacos de plástico individuais leves, a começar em 2020. Este aumento trará grandes alterações e em 2025 os sacos de plástico individuais leves custarão aproximadamente 50 cêntimos, que é simultaneamente o preço médio de outras alternativas mais sustentáveis e duradouras.
2. Redução de 15% da produção de efetivos bovinos em território nacional. Para que o saldo líquido de emissões de CO2 passe das 60 megatoneladas em 2015 para zero em 2050 são necessárias alterações em vários setores no território nacional. O setor agropecuário é responsável por uma grande parte destas emissões daí ser urgente esta alteração na produção de carne de vaca.
3. Transformar 1,5% do PIB nacional num fundo de financiamento de projetos de Investigação e desenvolvimento, sendo 0,2% destinado à investigação na área da energia do mar. A investigação e desenvolvimento dá ao país um forte apoio no que toca ao seu crescimento sustentável. Demonstra-se assim urgente apoiar esta área, nomeadamente no que toca à energia do mar, ainda pouco desenvolvida em Portugal.

Castelo Branco

Escola Secundária Frei Heitor Pinto, Covilhã

1. Atribuição de benefícios fiscais a todas as famílias e empresas que façam a separação dos resíduos, bem como o acréscimo de pontos de reciclagem perto de zonas habitacionais e em estabelecimentos de ensino e outras infraestruturas públicas, a par com o benefício na utilização de veículos não poluentes.
2. Criação de uma entidade de proteção da biodiversidade, que atuará nos locais afetados por incêndios e locais de risco dos mesmos. Esta entidade será suportada pela criação de uma nova entidade de guardas florestais que tomarão a responsabilidade de zelar pelas obrigações da entidade anteriormente referida.
3. No âmbito da Lei 11/2017, que estabelece a obrigatoriedade da existência de opção vegetariano nas ementas de cantinas e refeitórios, tendo em conta o artigo 5º não prevê qualquer tipo de penalização para as entidades que não a cumpram, propomos assim alteração deste artigo de forma a que as mesmas sejam penalizadas.

Castelo Branco

Escola Secundária Quinta das Palmeiras, Covilhã

1. Incluir nos planos curriculares a plantação de uma árvore autóctone por aluno.
2. Criação de legislação regulamentar que vise a redução ou a erradicação do uso de plásticos.
3. Promover campanhas de sensibilização e planos de atuação para a redução do consumo de carne.

Castelo Branco

Escola Tecnológica e Profissional Albicastrense

1. Utilizar a Regra dos 3R's (Reduzir os excessos, Reutilizar o que já foi utilizado e Reciclar matérias que já foram utilizadas para serem reutilizadas).
2. Implementar tecnologias menos poluentes e com sistemas de tratamento de todos os resíduos produzidos.
3. Incentivar o consumo de energias renováveis, através da instalação de painéis solares em todas as habitações, instalações sociais e industriais, da construção de novos parques eólicos e da promoção da mobilidade eléctrica.

Castelo Branco

14 Escolas elegem 56 deputados: 42 deputados efetivos + 14 suplentes

Coimbra

Agrupamento de Escolas de Arganil

1. Investir na emissão de faturas via eletrónica, registadas no portal das finanças, descartando a impressão das mesmas.
2. Implementar sistemas de energia renovável (ex. painéis solares) aquando de novas construções, de forma obrigatória.
3. Promover o uso de motores elétricos para transportes públicos, como o autocarro, bem como reduzir o preço do bilhete dos mesmos. Consequentemente, investir no aumento de postos de carregamento destes meios de transportes.

Coimbra

Agrupamento de Escolas de Tábua

1. Permitir que empresas e indústrias praticantes da sua atividade de modo sustentável tenham acesso facilitado, bem como preços mais acessíveis às energias renováveis.
2. Promoção da conciliação entre energias renováveis e combustíveis fósseis, com o objetivo de atingir uma meta percentual de 80% na produção de energia com origem em FER até 2030.
3. Distribuição de painéis fotovoltaicos, suficientes para alimentar pequenas áreas ao longo do país.

Coimbra

Colégio de S. Teotónio

1. 1. Transformação do lixo orgânico em fertilizantes naturais, através da compostagem controlada e devidamente fiscalizada.
2. 2. Implementação da TARA (troca de embalagens de vidro, plástico e outros compostos recicláveis por dinheiro), a nível escolar e nacional.
3. 3. Reflorestação obrigatória das áreas afetadas pelos incêndios por árvores não invasoras e controlada por projetos arboristas.

Coimbra

EPTOLIVA - Escola Profissional de Oliveira do Hospital/Tábua e Arganil

1. Reduzir significativamente o plástico nos produtos à venda em todas as superfícies comerciais, nomeadamente implementando a comercialização de materiais escolares biodegradáveis; sistemas de recarga de água nos cafés e supermercados e reintroduzindo nos supermercados a venda a granel.
2. Incluir nos Ecopontos já existentes, um contentor de recolha de resíduos orgânicos, permitindo um encaminhamento e reaproveitamento destes resíduos, o que levará à realização de compostagem e à criação de fertilizantes naturais, almejando que todos os desperdícios possam ser reaproveitados, sem qualquer prejuízo para a saúde pública.
3. Implementar medidas significativas de incentivo à aquisição de veículos de mobilidade elétrica, criando, em simultâneo, as condições necessárias para que em todas as zonas do país existam pontos de recarga elétrica.

Coimbra

Escola Básica e Secundária José Falcão, Miranda do Corvo

1. Incentivar a redução gradual do consumo de gado bovino e caprino (focando apenas estes dois), a fim de evitar rejeições radicais. Modificar as ementas das escolas, substituindo pratos de carne por pratos vegetarianos, pelo menos uma a duas vezes por semana. A alimentação também se educa, assim como o paladar.
2. Recolher da água das chuvas para usos públicos, nomeadamente, lavagem de roupa e de louça, e para descargas sanitárias, através de um circuito interno dentro do edifício/casa de habitação.
3. Aplicar redes metálicas flexíveis para recolha de detritos sólidos, deixando passar a parte líquida, nos esgotos. Essas redes deverão ser removidas e limpas, levando os tais detritos para lixeiras, onde deverão ser devidamente tratados.

Coimbra

Escola Básica e Secundária Martinho Árias, Soure

1. 1. Benefícios no IRC a empresas e fábricas que adotem eletricidade como fonte de energia, em vez de combustíveis fósseis e atribuição de coimas mais pesadas a quem não cumprir.
2. 2. Implementação de programas de arborização e aumento da construção de ciclovias em espaços urbanos.
3. 3. Dar continuidade ao plano de adaptação das linhas férreas portuguesas para aumento da circulação de locomotivas e automotoras elétricas e efetuar a alteração da bitola ibérica para a bitola europeia.

Coimbra

Escola Profissional Profitecla (Deleg.)

1. 1. Criação de normativos legais que obriguem à instalação de jardins suspensos em edifícios públicos a construir e/ou a reabilitar e de criação de zonas verdes urbanas com plantação de árvores autóctones
2. 2. Criação de um Kit Escolar Ecológico para ser distribuído aos alunos, acompanhado da correspondente formação na área da Educação Ambiental
3. 3. Valorização dos Resíduos (ecoponto de segunda geração)

Coimbra

Escola Secundária Avelar Brotero, Coimbra

1. Existir um apoio por parte do estado, de modo a incentivar a compra de produtos ligados à produção de energias renováveis, produtos reciclados ou facilmente recicláveis e uma melhor regulação da produção.
2. Requalificação dos transportes públicos, de forma a torná-los mais acessíveis a toda a população, cómodos e amigos do ambiente.
3. Alargar o sistema de troca de produtos para reciclar por cupões de desconto e outro tipo de incentivos, para termos uma totalidade da população a fazer reciclagem.

Coimbra

Escola Secundária Cristina Torres, Figueira da Foz

1. - Atribuir benefícios fiscais na aquisição de carros elétricos e aumentar o nº de postos de abastecimento elétrico na rede pública;
2. - Criação de passes/títulos de transporte familiares a preços controlados e competitivos em relação ao uso do veículo particular;
3. - Nas unidades pecuárias fazer aproveitamento dos dejetos dos animais para produção de energia.

Coimbra

Escola Secundária de Lousã

1. Criação de um organismo público que, em parceria com escolas agrárias ou outras instituições congéneres, proceda à reorganização da flora nos territórios sob a alçada do Estado. O objetivo seria adequar as culturas às características próprias dos terrenos, incentivar o plantio de espécies florestais nobres, controlar as espécies invasoras e fazer uma combinação harmónica entre terrenos agrícolas e florestais.
2. Disseminação de máquinas sustentáveis de reciclagem de plástico, sobretudo nos grandes centros de consumo, como os hipermercados. As pessoas reciclariam plásticos nessas máquinas e em troca seriam remuneradas ou em dinheiro ou em cupões de desconto dos supermercados que aderissem ao projeto.
3. Aumento do número de postos de aluguer/empréstimo de bicicletas a nível nacional, para substituir o transporte particular, nomeadamente para turistas;

Coimbra

Escola Secundária de Oliveira do Hospital

1. Implementação de estratégias que visem o desenvolvimento das energias renováveis em território nacional, bem como alternativas aos combustíveis fósseis nos transportes.
2. Fomento de uma rede de transportes sustentável.
3. Investimento em mecanismos que visem a mudança de hábitos comuns associados ao consumo desnecessário de plástico e consequente redução da produção do mesmo.

Coimbra

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

1. Aplicação de taxas sobre os eletrodomésticos consoante a sua eficiência, sendo os menos eficientes mais taxados que os mais eficientes.
2. Introdução de pequenas mudanças nas escolas, tanto no campo alimentar para aumentar o leque de opções nas cantinas e bares mais saudáveis e mais amigas do ambiente, como no campo ambiental para que a escola procure adotar diversas medidas que contribuem para a sustentabilidade ambiental como por exemplo, usar papel reciclado.
3. Aplicação de painéis fotovoltaicos em espaços públicos de modo a que estes se tornem menos dependentes de energia que seja importada e/ou proveniente de fontes não renováveis e poluidoras. Esta medida deve ser também aplicada a estabelecimentos privados, se possível.

Coimbra

Escola Secundária Fernando Namora, Condeixa-a-Nova

1. Reduzir o consumo de carne de gado bovino e de produtos lácteos considerando que os herbívoros ruminantes, em especial as vacas, contribuem imenso para o aqueci-mento global ao libertarem o metano, gás com forte impacto no efeito de estufa.
2. Criar um conjunto de medidas que incentivassem o aumento da produção de energias renováveis, por exemplo a energia solar e eólica, para as quais temos enormes potencialidades, complementadas com a construção de edifícios com maior eficiência energética.
3. Restringir a plantação de eucalipto, mas incentivando à (re)florestação, com especial atenção para as espécies autóctones, valorizando, ainda, algumas outras culturas co-mo a do cânhamo e, assim, contribuir para a descarbonização ambiental.

Coimbra

Escola Secundária Infanta D. Maria, Coimbra

Desistiu

Coimbra

Escola Secundária Jaime Cortesão, Coimbra

Desistiu

Coimbra

Escola Secundária José Falcão, Coimbra

1. Desenvolver projetos que visem a reflorestação com flora autóctone portuguesa de áreas ardidas e/ou de baldio.
2. Promover ações de carácter pedagógico no sentido de informar e sensibilizar desde a idade escolar para a importância dos nossos atos em relação às alterações climáticas e a forma como podemos reverter o aquecimento global, através de, por exemplo, palestras regulares com pessoas influentes na área da saúde ambiental e através de grupos de voluntariado ambiental.
3. Promover a utilização de meios de transporte e de mecanismos que contribuam para a diminuição da emissão de gases poluentes.

Coimbra

Escola Secundária Lima-de-Faria, Cantanhede

Desistiu

Coimbra

Escola Secundária Quinta das Flores, Coimbra

1. 1. Criar um normativo legal que obrigue todas as superfícies comerciais a disponibilizar contentores de leitura ótica para recolha de materiais recicláveis
2. 2. Criar um normativo legal que alargue a todas as empresas, independentemente do volume de produção, emissoras de substâncias poluentes, a obrigatoriedade de colocação de filtros nas chaminés, instituindo coimas para os incumpridores
3. 3. Criar um normativo legal que determine a obrigatoriedade de disponibilização, em todas as superfícies comerciais, da venda a granel com utilização de embalagens biodegradáveis.

Coimbra

Escola Técnico Profissional de Cantanhede

1. Substituição das grandes indústrias de produção de carnes vermelhas (porco e vaca) por produção de legumes e vegetais.
2. Maior fiscalização e legislação mais apertada em relação a gases produzidos, reduzindo a emissão dos mesmos a um mínimo tecnologicamente possível nos transportes públicos/privados e/ou substituição por transportes elétricos ou movidos a energias Renováveis.
3. Comercialização de garrafões e garrafas de vidro onde só se paga o primeiro e este pode ser atestado, atenuando assim o preço da água. Este preço pode também ser atenuado numa máquina onde são deixadas as garrafas quer de plástico ou de vidro que dão um valor convertido num ticket fornecendo pontos a descontar em compras.

Coimbra

Escola Tecnológica e Profissional de Sicó (Deleg.)

1. Aposta numa rede de transporte pública eficaz e de preços reduzidos. Esta medida obrigará as empresas de transportes públicos a desenvolver os seus serviços dentro das cidades e nas periferias com vista a melhores condições e melhores horários. Fazer com que os transportes públicos sejam uma primeira opção de transporte terminaria com a quantidade de poluição deitada pelos veículos privados e que contribui para a camada de ozono e efeito de estufa.
2. Obrigatoriedade das indústrias de animais de grande porte aderirem a aparelhos capazes de transformar gás metano em energia. As emissões de gases com efeito de estufa decorrentes do gado, nomeadamente das vacas, contribuem muito para a destruição da camada de ozono e, por consequência, para o aquecimento global. O GEE (gás efeito de estufa) na atmosfera é o metano (CH4), 25 vezes mais poluente do que o gás carbónico, se bem que emitido em menor quantidade.
3. Passagem periódica de uma carrinha híbrida para recolha de material para reciclagem. Existir vários locais de recolha onde a população possa deixar o material para reciclagem, visto que em alguns pontos do nosso país não existem ecopontos, para que possa ser recolhido. A entrega de material reciclado seria trocada por vales de compras em hipermercados aderentes.

Coimbra

17 Escolas elegem 51 deputados: 34 deputados efetivos + 17 suplentes

Évora

Centro de Formação Profissional de Évora

1. Assegurar a existência de um ponto de compostagem, em todos os estabelecimentos de empresas públicas com serviço de confeção alimentar.
2. Introduzir pontos de recolha que recompensem, monetariamente ou com descontos, quem fizer uma adequada separação de lixo e contabilizem o lixo reciclável depositado em cada ecoponto (através de uma passadeira/ máquina que pesasse cada tipo de lixo - papel, plástico, vidro), de forma a incentivar a separação de lixo e a reciclagem, potenciando a redução dos custos ambientais para a produção de embalagens.
3. Criação de um selo ambiental obrigatório para as embalagens de alimentos destinados ao consumo humano, indicativo da pegada ecológica associada à sua produção, permitindo ao consumidor fazer uma escolha mais consciente e reduzindo, a longo prazo, o impacto negativo da produção agropecuária no meio ambiente.

Évora

Colégio Salesianos - Évora

1. Sensibilização das populações (essencialmente dos alunos) sobre a educação ambiental e o consumo consciente
2. Uso das novas tecnologias em prol do ambiente
3. Utilização de energias renováveis (como, por exemplo, energia solar, energia eólica, etc.) no nosso país

Évora

Escola Básica e Secundária Cunha Rivara, Arraiolos

1. Alargar progressivamente o uso de catalisadores a todos os meios de transporte públicos e privados e a fábricas.
2. Estender a cobertura dos transportes públicos movidos a eletricidade a todas as localidades.
3. Tornar os edifícios públicos autónomos em termos energéticos.

Évora

Escola Básica e Secundária Dr. Isidoro de Sousa, Viana do Alentejo

1. A redução do consumo de carne bovina.
2. Investimento na investigação para procura de soluções técnicas de tratamento dos GEE e no desenvolvimento de energias limpas.
3. Implementação de programas de reflorestação, com espécies próprias do nosso território e de forma ordenada.

Évora

Escola Profissional da Região Alentejo (Sede)

1. Reforço da presença portuguesa, a nível diplomática e nos organismos internacionais que se dedicam a este tema no sentido de contribuir para a definição de políticas internacionais com vista a evitar o aquecimento global.
2. Estímulo à produção em modo biológico através de incentivos fiscais e da compra destes produtos por todos os organismos públicos que ofereçam refeições. ( escolas, hospitais, etc).
3. Incentivos fiscais muito fortes no sentido de apoiar a transição para a utilização de carros elétricos e de instalação de unidades produtores de energia solar que tornem os edifícios autónomos com a obrigatoriedade de todos os carros da frota do estado passarem a ser elétricos e todos os edifícios públicos caminharem no sentido do auto-produção e auto-consumo de energia elétrica.

Évora

Escola Secundária André de Gouveia, Évora

Desistiu

Évora

Escola Secundária Conde de Monsaraz, Reguengos de Monsaraz

1. Prémios de incentivo aos cidadãos que praticam a reciclagem.
2. Proibição do uso de óleo de palma nos produtos alimentares.
3. Sensibilização sobre as alterações climáticas no ensino e na vida profissional.

Évora

Escola Secundária de Montemor-o-Novo

1. Investimento em painéis solares. - A adoção de painéis solares, por exemplo, em escolas, principalmente na região do Alentejo, visto que esta apresenta as condições favoráveis ao desenvolvimento desta medida.
2. Diminuir o uso de combustíveis fósseis. A alternativa aos combustíveis fósseis (nomeadamente, gasolina, diesel, entre outros) através do uso de biocombustíveis (biodiesel, biogás,entre outros) e etanol.
3. Apostar na plantação de mais árvores, nomeadamente florestas autóctones. -Apostar na plantação de mais árvores autóctones de modo a haver uma maior produção de oxigénio, como forma de combater a desflorestação, principalmente, devido aos incêndios florestais e queimadas.

Évora

Escola Secundária de Vendas Novas

1. Redução das emissões CO2, junto das empresas e da sociedade em geral, através da redução de impostos.
2. Diminuir a quantidade de gases com efeito de estufa, incentivando a plantação de espécies sustentáveis.
3. Incentivar e valorizar a reciclagem.

Évora

Escola Secundária Gabriel Pereira, Évora

1. Reforçar os mecanismos de fiscalização das empresas para evitar a produção e emissão de artigos poluentes e reduzir as taxas aplicadas aos produtos amigos do ambiente, estimulando as boas práticas ambientais.
2. No sentido de progressivamente existir a restrição de todos os produtos de plástico de uso único, sugere-se ao Parlamento Europeu a elaboração de uma regulamentação que seja implementada em todos os estados membros. Simultaneamente, deve-se estimular a criação de um sistema em que os cidadãos sejam recompensados através da devolução de taxas.
3. Incentivo à população para a aquisição de veículos não poluentes, complementada com a criação em todas as cidades de vias de circulação de velocípedes e facilitação do aluguer de bicicletas, quer a nacionais quer a estrangeiros.

Évora

Escola Secundária Públia Hortênsia de Castro, Vila Viçosa

1. Criação de um programa escolar para limpeza e regeneração de zonas verdes degradadas no qual os alunos fossem os principais atores, desenvolvendo trabalhos de limpeza e plantio de árvores e plantas.
2. Propomos que se criem pontos de recolha de materiais a reciclar (vidro, papel e plástico) em vários pontos das localidades e que a população seja diretamente beneficiada com descontos em faturas mensais da água e electricidade, promoções em estabelecimentos locais, idas grátis aos museus, às piscinas ou ginásios locais, entre outros...
3. Criar verbas para a área da investigação ambiental, de modo a investigarem-se novas tecnologias “amigas do ambiente” e novos materiais (combustíveis) que não libertem gases de efeito de estufa para a atmosfera.

Évora

10 Escolas elegem 50 deputados: 40 deputados efetivos + 10 suplentes

Faro

Colégio Internacional de Vilamoura

1. Dia Sustentável Obrigatoriedade da recolha de lixo em diversos espaços públicos possíveis poluídos sendo estes praias, florestas, jardins, parques, etc. pelo menos uma vez por ano letivo, para escolas de ensino básico e secundário e suas turmas, acompanhada de sensibilização para o problema e importância da recolha do lixo.
2. Transportes Melhoria de transportes públicos (substituição por transportes eléctricos; mais postos de carregamento dos mesmos; melhoria dos materiais utilizados em transportes elétricos; construção de eco-vias e mais bicicletas de utilização pública).
3. Espaços verdes Estabelecer um rácio entre a área a construção e a área de espaços verdes.

Faro

Escola Básica e Secundária de Albufeira

1. Criação de um incentivo fiscal aos produtores de alimentos e às empresas que com estes contactam (supermercados, restaurantes, etc.), derivado da doação de alimentos que sobrem da sua atividade (que não foram vendidos, por exemplo) para evitar o desperdício alimentar, que é sinónimo de desperdício de recursos e que contribui para o agravamento do efeito de estufa.
2. Exigência nos rótulos de todos os produtos comercializados em Portugal de um símbolo que garanta que na sua produção não houve queima de carbono ou um nível sustentável de queima de carbono.
3. Criação de um projeto denominado “Escola Sustentável” que consistiria, por um lado, na promoção de hábitos ambientalistas, através de palestras, auditorias ecológicas (feitas pela própria escola) e por outro lado, na execução de medidas que vão em linha com esses mesmo hábitos, como a plantação de árvores no recinto escolar, criação de hortas, diminuição do consumo de carnes vermelhas, redução do consumo de plásticos desnecessários, ranking da escola mais sustentável e prémios, etc…

Faro

Escola Profissional Cândido Guerreiro - CIPRL

1. Ajuda por parte do governo na substituição dos equipamentos electrónicos mais antigos (que emitem cfc`s).
2. Taxar na utilização de certos materiais para venda e atribuição de valor na devolução depois da sua utilização
3. Aumento das áreas verdes nas cidades e criação de mais espaços verdes protegidos fora dos espaços urbanos.

Faro

Escola Profissional D. Francisco Gomes de Avelar

Desistiu

Faro

Escola Secundária de Loulé

1. 1.Baixar para 6% o IVA das lâmpadas LED e em compensação, criar uma taxa adicional para as lâmpadas que são mais prejudiciais ao ambiente, como as incandescentes(...). Assim estaríamos a beneficiar fiscalmente quem é amigo do ambiente.
2. 2.Distribuir os ecopontos (os 6 tipos) de tamanhos diferenciados, tendo em conta a densidade populacional e os setores de atividade in loco, informando a importância do seu uso.
3. 3. Construir estradas de plástico reciclável, reaproveitando o plástico a fim de reduzir a sua quantidade existente nos aterros / lixeiras, nos oceanos, e aumentar a durabilidade das estradas.

Faro

Escola Secundária de Silves

Desistiu

Faro

Escola Secundária de Vila Real de Santo António

Desistiu

Faro

Escola Secundária Dr. Francisco Fernandes Lopes, Olhão

1. 1. Aumentar o número e a extensão de reservas naturais, dotando-as de postos de controlo florestal/ambiental e aplicar de forma efetiva medidas de penalização a cidadãos e empresas que utilizem estes recursos naturais de forma irresponsável e pouco segura.
2. 2. Para reduzir efeitos nefastos da indústria alimentar excessiva que contribui para o descontrolo do ecossistema, propomos uma fiscalização eficaz de toda a linha de produção e armazenamento, estabelecendo limites máximos de produção destes produtos.
3. 3. Criação de clubes do ambiente em todas as escolas que, em articulação com a comunidade em que as escolas se inserem, sensibilizem para a educação ambiental, promovendo encontros/palestras e outras atividades que contribuam para estimular uma conduta correta e responsável face ao ambiente.

Faro

Escola Secundária Dr. Jorge Augusto Correia, Tavira

1. - Promoção de uma economia de baixo carbono com redução do uso de carnes vermelhas, redução do uso de plástico, recurso às energias renováveis e aos transportes públicos.
2. -Promoção de políticas concertadas de incentivos fiscais ao nível do IMI, IUC e IRC (casas com eficiência energética com redução de uma percentagem a determinar no IMI; compra de carros elétricos com isenção de IUC e Indústrias pouco poluidoras com redução de uma percentagem a determinar no IRC).
3. - Festival EcoFest- promoção de um festival que funcionaria como evento mediático para uma maior consciencialização sobre “Alterações Climáticas” através de concertos, debates, exibições de curtas e longas metragens, concursos de projetos de combate ao aquecimento global e palestras alusivas ao tema.

Faro

Escola Secundária Dr.ª Laura Ayres, Quarteira, Loulé

1. Mitigação e adaptação às alterações climáticas, através de políticas internacionais, nacionais, locais, incluindo a sociedade civil e respetivas estratégias tecnológicas.
2. Alargar e adaptar a rede de transportes alternativos públicos para todos e a todo o território, investindo numa mobilidade integrada de transportes de energia sustentáveis, bicicletas e ciclovias, fomentando a neutralidade carbónica.
3. Design de permacultura e uma ecologia sustentável em jardins, aldeias, vilas e cidades, incluindo os telhados verdes, com implicações numa revolução alimentar.

Faro

Escola Secundária João de Deus, Faro

1. Implementar uma política de descarbonização através de duas estratégias: 1º - a instalação do sistema CCS (carbon capture storage) em unidades fabris (após a captura é possível transformar o gás CO2 num combustível líquido, facilitando o seu armazenamento e transporte, e minimizando o impacto da utilização dos combustíveis fósseis); 2º - a realização de um levantamento dos edifícios que permitam a adoção de sistemas de energia solar, com base em critérios a definir.
2. Enfatizar o módulo de educação ambiental, da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, através da elaboração de um projeto-escola a ser entregue às autarquias no final de cada ano letivo com o intuito da sua execução. Estes projetos consistiriam em propostas de melhoramento do funcionamento das cidades, de forma ecológica e sustentável, permitindo assim a participação dos jovens na gestão dos recursos das suas cidades, de uma forma informada, periódica e atualizada.
3. Promover a descarbonização dos meios de transporte com base numa maior divulgação, e consequente sensibilização para os efeitos nefastos da libertação na atmosfera dos gases emitidos; e ainda na criação e/ou finalização de ciclovias, preferencialmente perto de escolas e universidades.

Faro

Escola Secundária José Belchior Viegas, São Brás de Alportel

1. Apoiar a educação científica nas escolas, particularmente no que respeita aos fenómenos naturais e antropogénicos. Apoiar ainda a Investigação Científica e o Desenvolvimento Tecnológico, através de um maior investimento por parte do Estado e incentivo à ação desenvolvida por empresas e instituições de Ensino Superior.
2. Desenvolver uma rede de base de escolas e grupos comunitários que, conjuntamente, trabalhem para monitorizar e conservar zonas ambientais, construindo a resistência dessas comunidades às mudanças climáticas.
3. A reorientação do ensino e da aprendizagem por instalação de infraestruturas ecológicas, energéticas e sustentáveis no meio escolar.

Faro

Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes, Portimão

1. Criação de uma aplicação (do tipo "gamification") que oferece benefícios em troca de quilómetros andados (quer a pé, quer de bicicleta; medidos com acelerómetro, pedómetro e sinal GPS); ou quilómetros viajados em transportes públicos (através da impressão de códigos QR aleatoriamente gerados na altura de impressão do recibo ou através de etiquetas NFC, e posterior verificação com sinal GPS).
2. Não há
3. Não há

Faro

Escola Secundária Padre António Martins de Oliveira, Lagoa

1. O setor da restauração é imensamente responsável por impactos ambientais muitas vezes evitáveis. Assim, propõe-se a criação de uma lista de requisitos que visam à transição dos restaurantes para uma conduta de gestão mais ecológica. Ante o cumprimento dos requisitos, o restaurante é premiado com um diploma que pode usar para seu proveito no estabelecimento, assim como uma distinção em plataforma por criar, que filtra os restaurantes que, entre os demais, foram certificados neste âmbito.
2. Todos os anos, 12 horas da carga letiva são remetidas ao Projeto de Educação Sexual. Não negligenciando a importância deste, propomos a instrução sobre práticas ambientais, que é de todo inexistente na maioria das abordagens curriculares atuais. Propomos a dedicação de cerca de 8 dessas 12 horas à instrução direcionada a esta problemática, culminando com a criação de um Projeto de Educação Ambiental, por ciclo de estudos.
3. Tendo em conta os custos inerentes ao consumo de energia existentes na administração pública e local (e considerando o crescendo de prejuízos ambientais decorrentes dessa prática), as câmaras municipais obrigavam-se, partindo das dotações do O.E.,e num período de tempo a determinar, a dotar os seus espaços com equipamentos que lhes permitissem ver reduzidos esses consumos/impactos, alargando,por exemplo, a rede de ilhas ecológicas em áreas ainda não abrangidas ou o uso de energia fotovoltaica.

Faro

Escola Secundária Pinheiro e Rosa, Faro

1. Criação de Eco quarteirões, que restrinjam a circulação automóvel, com ciclovias e plantação de árvores. Desenvolver redes de transportes públicos; diminuir o valor dos passes mensais e dos bilhetes diários, incentivando o uso de transporte partilhado, que reduza a libertação de gases poluentes. Criação de um cartão verde com sistema de “pontos verdes”, deduzível em lojas. Criar uma aplicação com competições e prémios, tornando os hábitos verdes mais apelativos para as famílias e cidadãos.
2. Lei que vise incentivar a instalação de painéis solares e que garanta o consumo interno e a venda do excedente. Esta lei consistirá na redução dos impostos sobre os painéis fotovoltaicos, no caso das Famílias, e na atribuição de benefícios fiscais às Empresas (financeiras e não financeiras) que produzam mais de 20% da energia que consomem através de fontes renováveis. Seriam também estabelecidas regras específicas para estas situações em regime de condomínio.
3. Reutilização de bens para a produção de materiais escolares (p.e. livros) com papel reciclado; criação de lojas de transformação em segunda mão, vocacionadas para as IPSS’s e para a criação de modelos exclusivos, evitando o desperdício na aquisição de roupa. Construção de habitação a partir de materiais reciclados de qualidade, podendo implementar-se numa fase inicial para habitação social (dado o facto de os custos de construção serem menores).

Faro

Escola Secundária Tomás Cabreira, Faro

1. Incentivo à utilização de sacos ecológicos e aumento do preço dos sacos de plástico existentes no comércio, com a finalidade de uma maior consciencialização da poluição quando efetua a sua aquisição.
2. Preservação, proteção e desenvolvimento das zonas costeiras de modo a promover as reações de carbono azul.
3. Combater as emissões de carbono através de incentivos atribuídos às empresas.

Faro

Nobel International School Algarve

1. Criação de uma entidade que tenha como objetivo a recolha de resíduos empresariais. Perante o ato de negligência de entrega dos resíduos, seriam aplicadas sanções. Os resíduos recolhidos seriam reciclados. Quando não fosse possível a sua reciclagem, os resíduos seriam utilizados para a produção de energia elétrica, como já é feito em algumas regiões do mundo. Em Portugal apenas 23% dos resíduos são transformados em energia. Em países como o Japão ou a Suíça os números ultrapassam os 50%.
2. Criação de um decreto de lei que beneficie o consumo racional de energia elétrica. Tal como já está posto em prática com o consumo de água em algumas freguesias (artigo 16º da Lei das Finanças Locais - Lei nº2/2007), onde existem tarifas variáveis em função da quantidade de água consumida, defendemos a criação de uma tarifa semelhante para o consumo de energia elétrica. Dessa forma, o preço do kW/h para empresas e famílias seria variável em função do consumo mensal.
3. Tornar transportes públicos mais eficientes, acessíveis e, nas grandes cidades, torná-los elétricos ou híbridos. Nos dias de hoje, os transportes públicos não são a primeira escolha para muitas pessoas devido á insegurança e falta de eficiência com que os mesmos estão planeados. Nesse sentido, é necessário torná-los mais baratos, mais seguros e mais atrativos.

Faro

14 Escolas elegem 56 deputados: 42 deputados efetivos + 14 suplentes

Guarda

ENSIGUARDA - Escola Profissional da Guarda

1. Criação de benefícios fiscais para quem pretenda instalar, no seu carro movido a gasolina, um sistema de hidrogénio. Esta é uma das energias mais limpas, é renovável, não torna o carro obsoleto e promete ser um dos principais substitutos dos combustíveis fósseis num futuro cada vez mais próximo.
2. Redução do consumo de plástico, através da utilização de copos reutilizáveis em festivais, concertos e espetáculos desportivos e substituição de produtos embalados previamente por produtos a granel nas pequenas e grandes superfícies, sem a utilização de sacos de plástico. Para o consumidor, comprar a granel significa menos desperdício alimentar e ambiental e mais poupança, pois os produtos são mais baratos.
3. Criação de uma disciplina obrigatória de Educação Ambiental, presente no percurso escolar desde o primeiro ano do ensino básico. É necessário que as novas gerações percebam a importância das alterações climáticas e daquilo que possa acontecer, se nada for feito. Mudar mentalidades vai ajudar a mudar as atitudes no futuro.

Guarda

Escola Básica e Secundária de Fornos de Algodres

1. 1. Estabelecimento de um Índice de Responsabilidade Eco-Social da escola na relação com a comunidade através da implementação de um Ranking Nacional Escolar “Folhas Douradas”, na qual se refletiria o envolvimento consciente da comunidade escolar no seio da sociedade.
2. 2. Realização de um protocolo de cooperação entre as escolas e os municípios com vista a reflorestar as zonas afetadas pelos incêndios com plantas autóctones dessas mesmas zonas.
3. 3. Sensibilizar as empresas a promover a redução máxima de utilização de plásticos no pro-cesso de embalamento dos produtos, já que a poluição por plástico em rios, mares e solos é cada vez maior e o seu processo de decomposição emite gases nocivos para a atmosfera.

Guarda

Escola Básica e Secundária de Mêda

1. Expandir e melhorar o sistema ferroviário.
2. Proibir a venda de garrafas de plástico descartáveis, para promover o uso de garrafas reutilizáveis e diminuir a produção da indústria dos plásticos.
3. Implementar taxas para regular a importação de carne, de modo a favorecer o consumo de carne nacional e contribuir para redução do impacto ambiental indústria agropecuária.

Guarda

Escola Básica e Secundária Sacadura Cabral, Celorico da Beira

1. 1- Forte investimento no setor das energias renováveis, aproveitando os recursos endógenos que possuímos, em detrimento dos combustíveis fósseis, os grandes responsáveis pelo aquecimento do planeta.
2. 2- Incentivos a projetos de agricultura sustentável, apoiando associações de produção biológica e criação extensiva de animais, bem como a reflorestação devidamente planificada (ordenamento florestal).
3. Aposta numa mobilidade sustentável, amiga do ambiente.

Guarda

Escola Básica n.º 2 de Manteigas

1. Implementar a agricultura biológica com a construção de estufas nas escolas e o aproveitamento de edifícios e terrenos devolutos em espaços urbanos.
2. Substituir os livros escolares por tablets adaptados (com cadernos diários do género “Rocket Book”), reduzindo o fabrico de papel.
3. Aquisição de transportes públicos eléctricos no país, com ênfase no interior (bicicletas, trotinetas e frota de carrinhas de transporte de idosos para as câmaras municipais e juntas de freguesia).

Guarda

Escola Profissional de Trancoso

1. Criar, no âmbito das questões ambientais, currículos de caráter obrigatório, que sejam integrados na formação das crianças desde o ensino pré-escolar.
2. Apostar definitivamente nas Energias Renováveis, dando exemplo e investindo na sua aplicação a todos os edificios públicos.
3. Proporcionar mais e melhores incentivos à eliminação do consumo de combustíveis fósseis, diminuindo a tributação fiscal das empresas que apostem na utilização de energias amigas do ambiente.

Guarda

Escola Regional Dr. José Dinis da Fonseca

1. Reflorestação através de ações envolvendo as comunidades locais, os donos dos terrenos e os jovens através da promoção de atividades de Verão ligadas ao tema.
2. Incentivo à incubação e plantação de plantas autóctones que promovam a proteção do ambiente e surjam como “árvores bombeiras” que resistem ao fogo e travam o avanço do mesmo.
3. Defesa da floresta através da criação da Polícia Florestal que possa proteger a floresta através de vigia, policiamento e acompanhamento de eventuais atividades de risco.

Guarda

Escola Secundária Afonso de Albuquerque, Guarda

1. “Introdução, em Portugal, de um imposto sobre o gás metano” + “Alteração da dieta do gado bovino, de modo a que seja produzido menos gás metano na sua criação”:
2. “Implementação do piso Pavegen como nova fonte de energia renovável nos grandes centros urbanos e em zonas bastante movimentadas”:
3. “Implementação de «telhados verdes» em infraestruturas com telhados apropriados para o efeito”.

Guarda

Escola Secundária da Sé, Guarda

1. 1. Mobilidade Amiga do Ambiente: Vivemos numa sociedade de grande mobilidade e atendendo aos GEE (Gases Efeitos de Estufa) lançados diariamente para a atmosfera pelos veículos rodoviários. É urgente apostar no uso de meios não poluentes (como a prática de uso generalizado da bicicleta, caminhadas em curtas distâncias) e nos veículos elétricos (particulares e públicos). Paralelamente, dever-se-ia condicionar a utilização de hidrocarbonetos com o agravamento da taxa de carbono, cujo result
2. 2. Energias Renováveis e Casa Sustentável: Defendemos a promoção das ER (Energias Renováveis), com a difusão do conceito de “consumidor-produtor” (que consiste no incentivo ao espírito empreendedor dos cidadãos que queiram apostar nas “energias limpas”, com incentivos fiscais e financeiros) e com a melhoria da eficiência energética dos respetivos equipamentos. Para se evitar a expansão urbana e fomentar o uso racional do território, consideramos prioritário a valorização de centros históri
3. 3. Normas a favor da “Casa Comum”: Na nossa terceira medida focamo-nos na criação e aplicação/monitorização de legislação nacional que vise preservar os ecossistemas e educar, através dos currículos escolares, para a “Política dos 3R”. Para se proteger a fauna e a flora consideramos ser necessário melhorar a legislação nacional de modo a que se protejam os ecossistemas, tão afetados, entre outros, com os incêndios que têm mitigado Portugal. Propomos a ratificação dos acordos internacionais

Guarda

Escola Secundária de Figueira de Castelo Rodrigo

1. Benefícios fiscais para pessoas/empresas que compram veículos eléctricos. Desta maneira, a compra de veículos eléctricos, logo, menos poluidores, seria incentivada.
2. Promoção de actividades de limpeza de áreas florestais por parte do poder local (Câmaras Municipais/Juntas de Freguesia). Com esta atividade, além da limpeza das áreas florestais, conseguiríamos também alertar para os perigos do despejo de resíduos no meio ambiente e, consequentemente, da sua entrada na cadeia alimentar.
3. Atividades de plantação de espécies autóctones três vezes por ano letivo, por iniciativa das escolas. Através desta actividade poderíamos não só aumentar o número de árvores (não invasoras), mas também promover a educação para a preservação ambiental e sensibilizar para o abate de árvores.

Guarda

Escola Secundária de Gouveia

1. Investimento estatal na produção e rentabilização da energia das marés, precedidas por estudos de impacte ambiental, como exposto no artigo 18.º da Lei de Bases do Ambiente.
2. Redução do IVA na aquisição de equipamentos fotovoltaicos ou térmicos, como incentivo fiscal, com respetiva divulgação pública, promovendo a produção própria e sustentável de energia.
3. A subvenção estatal diferenciada à reflorestação de zonas afetadas por incêndios e baldios, mediante estudo prévio de impactes ambientais, com benefício fiscal superior para plantações com recurso às espécies: Quercus (nome vulgar: carvalho), Castanea sativa (nome vulgar: castanheiro) e Quercus suber (nome vulgar: Sobreiro); e inferior para candidaturas com recurso às espécies: Arbutus unedo L. (nome vulgar: Medronheiro) e Paulownia Tomentosa (nome vulgar: Kiri Japonês).

Guarda

Escola Secundária de Pinhel

1. Criação de ações de sensibilização tanto em meio escolar como em meio público no âmbito da preservação e proteção ambiental com o objetivo de instruir toda a população.
2. Criação de regulamentos destinados ao design de edifícios e infra-estruturas tendo por base as energias renováveis e criação de um plano nacional de ajuda a nível financeiro tanto para utilizadores como para futuros compradores/utilizadores deste tipo de energia.
3. Privatizar os transportes coletivos tornando-os sustentáveis e por consequência o aumento de impostos sobre os combustíveis fosseis.

Guarda

Escola Secundária Gonçalo Anes Bandarra, Trancoso

1. Criação de programas desde o Primeiro Ciclo ao Secundário, com o objetivo de Reflorestar as áreas mais afetadas pelos incêndios, em parceria com outras entidades (autarquias, proteção cível, bombeiros, gnr,entre outros.
2. Implementação de formação gratuita na área do ambiente para a função pública e privada, no sentido de melhor preparação dos adultos, para que possam transmitir mais prontamente os ensinamentos aos seus educandos, desenvolvendo nestes hábitos não poluidores para que a sociedade se torne mais sustentável por si mesma.
3. Instalação de aparelhos de monotorização de gases de efeito de estufa em diversos pontos do país no sentido de providenciar dados para futuros estudos sobre a evolução e mitigação do efeito estufa.

Guarda

Instituto de Gouveia - Escola Profissional - Lda

1. Atento o que vai dito na exposição de motivos, recomendamos: 1. Que se reforcem as redes de transportes públicos, sobretudo nas cidades de grande e média dimensão, nomeadamente através do aumento e diversificação da sua oferta, melhoria da sua qualidade e eficácia e redução, tanto quanto seja possível com ajudas/subsídios que o orçamento do Estado possa comportar, dos custos para o utilizador;
2. 2. Que se incentive, através de benefícios fiscais, a aquisição de automóveis híbridos ou 100% elétricos e se reforce o subsídio na aquisição de cada um daqueles veículos;
3. 3. Que seja implementada, de forma mais intensa e consistente, uma política de aproveitamento das fontes de energia amigas do ambiente: eólica, hídrica, solar e marítima (ondas e marés).

Guarda

Escola Básica e Secundária Tenente Coronel Adão Carrapatoso, Vila Nova de Foz Côa

Desistiu

Guarda

14 Escolas elegem 56 deputados: 42 deputados efetivos + 14 suplentes

Leiria

Escola Básica e Secundária de São Martinho do Porto, Alcobaça

1. Promover a diminuição de resíduos e o aumento da percentagem de plástico reciclado, através da criação de uma taxa acrescida para embalagens de plástico, instalando-se em locais estratégicos máquinas de recolha das mesmas que, no ato de recolha, devolverão a taxa paga.
2. Promover a reciclagem de resíduos como forma de produzir energia.
3. Promover o voluntariado ecológico, através de ações de recolha de plástico e de outros detritos na praia e na natureza, bem como sensibilizar a população para a necessidade de proteger o ambiente, sendo esta uma forma de reverter o aquecimento global.

Leiria

Escola Básica e Secundária Fernão do Pó, Bombarral

1. Redução da quantidade legal de GEE emitidos para a atmosfera (segundo os decretos lei n.º 39/2018 e n.º 91/2017), diminuindo então o efeito de estufa, que é um dos principais causa-dores do aquecimento global.
2. Implementar um valor necessário à plantação de 1 a 3 árvores a definir nos 5% do IRS que pode ser consignado às instituições, e que seriam plantadas pelos alunos das Escolas.
3. Criação de cotas limitativas de desflorestamento e cotas mínimas de plantação, tendo cada espécie uma cota adequada às necessidades ambientais e económicas como já acontece com a pesca e diversas outras atividades económicas.

Leiria

Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste (Pólo das Caldas da Rainha)

1. Proposta 1 – Promover uma agricultura sustentável e biológica para todos, incentivando a criação de uma horta social em todos os concelhos e a criação de condições para pequenas culturas em varandas e jardins.
2. Proposta 2 – Diminuir a utilização do veículo automóvel, incentivando uma maior utilização dos transportes públicos, tornando- os mais acessíveis, e dotar cada cidade com ciclovias e bicicletas municipais partilhadas.
3. Proposta 3 – Incentivar o uso de pagamentos digitais em vez da utilização de dinheiro.

Leiria

Escola Secundária D. Inês de Castro, Alcobaça

1. Reconversão energéca dos edicios públicos.
2. Reforço da Taxa de Carbono e implementação do dividendo
3. Agravamento da pena aplicável a crimes de dano à natureza e aumento da fiscalização.

Leiria

Escola Secundária de Peniche

1. Introduzir tara nas garrafas e garrafões de plástico;
2. Pesar o lixo antes de ser recolhido;
3. Nos edifícios do Estado que se venham a construir devem instalar-se, obrigatoriamente, painéis solares, fotovoltaicos e/ou aerogeradores que permitirão também produzir energia.

Leiria

Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro, Caldas da Rainha

1. . Criação de um sistema de bicicletas em todas as cidades do país com possíveis rotas predefinidas e à responsabilidade da Câmara Municipal – Autarquia.
2. A partir dos resíduos sólidos recolhidos em diversos postos de uma cidade, ser criado um sistema de aproveitamento energético gerador de biomassa, passando a ser considerado um recurso endógeno, eliminando o gás metano libertado por esses resíduos.
3. Melhorar a eficiência do sistema de reciclagem português baseando-se no modelo sueco.

Leiria

Escola Secundária Raul Proença, Caldas da Rainha

1. Alteração legislativa relativa à queima de biomassa, proibindo a realização de queimadas a céu aberto e a utilização de lareiras nas capitais distritais, aplicando sanções perante incumprimentos.
2. Incentivo fiscal destinado à otimização dos isolamentos térmicos nas habitações. (compensações no IMI e diminuição do IVA)
3. Obrigação de cedência de tempo de antena a publicidades institucionais por parte das operadoras audiovisuais públicas e privadas nacionais durante o horário nobre alertando para as alterações climáticas/aquecimento global e mobilização da população.

Leiria

Externato Cooperativo da Benedita

1. - Diminuir o uso de combustíveis fósseis ( gasolina, diesel) e aumentar o uso de biocombustíveis ( biodiesel…)
2. - Ampliar a geração de energias através de fontes limpas e renováveis: hidroelétrica, eólica, solar, nuclear e maremotriz em alternativa às termoelétricas que usam combustíveis fósseis
3. - Não praticar desmantelamento e queimadas em florestas incentivando a plantação de mais árvores.

Leiria

Colégio "João de Barros"

1. Imposto sobre o consumo de carne bovina – esta proposta tem como intuito reduzir o seu consumo, visto que a criação e exploração desse gado afeta negativamente a camada de ozono, pois é um dos grandes emissores de metano
2. Implementação de cortinas e telhados verdes nas zonas com maior nível de CO2
3. Implementar postos de carregamento para carros elétricos nas capitais de distrito e cidades com maior tráfego deste tipo de automóveis;

Leiria

Escola Básica e Secundária da Guia, Pombal

1. Todos sabemos os efeitos que a floresta tem na conservação dos níveis de humidade atmosférica, esta humidade é um dos grandes fatores para a regulação das temperaturas, propomos assim a criação de condições de reflorestação das zonas afetadas pelos incêndios, com a devida celeridade, com a criação de legislação no sentido de tornar mais céleres as ações de reflorestação, não só por parte do setor público, como por parte do setor privado.
2. Com o aumento progressivo das temperaturas globais, devido à constante emissão de gases resultantes da queima de combustíveis fósseis. Propomos a criação de legislação efetiva, no sentido de uma redução da emissão rápida e urgente destes gases, fomentando assim a utilização de energias limpas, de fontes renováveis, não só através de incentivos financeiros diretos, como através de incentivos à chamada economia verde que pode passar pelos incentivos ao empreendedorismo.
3. Com todos os gases emitidos pelos transportes, Propomos promover melhores condições nos transportes públicos para estabelecimentos e instituições públicas, como sejam os estabelecimentos ligados à saúde, educação e serviços de justiça, registos e notariado e segurança, de forma a evitar a utilização de transportes individuais este serviço deveria ser tendencialmente gratuito ou, na impossibilidade de o ser, teria um custo reduzido em comparação com os gastos de um transporte individual.

Leiria

Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Ribeiro Ferreira, Alvaiázere

1. Adotar um modelo inteligente e sustentável de ruas e estradas em Portugal.
2. Implementar um novo modelo sustentável e ecológico na construção de edifícios, apostando na implementação de telhados verdes.
3. Equipar os ginásios e outros espaços que o permitam, com aparelhos apetrechados com dínamos que abarquem aptidão para armazenar a energia mecânica, gerada através da prática do exercício físico, transformando-a em energia eléctrica, enviando-a para centrais especializadas para o efeito e posterior distribuição à comunidade local e sustento da própria infraestrutura.

Leiria

Escola Básica e Secundária Dr. Pascoal José de Mello, Ansião

1. Diminuir o uso de combustíveis fósseis e consequente aumento do consumo dos biocombustíveis, energia solar e hidrológica.
2. Promover a reflorestação em geral e a plantação de espécies resistentes aos incêndios e o controlo da plantação de espécies de fácil combustão e mais agressivas para os solos, promovendo o ordenamento do território.
3. Incentivar a não utilização dos plásticos e outros materiais poluentes, atribuindo benefícios ou sanções fiscais às empresas conforme o seu contributo para a causa abordada, bem como o financiamento de estudos científicos, a realização de palestras e outras atividades que visem alertar para os perigos desses materiais e divulgar alternativas a estes.

Leiria

Escola Básica Rainha Santa Isabel, Carreira, Leiria

1. - Considerar na Lei o Orçamento de Estado benefícios fiscais para os produtores de biocombustíveis, bem como para aqueles que adquiram equipamentos que os utilizem enquanto fonte energética.
2. - Tornar obrigatório a instalação painéis solares (fotovoltaicos e/ou térmicos) em todos os edifícios a construir, em função da sua dimensão, bem como implementar benefícios fiscais que possibilitem a aquisição desses equipamentos.
3. - Implementar benefícios fiscais para aquisição de veículos elétricos ou movidos a outras energias alternativas

Leiria

Escola de Formação Social Rural de Leiria

Desistiu

Leiria

Escola Profissional e Artística da Marinha Grande

Desistiu

Leiria

Escola Secundária Afonso Lopes Vieira, Leiria

1. . Alargamento da rede de isenção de parquímetros a carros elétricos;
2. . Renovação da rede de transportes públicos, para uma frota essencialmente elétrica ou com um menor nível de emissão de gases;
3. Renovação dos sistemas de aquecimento escolares, bem como de outros edifícios públicos, passando estes a utilizarem eletricidade, implementar nas escolas e em outros edifícios públicos painéis de produção elétrica para a sustentabilidade do edifício.

Leiria

Escola Secundária de Figueiró dos Vinhos

1. Mobilidade Sustentável
2. Alimentação sustentável:
3. Espaços Verdes e Edifícios Verdes nas cidades

Leiria

Escola Secundária de Mira de Aire, Porto de Mós

1. Incluir o tema Educação Ambiental, obrigatoriamente, nos programas dos diferentes ciclos de Ensino, o mais precocemente possível desde a Educação Pré-Escolar até ao Ensino Secundário, com conteúdos, metodologias e práticas já que a forma para acabar as alterações climáticas começa ao nível pessoal até ao nível global.
2. Conceder benefícios fiscais às empresas com boas práticas ambientais e promover a monitorização das mesmas.
3. Dar prioridade à eficiência energética na arquitetura dos edifícios públicos.

Leiria

Escola Secundária de Pombal

1. Conceder benefícios fiscais às empresas criadoras de biomassa e subsídios aos proprietários dos terrenos. Deste modo as empresas, com ajuda estatal e dos proprietários aumentariam a sua produção.
2. Expandir o uso de e-manuais durante o ensino escolar.
3. Promover formas de aquecimento das casas e da água que utilizam métodos renováveis.

Leiria

Escola Secundária de Porto de Mós

1. Incentivos fiscais à plantação de árvores autóctones, de forma a proteger os ecossistemas e o meio ambiente em geral e a prevenir graves incêndios florestais.
2. Melhoramento dos incentivos fiscais existentes para a compra de painéis solares, evitando, deste modo, que Portugal consuma energia proveniente de recursos não renováveis, como carvão ou o petróleo.
3. Todos os edifícios públicos devem possuir um isolamento eficiente evitando, assim, gastos energéticos desnecessários, e dando exemplo a todos os cidadãos e principalmente aos jovens como devem proceder nas habitações próprias, no futuro.

Leiria

Escola Secundária Domingos Sequeira, Leiria

1. Redução do IVA na compra de produtos biológicos e amigos do ambiente. Esta proposta de redução do IVA tem o objetivo de baixar o preço dos produtos em causa, nos supermercados ou nos estabelecimentos específicos de venda ou comercialização, de modo a que sejam mais procurados por um maior número de consumidores.
2. Redução do IVA na compra de painéis fotovoltaicos, por parte de particulares, e maiores benefícios em termos de IRS. A nossa proposta visa incentivar a compra de painéis fotovoltaicos, por parte dos consumidores europeus, levando, com isto, a um aumento do recurso às energias renováveis, nomeadamente, a solar.
3. Redução do IVA na compra de veículos elétricos e híbridos por parte de particulares. A nossa medida visa uma redução do IVA deste tipo de automóveis como benefício fiscal, deste modo, a vantagem para a compra dos mesmos vai ser cada vez maior e, consequentemente, as suas vendas vão aumentar significativamente.

Leiria

Escola Secundária Eng. Acácio Calazans Duarte, Marinha Grande

1. Instalação de sistemas de controlo de emissão de gases poluentes pelas indústrias.
2. Implementação progressiva de máquinas de receção de resíduos de plástico, com reembolso dos responsáveis pela entrega.
3. Adoção de programas que visem a redução do plástico em circulação.

Leiria

Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo, Leiria

1. Propomos que as Instituições Públicas deem o exemplo cuidando do planeta e para isso têm de erradicar dos seus espaços todos os equipamentos que utilizem consumíveis de plástico de única utilização e substituí-los por materiais amigos do ambiente, nomeadamente: copos de plástico e palhetas nas máquinas de bebidas , incluindo café, substituindo –os por papel reforçado (tipo starbucks) e as palhetas por madeira ou paus de canela.
2. Propomos que as coimas a favor da Terra e dos que por Ela lutam revertam de facto para o planeta, Fundo de Intervenção Ambiental no total de 65% invertendo a percentagem que tem sido maioritariamente atribuída ao Estado, reduzindo-a para 45% .
3. Propomos a criação de um comité à semelhança dos prémios Pessoa; Camões; que premeie empresas e instituições que se destaquem pelo seu comportamento e práticas ambientais efetivas e com impacto em todos os colaboradores que com elas trabalhem.

Leiria

Escola Secundária Pinhal do Rei, Marinha Grande

1. Implementar programas de reflorestação e arborização generalizados, envolvendo instituições particulares e estatais.
2. Proibição de cedência de cotas de poluição entre países, penalizando fortemente quem o faça.
3. Dotar todas as cidades e comunidades intermunicipais de ciclo-vias seguras.

Leiria

Escola Tecnológica Artística e Profissional de Pombal

1. Implementar uma educação ambiental, desde os primeiros anos de escolaridade, através da criação de materiais pedagógicos adaptados a cada um dos ciclos, apelando à consciência humana e envolvendo os encarregados de educação.
2. Obrigatoriedade de proceder à plantação de espécies arbóreas nativas e à regeneração das manchas florestais aquando a necessidade de corte de árvores pelas empresas.
3. Instalação, nos locais onde é feita a descarga de água para o rio, de comportas com sistemas de drenagem e filtração das águas através de redes que permitam a limpeza e preservação das mesmas.

Leiria

Escola Tecnológica e Profissional de Sicó

1. Sensibilizar a população através de uma campanha sobre os problemas ambientais e a importância da política dos 3R´s (repensar, recusar, reduzir, reparar, reintegrar, reutilizar e reciclar), promovida pelas Câmaras Municipais, Juntas de Freguesia, Escolas e outras entidades.
2. Apoiar e incentivar os jovens para hábitos de vida mais sustentáveis
3. Aplicar uma taxa de prevenção ambiental

Leiria

Escola Tecnológica e Profissional de Sicó (Sede)

1. Criação de compensações para os indivíduos que praticam a reciclagem, através da implementação de sistemas eletrónicos de contagem de pontos em contentores de reciclagem públicos e privados.
2. Criação de um concurso nacional para as escolas, em que os alunos do 2.º e 3.º ciclo e secundário teriam de recolher o maior número possível de tampas e pilhas, durante o ano letivo. A escola que tivesse o melhor resultado, receberia um prémio monetário que teria como objetivo ajudar a minimizar as necessidades mais prementes diagnosticadas pela escola vencedora.
3. Obrigatoriedade, expressa em legislação, para a utilização de sacos feitos de materiais biodegradáveis (como por exemplo fécula de batata, milho, entre outros) eliminando gradualmente os sacos de plástico até à sua descontinuação definitiva.

Leiria

25 Escolas elegem 75 deputados: 50 deputados efetivos + 25 suplentes

Lisboa

Agrupamento Monte da Lua

1. Reduzir os impactos negativos da produção intensiva de carne, peixe, ovos e produtos lácteos. Para isso é necessário aumentar o investimento em projetos de educação alimentar para sensibilizar a população de modo a reduzir o seu consumo. Temos de mudar a alimentação do gado para sementes de linhaça e alfafa. Incentivos aos agricultores para aumentarem a produção e acessibilidade dos produtos.
2. Inovação do sistema de separação de resíduos através da adição de ecopontos para resíduos orgânicos e não recicláveis. O lixo orgânico para a produção de energia através da biomassa e o lixo não reciclável com finalidade de produção para a energia de aquecimento em centrais de queima de lixo.
3. Com vista a reduzir a emissão de gases poluentes pretende-se transformar os transportes públicos e o espaço público num meio mais eficaz para circular. Aumentando a interconectividade e a frequência dos transportes, a eficácia dos mesmos e a segurança das ruas (alargamento de passeios e construção de ciclovias), bem como, o uso de estratégias que permitam a redução da emissão de gases dos veículos e fábricas.

Lisboa

CAISL - Carlucci American International School of Lisbon